Juiz de Fora - MG

Situação da saúde em JF tem discussão acalorada em plenário

Com a sondagem de uma possível criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), audiência tem 35 pessoas inscritas para falar. Os debates permaneceram polarizados 

Angeliza Lopes
Repórter
28/04/2015

A audiência pública com discussões sobre a saúde pública em Juiz de Fora reuniu dezenas de pessoas no plenário da Câmara Municipal nesta terça-feira, 28 de abril, na rua Halfeld. A pedido do vereador Jucélio Maria (PSB), os debates entre autoridades e sociedade civil permearam questões voltadas a morosidade e falta de atendimento na saúde, judicialização, falta de vagas para internação, cirurgias e exames, diagnóstico das condições de funcionamento do HPS e PAM Marechal, déficit de profissionais da saúde, interrupção das obras do Hospital Regional e, principalmente, falta de medicamentos e ineficiência na distribuição dos remédios. Além do secretário de saúde, Adilson Stolet, também estavam presentes os secretários de Governo e de Planejamento.

Abrindo as discussões, Jucélio Maria apresenta os pontos principais levantados em matérias divulgadas pela mídia entre 2013/2015 para avaliação dos participantes, que resultariam na judicialização da saúde, resultando no abarrotamento judiciário para pedido de exames, cirurgias e atendimento médico, quebra da ordem de atendimento e crise institucional do Executivo e Legislativo. "Observamos de cinco a seis publicações por semana nos Atos do Governo para medicamentos de ordem judicial. Precisamos do aumento da cartela  do fornecimento de remédios pelo SUS. Temos que garantir o direito básico e institucional do cidadão", ressalta.

Com a sondagem de uma possível criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar questões pertinentes a falta de medicamentos nas unidades de saúde de Juiz de Fora e problemas na distribuição dos insumos sob responsabilidade da Unihealth Logística Ltda, a audiência pública vários momentos de tensão. Com 35 pessoas inscritas o direito aos três minutos de explanação, os assuntos ficaram polarizados entre pessoas que elogiavam ações administrativas e outros que discutiam problemas pontuais e gerais da situação da saúde em Juiz de Fora.

De acordo com o Secretário de Saúde, Adilson Stolet, cerca de 90% dos medicamentos que estão em falta no município já foram empenhados e estão sendo entregues, tendo sido feito uma compra emergencial de 90 itens para sanar as faltas na Regional Leste, Atenção Primária e HPS. Reforçou a necessidade de uma empresa de logística de armazenamento do estoque, para evitar a falta e remédios vencidos e redução de gastos desnecessários. Também foi falado da falta de repasse dos valores estaduais para a compra de remédios, até mesmo para a construção do Hospital Regional, que está parado.

Outros pontos levantados pela população que usou do direito de palavra no plenário, foi a humanização no atendimento nas unidades, problemas da falta de higiene em Unidades de Atenção Primária (UAPs) do bairro Santa Rita e Valadares, dificuldades na aquisição de fraldas, demora no atendimento na Regional Leste e falta de boa gestão. "Gerentes dos postos de saúde da Cidade Alta precisam fazer vaquinha para comprar gases e algodão. Não tinha dipirona", conta Marli do Nascimento.

Com quase três horas de audiência, ela encerrou com o proponente da mesa Jucélio Maria, que informou que será enviado um requerimento com todas as perguntas feitas em audiência, para que haja esclarecimentos por parte do Executivo.


Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.