O que é a Doença de Parkinson

Nome do Colunista Amanda Beloti 21/02/2018

Olá leitores!

Hoje tentarei resumir um pouco o que é a Doença de Parkinson, um assunto bem vasto e com muitos estudos novos e andamento a cada dia. Mas vamos nos ater a o que é a doença.

A Doença de Parkinson leva esse nome em homenagem ao primeiro médico que descreveu a doença, em 1817, Dr. James Parkinson. Segundo dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), cerca de 1% da população mundial acima de 65 anos apresenta Doença de Parkinson.

A Doença de Parkinson é uma doença neurológica, degenerativa, crônica e progressiva (não tem cura e tende a piorar com o tempo). Nos doentes de Parkinson, o sistema nervoso sofre uma degeneração em uma região cerebral chamada substância negra. Diferente de outras células, nosso neurônios não se regeneram e, uma vez danificados, não tem volta.

A substância negra do cérebro tem esse nome por conter melanina, o que dá aspecto escuro a estas células. Estas células da substância negra são responsáveis pela produção de dopamina, um neurotransmissor que possui a função de controlar os movimentos finos e coordenados das pessoas.

Até hoje não se sabe ao certo o motivo da degeneração desses neurônios da substância negra do cérebro, mas alguns fatores conhecidos podem desempenhar forte papel no desenvolvimento da Doença de Parkinson.

  • Idade (acomete pessoas com mais de 60 anos – em casos raros pode acometer pessoas mais jovens)
  • Histórico Familiar (apesar de não ser regra, pessoas com casos na família tem maior tendência a desenvolver a doença)
  • É mais frequente em homens do que em mulheres
  • Traumas isolados ou repetitivos no crânio (um exemplo disso são os lutadores de boxe)
  • Contatos com agrotóxicos
  • A Doença de Parkinson tem sintomas motores e não-motores. Os principais sintomas são:

1. Tremores (é o sintoma inicial em 70% dos casos. São piores no repouso e melhoram durante a movimentação. Isso distingue o tremor da Doença de Parkinson de outros tipos de tremores que, diferentemente, não melhoram com movimento).

2. Bradicinesia, que são movimentos lentos. É o sintoma mais incapacitante da Doença de Parkinson. Causa muita dificuldade para se iniciar qualquer movimento voluntário. Quando afeta os passos pode incapacitar o doente, pois primeiramente os passos se tornam curtos e lentos, e depois pode acontecer o “Freezing”, que é a sensação de “pés colados no chão”. O doente não consegue tirar o pé do chão para dar o passo.

3. Rigidez (com a falta de dopamina no cérebro, os músculos do corpo não recebem a ordem de relaxarem. Por esta razão a rigidez é constante e pode causar dor espalhada por todo o corpo. A amplitude dos movimentos também fica comprometida, porque as articulações ficam muito rígidas. Uma pessoa com Doença de Parkinson, por exemplo, perde o balanceio dos braços enquanto anda).

4. “Face em máscara”, ou seja, perda da expressão facial

5. Redução do piscar de olhos e, consequentemente, olho seco

6. A voz fica mais baixa e ocorre distúrbio na articulação da fala, ficando difícil compreender o que o doente de Parkinson está dizendo.

7. Aumento da salivação

8. Visão embaçada

9. Micrografia (a letra escrita fica muito pequena)

10. Incontinência e perda urinária

11. Conforme o avançar da doença, pode causar demência, depressão, ansiedade, alteração no sono e raciocínio lento.

Como não existe um exame especifico para Doença de Parkinson, o diagnóstico é feito a partir de análise dos sintomas e histórico médico do paciente. O diagnóstico médico é feito por um neurologista.

O médico poderá contar com exames de eletroencafalograma, tomografia computadorizada, ressonância magnética, análise de líquido espinhal, entre outros para descartar outras doenças neurológicas e confirmar a Doença de Parkinson.

Apesar de não existir cura, existem medicações que retardam o avanço da doença, melhoram a qualidade de vida do doente reduzindo os sintomas, e existe a fisioterapia, que é crucial para alívios de dores musculares, estimulação e manutenção da movimentação e da coordenação motora, além de melhorias significativas na função respiratória (já que os músculos da respiração também são afetados). Acompanhamento psicológico e fonoaudiólogo também são necessários (pacientes com Doença de Parkinson podem ter dificuldade para engolir, o que leva a engasgos perigosos que podem causar pneumonia por broncoaspiração. A fono ajuda nesse aspecto facilitando a deglutição).

Em casos mais graves e com indicação, o médico pode optar por oferecer a cirurgia para o paciente.

Como eu havia dito no início da coluna, Doença de Parkinson é um assunto muito vasto e com muitas pesquisas novas a cada dia. Meu objetivo aqui foi resumir o que é a doença para que mais pessoas procurem ajuda com neurologistas, tratamento com fisioterapeutas, psicólogos e fonoaudiólogos, e para que você, que tem Doença de Parkinson ou que tem algum doente na família, esteja sempre pesquisando sobre novas notícias e descobertas sobre a doença.

Não deixem de se cuidar!

Um abraço e até a próxima!

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.