Divulgalção Prefeitura de Juiz de Fora - Discussões dentro da programação da Semana de Luta da Pessoa com Deficiência ocorreu na Casa dos Conselhos

Com o intuito de dar visibilidade e sensibilizar a população a respeito das causas das pessoas com deficiência, a Semana de Luta da Pessoa com Deficiência promoveu uma série de diálogos dentro da Casa dos Conselhos, envolvendo diversos setores e órgãos, ao longo de toda esta semana. Nesta sexta-feira (23), a Praça de Benfica recebe o fechamento da iniciativa, com panfletagem sobre serviços voltados para as pessoas com deficiência no Município.

De acordo com a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (CMDPD), Valéria de Andrade, ainda é preciso avançar muito em relação à acessibilidade. “O que percebemos ao longo do tempo, é que houve uma diminuição da nossa visibilidade perante as políticas públicas e perante a sociedade. A maior parte da sociedade nos vê como pessoas capazes, empoderadas, mas a prática ainda não é assim. A gente tem no direito esse empoderamento nas leis, mas na prática, no cotidiano, isso não acontece”.

Valéria explica que o preconceito contra a pessoa com deficiência se expressa por meio do capacitismo, que está estruturado na sociedade, assim como o racismo. “É ter pena, aquele olhar de piedade e assistencialismo perante a pessoa com deficiência, porque no entendimento dessa pessoa, se trata de alguém fisicamente, mentalmente ou sensorialmente incapaz. Só que isso é uma falácia. Onde já se viu que todo mundo tem que ser igual? Queremos ser respeitados nas nossas singularidades.” A presidente do CMDPD ainda ressaltou a importância da união entre as pessoas com deficiência e a presença desse público nessas iniciativas.

Para promover a reflexão sobre esses temas, o CMDPD abriu o diálogo com a sociedade, no intuito de abordar não apenas a necessidade de acessibilidade, como também desconstruir o preconceito, que constituem, hoje, as principais barreiras a serem enfrentadas por essa população estimada em 64 mil pessoas em Juiz de Fora. “Nós nos articulamos com as várias secretarias afins, como a Saúde, que teve uma boa discussão sobre a rede de cuidados com a pessoa com deficiência; tivemos uma conversa com a Secretaria de Educação, que apresentou seus projetos e serviços direcionados para as pessoas com deficiência. Todas as trocas foram muito ricas.”

Promover acessibilidade a partir do diálogo

Desde 2013, o “Grupo Estação dos Barbeiros” realiza atendimentos para pessoas com deficiência. Em uma das parcerias que realizaram com o Grupo de Apoio a Profissionais e Pais de Pessoas com Autismo (Gappa), esse contato se estreitou e, do diálogo com familiares de pessoas com autismo, da escuta sobre as necessidades deles, teve início uma mobilização para adequar o atendimento.

“As mães não conseguiam levar seus filhos para cortar o cabelo, descreviam uma dificuldade muito grande, porque a maior parte deles é hipersensorial, sente muito o toque, a audição, quando a máquina encosta, o barulho da tesoura. Isso é uma dificuldade muito para a criança e se tornou um sofrimento para os pais”, relata Thamires Toledo, jornalista e uma das proprietárias do empreendimento. Essa escuta e essa proximidade com a vivência das famílias de pessoas com autismo fez com que eles buscassem outras informações sobre essa população.

“Fizemos um levantamento conversando com pais de crianças e adolescentes com autismo, para saber a fundo quais são as dores, necessidades e demandas, o que provocava maiores dificuldades para eles. Conversamos com profissionais da área da Saúde, fomos ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPs), fizemos cursos, passamos por capacitações, para somar com o carinho e a paciência que nós já tínhamos”, narra Thamires.

Ela explica que por pessoas com autismo têm hipersensorialidade, precisam de um atendimento com técnica, que possa diminuir o volume do barulho das máquinas e equipamentos, com adaptação do corte que seria feito na tesoura, com a máquina, entre outras adequações. Com toda essa experiência, o estabelecimento inaugurou um salão acessível para pessoas com vários tipos de deficiências. “Independente da teoria, da lei, conversar com alguém que vive essa falta de acessibilidade na prática, todos os dias, é fundamental. Conversamos muito com eles, para que todas as necessidades e dores deles fossem atendidas”.

