Chocolate faz bem Sem exageros, o chocolate traz benefícios, porque o cacau possui, entre outras coisas, vitaminas que combatem os radicais livres

Sílvia Zoche
Subeditora
20/03/2008

O dia de páscoa está chegando, as lojas que vendem chocolates estão lotadas, com filas do lado de fora - algumas estão com alguns produtos em falta. E ganhar chocolate neste período não significa que as guloseimas tenham que ser consumidas de uma vez só.

Aliás, para quem acha que chocolate só é fonte de muitas calorias, deixando a consciência pesada, mesmo quando se come sem exagero, pode respirar aliviado, porque o consumo moderado traz benefícios à saúde, como informam as nutricionistas Paula Barros Rocha e Anita Baptista Soares (foto abaixo).

No geral, existem três tipos de chocolate: amargo, ao leite e branco. O primeiro possui maior concentração de pasta de cacau, o segundo possui menos quantidade de pasta e o terceiro possui manteiga de cacau, com mais gordura do que cacau. "É no cacau que se encontram os benefícios", avisa Anita.

Foto das nutricionistas Anita e Paula A chefe de cozinha Lenny Barros comenta que o branco é até mais difícil de dissolver que os outros. "Ele tem que derreter na temperatura exata, senão ele resseca e perde o ponto. O melhor é usar creme de leite junto para dissolver", comenta.

Para conseguir obter mais benefícios do cacau, o mais indicado, então, é o chocolate amargo. Mas isto não significa que ele pode ser ingerido em maior quantidade que o chocolate ao leite. O chocolate possui vitaminas do complexo B, vitamina E, cobre e flavonóides. Os três últimos são antioxidantes. "Eles não deixam os lipídeos oxidarem, não ocorrendo a produção de radicais livres, que colaboram, por exemplo, para o processo de envelhecimento", diz Anita.

E sabe aquele prazer que se sente logo após comer um bombom? As mulheres que sofrem com a famosa Tensão Pré-Menstrual sabem disso. As nutricionistas dizem que é uma sensação boa assim como a que se sente depois de uns 15 minutos de atividade física. "Existe um tipo de aminoácido na composição do chocolate, que ajuda a dar origem a um neurotransmissor chamado serotonina, que atua no sistema nervoso".

E não acabaram as boas notícias. "O consumo de chocolate está aumentando o bom colesterol, o HDL", diz Paula. A maior parte da composição do chocolate é de açúcar e gordura - também possui proteínas, mas em menor quantidade. "Existem gorduras saturadas e insaturadas no chocolate. A de ácido graxo monoinsaturada aumenta o HDL, ou seja, diminui a chance doenças cardiovasculares", completa Anita.

Foto ovos de chocolate, cenouras Foto de chocolate derretido em uma vasilha Foto de uma vasilha com chocolate em pó, com barras de chocolate ao lado

"Mas as coisas não são só mil maravilhas, não", como alerta Paula. Por isso, tanto os chocólatras, aqueles que consomem a guloseima todos os dias, quase sempre nos mesmos horários, quanto os que gostam de exagerar na dose de vem em quando, não devem achar que quanto mais comer chocolate, melhor. Como foi dito no início da matéria, os benefícios só aparecem com o consumo moderado.

Como ele é rico em açúcar e gordura, quando se ingere mais do que o organismo precisa, promove-se o ganho de peso. E como saber a quantidade que pode se consumir? "Cada indivíduo tem um metabolismo. E tudo varia de acordo com o gasto energético diário, a pessoa tem que saber que ela não precisa comer um bombom todo dia", fala Anita.

No consultório, elas analisaram vários fatores, como idade, sexo, altura, metabolismo. "Fazemos vários cálculos, como o consumo de vitaminas, gorduras, proteínas, carboidratos, de acordo com o perfil da pessoa para saber o que ela pode ingerir, sabendo se precisam perder peso, manter ou ganhar", explica Paula.

As nutricionistas lembram, ainda, que o ganho de peso pode desenvolver problemas como o diabete, hipertensão e cardiovasculares. E finalizam: "Pode consumir o chocolate? Sim, mas com moderação".


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.