HU celebra o Dia Nacional de Prevenção de Arritmias com atendimento a 52 jovens

Durante o atendimento, os atletas foram medidos, pesados e fizerem eletrocardiograma. Em sete casos foram detectados problemas

Envie a sua foto pelo link SUA NOTÍCIA, clique aqui
12/11/2012

HU celebra Dia nacional de combate a arritmias

O Hospital Universitário (HU) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) realizou uma ação em comemoração ao Dia Nacional de Prevenção das Arritmias Cardíacas e Morte Súbita com atendimento a 52 crianças e adolescentes durante a manhã desta segunda-feira, 12 de novembro, em sua unidade do bairro Santa Catarina. No evento, a equipe do Serviço de Cardiologia do HU, com o apoio da Liga Acadêmica de Cardiologia da Faculdade de Medicina da UFJF e integrantes do projeto Pró-Saúde da Faculdade de Odontologia, orientaram os jovens que praticam exercícios físicos voltados para o esporte competitivo, incluídos no Programa Minas Olímpica – Geração Esporte, desenvolvido na Faculdade de Educação Física e Desportos. Atualmente, este programa atende a cerca de cem crianças, entre 7 e 14 anos.

No atendimento, os participantes foram medidos, pesados e fizerem eletrocardiograma. Em sete casos, algum problema foi detectado e os atletas fizeram um ecocardiograma. Eles serão submetidos a novos exames e já saíram do local com o encaminhamento. Além disso, os atletas e seus acompanhantes receberam orientações práticas do chefe do serviço de cardiologia do HU, Hélio Brito, sobre como socorrer uma pessoa e fazer massagem cardíaca, utilizando um boneco da Faculdade de Medicina. Eles também receberam noções de saúde bucal de forma teatral e ganharam um kit com escova, pasta e fio dental. Na próxima segunda-feira, 19, acontece a segunda etapa da campanha de prevenção.

Importância da avaliação

Para Brito, a importância da avaliação cardiológica, anterior à prática de esportes competitivos, foi salientada a partir de pesquisa feita pela Sociedade Europeia de Cardiologia. No estudo, foi verificado que a incidência de morte súbita em crianças e adultos jovens que praticavam exercícios físicos sem passar por avaliação cardiológica prévia era 2,5 vezes maior do que em crianças e jovens adultos que não praticavam esportes. Contudo, o problema não está na prática de atividade física competitiva, mas na falta da avaliação para verificar se a criança já possuía algum problema cardíaco que contraindicasse o esporte. "O risco não é o esporte, mas sim o fato de permitir que cardiopatas se exercitem junto com os outros atletas sadios, sobretudo, em nível competitivo", explicou por meio de assessoria.

Os textos são revisados por Juliana França

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.