Ano novo, resultados velhos. Tupi perde para Tombense na estreia do Campeonato Mineiro

Matheus Brum Matheus Brum 30/01/2017

A expectativa para a estreia do Campeonato Mineiro era grande. Na pré-temporada, o Tupi venceu o Núcleo Esportivo de São João Nepomuceno por 5 a 0, e empatou em 1 a 1 contra o Bangu, numa partida em que o alvinegro fez vários testes e que o adversário quase não levou perigo. Porém, o sábio da bola proferiu há tempos que "jogo é jogo e treino é treino".

Se os treinos deram ânimo, a estreia foi um "banho de água fria". E mesmo com uma temporada 2016 horrível, a torcida compareceu ao Municipal. Muito por conta de várias ações dos mais fanáticos para levar os adeptos ao Mário Helênio. Porém, nem isso foi suficiente. Dentro de campo, a equipe não se encontrou. A derrota por 1 a 0 pôs fim à invencibilidade do Galo para cima do Gavião Carcará. Agora, na história do “Clássico da Zona da Mata”, são sete jogos, com 4 vitórias do Tupi, 2 empates e 1 vitória do Tombense.

Diferente dos treinamentos, o técnico Éder Bastos, escalou o time com dois volantes, ao contrário do 4-2-4 moderno que já tinha sido apresentado ao torcedor.

Emerson entrou no lugar de Thiago André, e foi um desastre. O meio de campo não se encontrou, Juninho não conseguia armar, e na frente, Carlos Junior, Caça Rato e Matheus Pato, não se movimentavam, sendo presas fáceis para a zaga de Tombos.

Aproveitando estas falhas, o Tombense saiu na frente aos 6 minutos. Gideão cortou cruzamento da direita. A bola sobrou na esquerda para João Paulo. O meia rolou para Jonathan, dentro da área. O camisa 8, que disputou a Série B pelo Tupi, só teve o trabalho de cortar para a direita e colocar no canto esquerdo Carijó.

A partir daí o alvinegro não se encontrou. Passes errados, posicionamentos ruins e finalizações para fora. Em especial Yago na direita, que errou até lateral, sendo vaiado pela torcida a cada toque de bola. No meio, Juninho não encontrava os atacantes, errando quase todos os passes.

Não tendo nada a ver com os problemas do Tupi, a equipe alvirrubra fazia o deles e chegava perigosamente. Daniel Amorim chutou rente à trave aos 15 minutos. Quatro minutos depois, João Paulo recebeu na esquerda e cruzou rasteiro. Alex desviou na pequena área, para grande defesa de Gideão.
A cada chegada do adversário, os jogadores carijós ficavam mais desligados. A bola queimava e jogadas simples se transformavam em erros monumentais. O maior exemplo foi uma falta cobrada por Juninho aos 24 minutos. O camisa 10 rolou para Yago, na ponta direita. Porém, o camisa 2 não estava prestando atenção na jogada, e a bola saiu pela linha de fundo.

A primeira chegada do Tupi foi apenas aos 35 minutos. Depois de contra-ataque, Juninho lançou Bruno Costa na esquerda, que cruzou rasteiro. Matheus Pato não conseguiu se antecipar, e a zaga cortou.
A beira de campo, Éder Bastos gritava, gesticulava, batia com o boné no banco de reservas, mas nada adiantava. O time continuava completamente desligado e apático em campo. Tentando mudar o cenário, fez a primeira substituição ainda no primeiro. Aos 39 minutos, colocou Thiago André no lugar de Emerson. Com isso, voltava a atuar no esquema que havia treinado na pré-temporada. Ainda assim, o panorama da partida não mudou nos minutos finais da primeira etapa.

Na volta do intervalo, outra mudança, na tentativa de mudar o jogo: Caça Rato saiu para entrada de Sávio.
Contudo, apesar das substituições, o cenário não mudou. A equipe continuou completamente desorganizada dentro de campo. Para piorar, Thiago André saiu machucado aos 14 minutos. No lugar, entrou Ruan Teles.

Os últimos 45 minutos foram duros de se ver. De um lado, um time que tentava o empate de todas as formas, mas não sabia como fazê-lo. Do outro, uma equipe satisfeita com o resultado e que já começava a dar sinais de cansaço devido ao forte sol que pairava em Juiz de Fora.

A partida foi se prolongando sem grandes oportunidades. Apenas no último quarto da peleja que Carlos Júnior e Ruan Teles conseguiram duas jogadas individuais que fizeram Darley, goleiro do Tombense trabalhar.

Ao final da partida, o estádio voltou a ecoar o som que ficou caracterizado em 2016: vaias e mais vaias.
O Tupi encerra a primeira rodada na 11ª colocação. Na próxima rodada, vai a Teófilo Otoni encarar o América-TO, domingo, às 10h.

Ficha Técnica

Gols: Jonathan (TOM), aos 6 minutos do 1º tempo;

Tupi: Gideão; Yago, Elivelton, Edmário e Bruno Costa; Marcel, Emerson (Thiago André (Ruan Teles)) e Juninho; Carlos Júnior, Flávio Caça Rato (Sávio) e Matheus Pato. Técnico: Éder Bastos
Tombense: Darley; Gedeilson, Wellington, Matheus Lopes e Ronan; Natanael (Coutinho), Jonathan (Matheus Henrique), Pedro Castro e Alex; Daniel Amorim e João Paulo (Carlos Henrique). Técnico: Raul Cabral

Arbitragem: Murilo Francisco Júnior (MG), auxiliado por Luiz Antônio Barbosa (MG) e Douglas Almeida Costa (MG)

Estatísticas


Tupi

Tombense

Passes Errados

39

16

Finalizações

6 (1 certa e 5 erradas)

6 (3 certas e 3 erradas)

Faltas

14

19

Desarmes

6

7

Impedimentos

3

2

Cartões

3 amarelos

1 amarelo

Outros destaques

Nesta semana, o JF Celtics, time de basquete da cidade, realiza seletiva para novos jogadores. Você pode conferir os requisitos para participar da “peneira”, na imagem abaixo:

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.