Paulo Inácio - Estrutura do ponto de ônibus da Rio Branco caiu em cima de um carro durante o vendaval

Chuvas e ventos fortes causaram uma série de estragos no Centro de Juiz de Fora, na nesta quarta-feira (21). Ruas, prédios, casas e comércios em diversos pontos foram afetados por alagamentos, entre eles, a Rua Oswaldo Aranha, a Avenida Rio Branco, a Via São Pedro e no Vitorino Braga. Quedas de árvores foram registradas na Av. Rio Branco na Rua José Lourenço Kelmer e na Avenida Brasil, próximo a ponte Wilson Coury.

A estrutura do ponto de ônibus na Avenida Rio Branco foi derrubada durante a tempestade e caiu sobre um veículo. O motorista, um idoso de 76 anos, foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência(SAMU) com ferimentos leves. Ele teve um corte na mão.

Agentes de trânsito estão no local para orientar motoristas. A Secretaria de Mobilidade Urbana (SMU) posicionou agentes para desviar o tráfego no ponto afetado. A pista no sentido Centro/Bom Pastor apresentava retenção e lentidão no fluxo, em função do ocorrido. Ainda de acordo com a Prefeitura, uma equipe já estará no local para efetuar o reparo no ponto nesta quinta-feira (22).


Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os ventos atingiram 93,2 quilômetros por hora no município. O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), o volume de água acumulado em apenas 30 minutos registrou 42,35 mm no Bairro de Lourdes, 32,12 mm na Universidade Federal de Juiz de Fora, 25,82 mm em Santa Luzia e 21,32 mm em Graminha.

Equipes da Prefeitura estiveram na Avenida Itamar Franco, perto do Hospital Monte Sinai, viaduto Augusto Melo Franco, Avenida dos Andradas, Avenida Brasil, na altura do Colégio Vianna Junior e em outras localidades da cidade. Na altura do Hospital Monte Sinai, a Gasmig foi acionada para reparos em uma vala aberta na via. Agentes de trânsito estão atuando também no local. Até o momento, a Defesa Civil registrou uma ocorrência na tarde desta quarta-feira: uma queda de muro, no bairro Bosque dos Pinheiros.

Segundo a Prefeitura, este foi o segundo maior vendaval desde o ano de 2007, quando foi implantada a estação meteorológica automática na UFJF, sendo a 1ª em 26/12/2006 (98,64 km/h) e a 2ª a desta quarta-feira. Os números têm base na Escala de Beaufort, que classifica a intensidade dos ventos quanto a sua velocidade. Essa escala é subdividida em 13 níveis. Hoje em Juiz de Fora foi registrado um caso de Vendaval/tempestade (que se encontra no nível 10 da Escala de Beaufort, que vai de vento calmo [nível 0] até furacão [nível 12]).

O temporal forte, concentrado na área central e na Zona Oeste da cidade, pegou muitas pessoas de surpresa. De acordo com o professor de geografia, Renan Tristão, esse tipo de evento se forma muito rápido. “Essa instabilidade é fruto do choque entre massas de ar de origens diferentes. A massa de ar polar e frio, que vem do Sul do Brasil se encontra com a massa de ar quente e úmido do interior do país. Esse choque gera tempestades, que devem continuar ocorrendo até a sexta-feira (23).”

O professor explica que a chegada da primavera na cidade, nesta quinta-feira (22), deverá ter novos pontos de temporal localizados, também com a possibilidade de ocorrência de granizo. A temperatura começa a cair de maneira mais acentuada no final de semana. O sábado (24) já vai ser um dia de frio e tempo nublado com chance de garoa leve. Domingo (25) também vai ser assim, quase sem sol e com friozinho.”As temperaturas em Juiz de Fora na quinta-feira (22), devem atingir 17 graus a mínima e 30 graus a máxima. Na sexta-feira (23) a mínima prevista é de 9 graus e a máxima de 28 graus, conforme o Inmet.

GRANIZO

O granizo é uma ocorrência relativamente comum, conforme destaca o professor Renan Tristão. Ele explica que o fenômeno tende a ocorrer nesse período do ano, em função das trocas de ar, que geram instabilidades mais fortes. O granizo se forma na turbulência que ocorre dentro das nuvens. “A nuvem que gera o granizo, também é a que gera as tempestades, ela se chama cumulus nimbus. As gotículas de água, dentro de uma cumulus nimbus sofrem uma turbulência muito grande. O que o avião sofre de turbulência dentro de uma tempestade, também é a mesma coisa, aquela quantidade enorme de gotículas e água que ficam em suspensão.”

Renan explica que, quando as gotículas sofrem essa ascensão para o topo da tempestade, que está em regiões atmosféricas muito frias, que chegam a temperaturas abaixo de 50 graus negativos, elas congelam. Em seguida, a turbulência faz com que elas desçam de novo, começam a descongelar , passem a absorver outras gotículas de água no caminho e subam novamente. “O interior da tempestade é como uma montanha russa, por causa dos ventos. A pedrinha sobe de novo,  é congelada novamente, cresce de tamanho. Chega o momento em que a força da gravidade faz a parte dela, o granizo atinge um tamanho muito grande, as turbulências não conseguem segurá-lo lá em cima, ele cai, em uma velocidade alta, que não dá tempo de ela descongelar, cai em formato sólido.” 

FALTA DE ENERGIA

A Cemig informou que a forte tempestade, acompanhada de granizo e ventos de grande intensidade, provocou falta de energia em diversas regiões da cidade, de forma pulverizada.

A principal causa dos desligamentos foram objetos lançados em direção à rede elétrica, como partes de telhados e galhos de árvores, que provocaram curtos-circuitos e rompimentos de cabos. Estes serviços, que representam maior risco à população, estão sendo priorizados.

"Imediatamente após o início das ocorrências, equipes da companhia iniciaram os trabalhos para o restabelecimento e eliminação das situações de risco e, neste momento, a empresa reforçou as equipes de profissionais atuando na região, e conta com engenheiros, técnicos e eletricistas trabalhando para o restabelecimento do sistema o mais breve possível".

A previsão é de que a maior parte dos clientes afetados com a falta de energia tenha o serviço normalizado ainda nesta noite, ou durante a madrugada. A Cemig enfatizou ainda que as equipes vão continuar trabalhando de forma ininterrupta, até que que todos os clientes tenham sido atendidos.