Sexta-feira, 8 de janeiro de 2009, atualizada às 19h

Setor financeiro lidera o ranking de reclamações no Procon pelo terceiro ano consecutivo

Da Redação

O setor financeiro liderou o ranking de reclamações na Agência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon/JF) em 2009, com 36,58% do total geral. Esta foi a conclusão do balanço das atividades do Procon, que realizou 29.590 atendimentos, de janeiro a dezembro.

Pelo terceiro ano consecutivo, o setor ficou no topo das reclamações. Em 2007, dos 19.653 atendimentos efetuados, 6.389 (32,51%) consumidores mostraram insatisfação com os assuntos financeiros. Em 2008, o órgão fez 22.818 atendimentos, sendo 9.169, ou seja, 31,93%, relacionados à área. Entre os alvos das reclamações estão os bancos, financeiras, seguradoras e administradoras de cartões de créditos.

Os serviços essenciais, como telefonia fixa e celular, empresas de energia elétrica e saneamento, ficaram em segundo lugar nas estatísticas de 2009, somando 30,01% das reclamações. Em terceiro lugar, vêm produtos como eletroeletrônicos, informática, móveis, veículos e vestuário, chegando a 20,63%.

O balanço revelou ainda que as mulheres foram as que mais reclamaram, 55,92% do total. Analisando a faixa etária dos consumidores, aqueles entre 41 e 50 anos de idade lideraram a lista (21,49%), seguidos pelos de 51 a 60 anos (21,23%). A faixa etária compreendida entre 61 a 70 anos passou a representar um número bastante expressivo de reclamações (13,03%).

ATENDIMENTO POR ÁREA
ASSUNTOS FINANCEIROS
(bancos, cálculos, cartões de crédito, consórcios, empresas de cobrança, financeiras, seguradoras, títulos de capitalização)
35,21%
SERVIÇOS ESSENCIAIS
(telefonia fixa e celular, empresas de energia elétrica e saneamento)
30,11%
PRODUTOS
(eletroeletrônicos, informática, móveis, veículos e vestuário)
21,53%
SERVIÇOS PRIVADOS
(assistência técnica, clubes, cursos livres, empresas de turismo, escolas e faculdades, jornais e editoras, profissionais liberais, empresas de transporte)
10,48%
SAÚDE
(planos de saúde, óticas, medicamentos, hospitais)
2,31%
HABITAÇÃO
(compra de imóveis, condomínio, cooperativas de habitação, locação comercial, locação residencial)
0,23%
ALIMENTOS
(todos os gêneros alimentícios, supermercados)
0,12%

Fonte: Procon

Os textos são revisados por Madalena Fernandes

 

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.