Na mira dos chocolates

Repórter: Sílvia Zoche
Edição: Ludmila Gusman
Designer: Lúcio Tanini

Os pequenos ficam agitados com a chegada da Páscoa, porque sabem que vão ganhar chocolate, acreditando ou não em coelhinho. Os pais devem ficar de olho para que essa criançada não exagere na comilança pra não ter, literalmente, dor de cabeça depois.

De acordo com a nutróloga Alice Amaral, comer muito chocolate, de uma vez só, pode gerar, a curto prazo, enxaquecas, diarréias e até intoxicação. Nestes casos, é indicado fazer hidratação caseira e fornecer alimentos leves. Em casos mais graves, o ideal é levar ao médico.

A médio e longo prazo, o excesso de chocolate pode provocar, obesidade infantil (leia a matéria) e o aumento na taxa de triglicérides e colesterol LDL (o chamado colesterol ruim). "A criança repete o que adulto faz. Se você pede pra ela não exagerar em determinada alimentação e vê você fazendo o contrário, não adianta".

Miriam Caldi d’Ornellas Bellotti e Fernando Eduardo Pinheiro Bellotti (foto abaixo), pais de Fernanda, 7 e Luiz Eduardo, 9 (foto acima), não conseguem controlar a vontade das crianças no dia de Páscoa. "Quanto mais comem, mais eles querem", diz Miriam. "E quando comem, querem tudo de uma vez", completa Fernando. Mas afirmam que durante o resto do ano, a guloseima não faz parte do cardápio das crianças. "Uma vez ou outra, eles ganham e costumo dar chocolate em pó no leite. No caso da Fernanda, eu misturo o light", diz Miriam.

E como na maioria das famílias, o que um filho ganha, o outro também tem que receber, eles costumam ser presenteados com o ovo de chocolate o preferido pelos dois. "Pode dar chocolate sim, mas de maneira equilibrada. Se parentes e amigos mais íntimos querem presentear, os pais podem combinar e negociar em dar outros presentes além do chocolate. Os pais dão um ou dois ovos de chocolate somente, outra pessoa dá um brinquedo, roupa...", indica Alice.

Como Miriam vai às compras mais cedo, as crianças acabam ganhando um ovo de páscoa antes, além do que vão receber na data. "Mas eu guardo, falo que não é pra comer tudo e costumo esconder". Só que, como a maioria das crianças, eles dão um jeito de encontrar. Para Alice, o certo é conscientizar em vez de esconder. "A criança é esperta, inteligente. O melhor é conversar e mostrar os motivos pra não comer chocolate toda hora".

Outra recomendação é não dar nem barras de chocolates nem caixas de bombons, porque são alvos fáceis de serem devorados. "Os ovos, hoje em dia, já não vêm com tantos bombons e muitos são recheados com brinquedos. Neste último caso, é positivo, porque é menos chocolate pra criança ingerir. Por outro, tem a criança que só quer o brinquedo e acaba comendo chocolate a mais", analisa a nutróloga (foto ao lado).

Outro conselho no dia de Páscoa é fazer para a família uma refeição gostosa e balanceada, levando o exemplo para o restante do ano.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.