• Assinantes
  • Autenticação
  • Mulher
    Raquel Marcato Raquel Marcato 28/02/2016

    A polêmica do “desafio da maternidade” no Facebook

    maeAo acessar o Facebook hoje percebo uma polêmica acontecendo. Caramba, uma enorme polêmica em torno de mães que aproveitaram o “ Desafio da Maternidade”, criado pelo Facebook, não para somar poesias mas sim para compartilhar as suas dores, angústias e frustrações.

    Como somos de uma cultura que não sabemos lidar com a verdade alheia o resultado foi o esperado críticas e mais críticas e até bloqueio do perfil no face.

    É “doentio” ver o quanto nós mães nos cobramos dia após dia para sustentar o nosso lugar como heroínas felizes. Ainda nos falta entender que somos apenas uma mãe. E esta mãe não tem que estar colecionando no seu baú de recordações quantidades diárias de alegrias, entusiasmos, certezas, fortalezas e sorrisos para se convencer que tem cara de mãe.
    Mãe não tem cara disso não gente!

    Sem muito questionar, mãe tem que ter cara de liberdade, de absoluta liberdade para se mostrar do jeito que é, vestida com a pele da verdade e  perfumada com o natural cheiro da carne.

    Essa é a cara que uma mãe tem para mim.  Eu a reconheço muitas vezes pelo seu cheiro, mesmo quando não vejo a sua cara. Esse cheiro que exala dor, fraqueza, solidão, descontrole, medo, raiva, preocupação,  sobrecarga e também lindas poesias, tenho ele no nariz impregnado.

    Quando farejo o meu ser mãe com excesso de perfume francês é sinal de falta de autoconhecimento para assumir alguma emoção que precisa dar o seu grito. E quando me permito entrar na dor saiu do divã infinitamente com mais cara de mãe.

    Depois do primeiro mês de vida da minha menina, comecei a sentir a palavra Mãe como uma sigla.

    M.A.E = muito amor e entrega.

    Então, o nome passou a ser uma interpretação de uma letra e duas vogais. Assim todo o peso social atribuído à palavra mãe começou, lentamente, a ser diluído entre cada espaço ocupado por um ponto.

    Porém, esta sigla vem me ensinando que este amor e essa entrega não comungam da mesma harmonia sonora quando colocados dentro do cheiro da carne de uma mãe.

    Eles ficam zangados já que a sua conotação social é apenas pureza com cheiro de rosas.

    Pois é… mas o amor e a entrega que me fazem ter cara de mãe precisam ser à minha maneira, senão não sei senti-los. Por isso a minha forma de amar também arde e sangra, assim como a minha entrega, que também cansa e fica histérica.

    Não consigo amar sem também sentir raiva, um não exclui o outro, um não é inimigo do outro. Também não consigo amar sem sofrer. O sofrimento me faz perceber o quanto o meu amor é sobretudo visceral, ainda desconheço o amor por um filho como nos ensinam dentro dos templos de oração.  Aquele celestial que sublima, que liberta, que se desapega espero senti-lo algum dia, pois hoje o cheiro da minha carne me faz amar com os pés no chão.

    Sinto um amor por minha menina, não menos por isso. Ele é único, mesmo no seus dias de profunda dor e desespero. Pois ele me convence, faz-me sentir de verdade. Sou uma M.A.E que realmente existe dentro de mim. A cada crise colérica percebo o contorno do meu corpo enrijecido por minhas limitações e a minha cara perdida de si suplicando ajuda.

    Ser M.A.E é falar principalmente desse tipo de amor que arde, mas que cura. Precisamos muito nos permitir também amar um filho na ausência de beleza, isso é ter maturidade para amar. O amor exige isso: maturidade, vivência e, sobretudo, humildade.

    Minha menina não se sentirá mais amada se eu sabotar este amor que sinto quando sou mãe para ela. O amor difundido nos leilões da maternidade idealizada não provocaria nela aconchego, mas sim desconsolo, falta de empatia e excesso de sentimentos sufocados.

    Se sentiria coibida em assumir o seu amor também com cheiro da carne de filha que sente por mim. Estaria buscando encontrar uma mãe de verdade como uma filha de verdade que ela é.

    Seguindo, como posso querer ser entrega sem saber a hora também de deixar de ser? Não posso ir contra a minha natureza, que também se desfaz diante do cansaço que me consome por também ser mãe. Comecei a entender que preciso ser muito sincera com a minha entrega. Havia dias que estava entregando o que já não tinha para dar. Me alimentava de ilusão. Enfim, não estava entregando nada, apenas pedaços de mim que ainda respondia de alguma maneira.

    Então, teve um dia que chamei essa “entrega” para uma conversa.
    – o que você quer de mim, tirar a minha última gota de sangue?
    e ela me respondeu:
    – essa não é a minha verdade. Esperar isso de uma mãe seria desconsiderar a sua grandiosidade.

    Levei dias para entender esta tal grandiosidade.

    A resposta  estava bem no meu nariz todas as vezes que  inspirava e exalava o autêntico cheiro da carne de uma mãe.


    Raquel Marcato, mãe da Marta de 5 anos, blogueira do portal mamaesavessas.com, escritora, questionadora por essência, ativista pelo autoconhecimento e mestre em Literatura Comparada pela Universidade Autônoma de Barcelona.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.