• Assinantes
  • Autenticação
  • Negócios
    Fernando Agra Fernando Agra 2/08/2014

    Como anda a sua vida financeira?

    dinheiroCaro internauta, como anda sua vida financeira atualmente? Está satisfeito com ela ou acha que precisa tomar algumas medidas para melhorá-la?

    Se você está satisfeito, ótimo! É sinal de que possui uma boa gestão das finanças pessoais, faz o dinheiro trabalhar para você, atende suas necessidades e desejos e ainda vê o seu patrimônio crescer. Se não, o que fazer para melhorar a sua gestão financeira? Seguem algumas dicas:

    Tenha um orçamento doméstico bem organizado. Se possível, utilize uma planilha de excel ou um aplicativo. Entretanto, se isso não for possível, papel, caneta e uma calculadora básica são suficientes. É muito importante elaborar um orçamento planejado. Aí você começa o mês anotando tudo (tudo mesmo!) e semanalmente você atualiza os valores na sua planilha. No final do mês você compara com o que planejou e faz os ajustes para o mês seguinte. Pode até ser que no início, os valores estimados para as despesas variáveis sejam muito diferentes dos valores gastos de fato. É assim mesmo. Não há problema algum. A questão é que você deve fazer os ajustes mês a mês até o ponto que a diferença entre o planejado e o observado no final do mês seja mínima (exceto em meses atípicos, nos quais podem acontecer imprevistos);

    Isso parece cansativo no início, mas é a única maneira de saber para onde o seu dinheiro vai. Quantas vezes você teve a sensação de não saber onde tem gasto o seu dinheiro? Lembre-se ainda de colocar as despesas parceladas aos longo dos meses em que as mesmas serão pagas. Isso mostra a sua capacidade de pagamento e endividamento para os meses seguintes e vai te ajudar a evitar compras desnecessárias também. Se possui dívidas, pague-as sempre no vencimento para evitar despesas desnecessárias com juros e multas. Se tem dívidas que fugiram do controle (cheque especial, rotativo do cartão de crédito, financeiras ou outras fontes de agiotagem, faça um acordo com seus credores e pague primeiro as que cobram juros mais altos e durante esse período, limite seu consumo ao estritamente necessário);

    Feito o orçamento e ajustado ao seu padrão de vida, é hora de separar uma parte para poupar e buscar uma aplicação financeira que fará o seu patrimônio crescer. Hoje em dia, existem aplicações tão seguras quanto a conservadora caderneta de poupança e que possuem uma rentabilidade melhor. Em geral, a caderneta de poupança tem rendido 7 a 7,5% ao ano. Se a inflação alcançar o teto da meta estimada pelo governo e bater os 6,5% ao ano, o seu ganho real na poupança será mínimo. Assim, aconselho a buscar o CDB ou a LCI, que possuem uma rentabilidade melhor do que a poupança e também têm a mesma proteção de até R$ 250 mil por CPF e por intuição, caso a mesma quebre, pelo FGC (Fundo Garantidor de Créditos).É importante lembrar de perguntar qual o percentual do CDI que o banco paga tanto no CDB quanto na LCI para você verifique se vale a pena. Lembro que a LCI é isenta de Imposto de Renda, porém o poupador somente poderá resgatar o dinheiro no vencimento e esta deve ainda ter registro na CETIP (Certificado de Operações Estruturadas). Já o CDB, mesmo pagando Imposto de Renda, possui a vantagem da liquidez e rentabilidade diárias;

    E para aplicações de longo prazo, conheça o Tesouro Direto, no qual você comprará títulos diretamente do governo. Busque informações detalhadas no site www.tesourodireto.gov.br e veja que com apenas R$ 30,00 por mês, você já pode começar a aplicar nessa modalidade. Tal não possui a proteção do FGC, mas o risco é baixo (só se o governo der um calote). Possui os menores custos de transação do mercado (taxas de administração, por exemplo). Uma coisa eu te digo: fuja dos títulos de capitalização (que deveriam chamar de títulos de "descapitalização" ou título de "capeta...lização", pois somente favorece os bancos; bem como fujam da previdência privada, que possui custos elevadíssimos de carregamento e taxa de administração e ainda aplica, em geral, em títulos públicos. É mais interessante você mesmo aplicar diretamente em títulos públicos, via tesouro direto, com custos bem mais baixos. E no tesouro direto, eu indico a NTN-B Principal, que é um título que paga, em média 6% ao ano mais a inflação (IPCA, por exemplo). Isso que dizer que você ganhar juros reais e estará protegido da inflação. Para isso, é preciso ficar até o final com o título (pois lembro que existe a opção de você resgatá-lo às quartas-feiras).

    Enfim, tenha sempre consciência do padrão de vida que pode levar. Muito cuidado com as propagandas que te estimulam a consumir cada vez mais. Ajuste a sua vida financeira e tenha uma melhor qualidade de vida.


    Fernando Antônio Agra Santos é Economista pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Doutor em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), Professor da Universidade Salgado de Oliveira (Universo) e professor licenciado da Fundação Educacional Machado Sobrinho, todas as instituições em Juiz de Fora - MG. Também é economista do Centro Regional de Inovação de Transferência e Tecnologia (Critt) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). O autor ministra palestras, para empresas, na área de Inteligência Financeira, Gestão de Pessoas, Relacionamento Interpessoal, Marketing Pessoal e Gestão do Tempo. É autor do livro "Crédito Rural e Produtividade na Economia Alagoana" pela EDUFAL. É colunista do Portal ACESSA.com e coautor de artigos na Folha de São Paulo on line (com o colunista Samy Dana, Professor da FGV - SP).Saiba mais clicando aqui.

    Os autores dos artigos assumem inteira responsabilidade pelo conteúdo dos textos de sua autoria. A opinião dos autores não necessariamente expressa a linha editorial e a visão do Portal ACESSA.com

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.