Artigo
"...um homem pra chamar de seu,
mesmo que seja eu..." (Erasmo Carlos)


:::11/10/2005

Perdemo-nos no caminho entre o que somos e o que temos de ser.

Suprimimos nossas vontades e nossos desejos em benefício de uma convivência pacífica geradora de um ambiente harmonioso e de uma família/relação hipocritamente feliz. Hipocritamente feliz? Claro que sim. Numa relação amorosa nada deve ser suprimido, quanto mais as vontades e os desejos de qualquer um dos parceiros.

E é claro que estamos falando de sexo. O que é verdadeiramente capaz de fazer um casal infeliz e distante senão uma vida sexual fria e mal resolvida quando ambos gozam de boa saúde física e mental?

Com a redescoberta do prazer, as mulheres estão mais exigentes e querendo um sexo mais freqüente e de boa qualidade sem abrir mão do romantismo e ainda acreditando no casamento. E os homens, assustadíssimos!

 

"No início do relacionamento aquele desejo mútuo que dava vazão a todos meus pensamentos e atitudes, eu era feliz, me sentia até realizada. Tudo que eu fazia tinha graça, tudo que eu vestia era lindo, até eu era linda. Ele estava sempre bem disposto e também parecia feliz. Então, o que aconteceu? Hoje, me sinto sozinha e desprezada. Rolo na cama porque gosto dele e o desejo muito e ele me ignora ali. Mantenho-me linda, me cuido e me responsabilizo por nossa vida sexual estar assim. Será que o problema está mesmo em mim?".

"A vida o engoliu e para mim só sobrou a resignação e a responsabilidade de manter o lar em harmonia colaborando com o meu silêncio, abafando minhas angustias, suprimindo meus desejos e me fazendo de feliz".

"Pra quê? Só para constar como mulher casada ou acompanhada?".

"Ele agora, está sempre indisposto, mal humorado, frustrado com suas realizações pessoais e profissionais, se transformou num neurótico, critica tudo, vê tudo pelo lado negativo e ainda por cima costuma por a culpa de tudo em mim. É paradoxal, diz que me ama, mas me ignora. Às vezes me dá um carinho que mais parece um favor... Quero não. Estou com tudo em cima e olha só, sentindo saudade de mim!".

 

Muitas mulheres vivem este dilema, estão infelizes sexualmente dentro de uma relação estável mas continuam ali, porque ainda é muito relevante o amor que sentiram e sentem pelo seu homem e a esperança de tê-lo um dia, de novo, na pele daquele que ela conheceu e com quem sonhou ser feliz para sempre!

O que fazer então se ele diz que a ama, mas não está querendo sexo neste momento?

Descartadas todas as possibilidades desse homem não amar mais esta mulher, o que é um direito dele, desse homem não estar doente e, de qualquer chance de ele estar sendo infiel, a mulher deve se conscientizar que o seu amado pode estar sendo vítima de um cotidiano estressante ou até mesmo frustrante profissionalmente ou pessoalmente, e isto tem sido um grande agente causador de inapetência sexual, impotência ou ejaculação precoce no homem moderno. Desde que isso não caracterize uma neurose incurável e na qual ele queira permanecer, vale a pena investir em muito amor, muitas novidades, tolerância e orientação quanto a buscar uma ajuda profissional, especialmente psicológica ou terapêutica.

As cobranças do tipo: você não me ama mais? Tem outra? E tantas outras cobranças pessoais, só vão piorar e muito as possibilidades de um contato sexual feliz entre vocês.

As novidades como a preparação de novos ambientes, viagens românticas, roupas íntimas, massagem sensual, além de muita tolerância e carinho sincero podem trazer de volta a virilidade que você tanto quer ver no seu amor. E dessa vez, pode ser muito melhor! Terão a favor de vocês o sentimento que não morreu, a vontade mútua de serem felizes, a maturidade e a sabedoria!

As novidades que, aliás, servirão de tema para os próximos artigos (aguardem), também devem ser apresentadas com muito cuidado para não fazer com que ele se sinta obrigado a transar naquele momento, o tiro pode sair pela culatra. A mulher deve sempre mostrar que o quer, mas nunca pressioná-lo. Às vezes, só um colinho poderá despertar nele uma enorme vontade de amá-la naquela hora.

Seja forte, espere a tempestade passar, livre-se dos preconceitos e utilize um recurso que eles usam para não nos trair quando damos os nossos "pitis". A masturbação! Acaricie-se, crie fantasias com ele, e de alguma forma chegue ao prazer, o homenageando, é claro!

A técnica do pompoarismo tem ensinado muitas mulheres a resolverem sozinhas a sua sexualidade. Não devemos nos amargurar frente à dificuldade de nos relacionarmos com um homem. Os exercícios de contração são muito prazerosos e bastam para nos alimentar das energias que uma vida sexual bem resolvida pode nos proporcionar enquanto não acontece algo melhor.

Nós somos as Deusas, nós podemos muito!

Namastê.

 


Clique aqui e mande sua sugestão sobre esta coluna

 

Jussara Hadadd é terapeuta holística,
especializada em sexualidade
Saiba mais, clicando aqui!

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.