Consumidor que encontrar produto vencido em supermercado de JF terá direito a outro igual

O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira, 28 de junho

Jorge Júnior
Repórter
28/6/2012
assinatura

Os consumidores da Rede Bahamas de Supermercados que encontrarem qualquer tipo de mercadoria com data de validade vencida nas lojas terão direito a outro igual, da mesma marca e quantidade equivalente, de forma gratuita, porém, com validade em dia.

O anúncio foi feito durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira, 28 de junho, e faz parte do programa De olho na Validade, acordo celebrado entre a Associação Mineira de Supermercados (Amis), o Procon Estadual, o Fórum dos Procons Mineiros e o Movimento das Donas de Casa e Consumidores de Minas Gerais (MDC-MG).

De acordo com o assessor jurídico do Procon de Juiz de Fora, Eduardo Floriano, o termo só vale para os produtos que forem encontrados dentro das lojas. "Se o consumidor fizer a compra de uma mercadoria com o prazo de validade vencido, é só reclamar. Depois poderá efetuar a troca do produto, mas, o acordo só vale para as mercadorias encontradas nos supermercados", alerta.

Segundo o superintendente do Procon local, Carlos Alberto Gasparete, a proposta é para que o consumidor não se sinta lesado, comprando um produto vencido. "O Bahamas quis aderir a esse programa para cumprir mais uma ação em benefício da cidade", diz, lembrando que a rede foi a primeira a adotar a medida no município. "Antigamente, quando ocorria alguma reclamação a esse respeito, a fiscalização do Procon ia até o estabelecimento, multava, e o dinheiro era destinado ao fundo de benefício do consumidor", acrescenta. Na visão do representante da pasta, o De olho na Validade é um ganho real para a cidade. A iniciativa partiu da própria empresa, que manifestou interesse em aderir ao programa da Amis, que havia sido apresentado no mês de maio, na reunião do Fórum dos Procons Mineiros, em Belo Horizonte.

De acordo com o gerente de marketing da rede de supermercados, Nelson Júnior, o intuito é criar uma demanda interna dentro das lojas, para que cada gerente tenha comprometimento em fiscalizar o seu departamento. "O que nos levou a abraçar essa iniciativa é a nossa responsabilidade social e o nosso dever com o consumidor."

O diretor da rede, Jovino Campos, afirma que a empresa não tem interesse em vender produto vencido, portanto, o consumidor será um fiscal das lojas. "Ele irá nos ajudar, incentivando e aumentando a nossa responsabilidade." Para o vice-presidente regional da Amis, Álvaro Pereira Lage Filho, a proposta busca, cada vez mais, o aprimoramento dos projetos. "A instrução que os supermercados têm é de não colocar nas prateleiras mercadorias que irão vencer em até três dias", esclarece Campos.

Os textos são revisados por Mariana Benicá

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.