Serviços em Juiz de Fora

O CMDPD vai entregar cartilhas com informações sobre os principais serviços de atendimento a pessoas com deficiência na cidade e a forma de acessá-los na Praça Jeremias Garcia, no bairro Benfica, Zona Norte, a partir das 9h. Confira as informações sobre as iniciativas destacadas pelo CMDPD:

Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – CMDPD
Vinculado à Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH).
Tem como finalidade principal a formulação, implementação, monitoramento e fiscalização da política de promoção das pessoas com deficiência, no sentido de sua inserção na cidadania ativa. Outras informações: (32) 3690-7352

Secretaria de Esporte e Lazer (SEL)
No programa Paredesporto SEL existem núcleos de esportes que atendem as pessoas com deficiência. São realizados também dois grandes eventos paradesportivos: Festival Paradesportivo e Semana do Desafio Paralímpico. Outras informações:
(32) 3690-7845 / 7844

Secretaria de Mobilidade Urbana (SMU)
Toda frota é adaptada. Há 22 carros de apoio e 59 táxis adaptados. Há 120 vagas de estacionamento destinadas exclusivamente à pessoas com deficiência.
Credencial para Vagas Especiais: O cadastro pode ser feito pela plataforma on-line do
Prefeitura Ágil, no site da PJF. Outras informações:(32) 2104-8530 | 21

Agência de Proteção e Defesa do Consumidor de Juiz de Fora (PROCON)
Efetua fiscalizações para identificar se as regras de inclusão estão sendo cumpridas.
Produção de cartilha educativa com as principais dificuldades encontradas pelos consumidores com deficiência e com mobilidade reduzida. Curso em parceria com o CMDPD para lojistas com o objetivo de orientá-los sobre o cumprimento das legislações.
Outras informações: (32) 3690-7610

Secretaria de Educação (SE)
Professor de ensino colaborativo em sala de aula, 56 salas de recursos multifuncionais e 4
Centros de Atendimento Educacional Especializado. Formação continuada dos profissionais da educação, transporte escolar, intérprete de libras, iniciando audiodescrição e implementação do Serviço Especializado de Avaliação Multidisciplinar em Transtorno do Neurodesenvolvimento. Outras informações: (32) 3690-7005

Secretaria de Saúde (SS)
- UBS de referência, PAM Marechal, Departamento de Saúde da Mulher, Gestante, Criança e do Adolescente e Serviço de Saúde do Idoso.
- Pacientes ostomizados: atendimentos no PAM Marechal (3690-7488).
- Pacientes com necessidades alimentares: atendimentos no setor de Nutrição do Departamento de Gestão de Demandas Especiais (3690-8212).
- Centro de Especialidade Odontológicas, caso necessário, o paciente é referenciado para
tratamento no Centro Odontológico de Atenção a Pacientes com Necessidades
Especiais. Outras informações: (3690-8376)

Secretaria de Assistência Social (SAS)
- Centros de Referência de Assistência Social (CRAS): portas de entrada para o atendimento das pessoas com deficiência nos serviços socioassistenciais, principalmente as beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada – BPC.
- Centros de Referência Especializados de Assistência Social – CREAS: oferece serviços especializados a famílias e indivíduos em situação de ameaça, vítimas de violência, maus-tratos, negligência, e/ou violação de direitos.
- Centro Dia de Referência para Pessoas com Deficiência: atende indivíduos com algum grau de dependência, que tiveram ou têm as suas limitações agravadas pela convivência com situações de risco ou violação de direitos. Outras informações: (32) 3690-7361

Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH)
- Coordenadoria da Pessoa com Deficiência: fomento das políticas públicas.
- Passe Livre: repasse de benefício municipal pelo cartão de
transporte, concedendo gratuidade de passagens para ônibus urbanos em Juiz de Fora.
- Carro de Apoio: disponibilização de veículo adaptado específico para o atendimento a pessoas com deficiência e com dificuldades de locomoção. O cadastro para o Passe Livre e o Carro de Apoio pode ser feito pela plataforma on-line do Prefeitura Ágil, no site da PJF, ou na Rua Fonseca Hermes, nº 143, Centro. Outras informações: (32) 3690-7215

COMENTÁRIOS: