Com apitos e buzinas, cerca de 70 servidores da Cesama, Companhia de Saneamento Municipal, percorreram as ruas de Juiz de Fora na manhã desta quinta-feira, 23/02. Entre os gritos de ordem, o grupo repetia a frase “Margarida, cadê você? Eu vim aqui só pra te ver!”, numa referência à prefeita Margarida Salomão (PT). A manifestação foi escoltada por Guardas Municipais e o trânsito não chegou a ser interrompido no trajeto.

Com um alto-falante, o presidente do Sindicato dos Empregados nas Indústrias e Serviços de Purificação e/ou Distribuição de Água e Serviços de Esgoto de Juiz de Fora (Sinágua), Edinaldo Sidclei, citava que “o Presidente Lula disse que o lugar de trabalhador insatisfeito é na rua. E é na rua que nós, trabalhadores da Cesama, estamos.” Dessa forma, o sindicalista informava à população pelo caminho o motivo do protesto.

O funcionário de uma lanchonete na Avenida Rio branco, viu que eu estava fazendo imagens da manifestação e comentou que achava “curioso ver manifestação de trabalhadores numa cidade em que a prefeitura é do PT, Partido dos Trabalhadores”. Expliquei que a reclamação dos servidores não era referente apenas ao atual governo, mas a uma prática que já vem de vários anos.

Os servidores querem reajuste pelo ganho real e não apenas a correção inflacionária, como têm recebido nos últimos anos. O anúncio do Presidente da República de aumento no salário mínimo de R$ 1.302,00 para R$ 1.320,00, aumentou a insatisfação dos trabalhadores da Cesama com a forma como a negociação com a categoria tem sido feita em Juiz de Fora.

Edinaldo lembra que a proposta feita pela prefeitura contempla apenas a variação do IPCA, Índice Nacional de Preços ao Consumidor e não acompanha o aumento do salário mínimo. O resultado é sentido pelos servidores na hora das compras, por exemplo, quando a inflação alta fica ainda mais evidente.

Negociação com a prefeitura

Os representantes do Sinágua já participaram de quatro reuniões com o Executivo Municipal para discutir a questão do reajuste por ganho real e ainda não houve consenso. Em uma assembleia realizada na manhã desta quinta-feira, os trabalhadores decidiram seguir em manifestação do bairro São Mateus, onde fica uma unidade da Cesama, até o prédio da Prefeitura, na Avenida Brasil, onde um grupo foi recebido pela prefeita.

Uma nova reunião foi agendada para esta sexta-feira, 24/02, entre o sindicato e representantes da Cesama. O resultado vai ser discutido na assembleia marcada para a próxima segunda-feira e não está descartada a paralisação dos serviços por um dia. Em nota, a assessoria de imprensa da Companhia informou que “as negociações salariais entre as comissões da Cesama e do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço de Água (Sinágua) estão em andamento desde janeiro deste ano. Na manhã desta quinta-feira, 23, uma comissão com representantes do sindicato foi recebida pela prefeita Margarida Salomão. As negociações continuam entre o sindicato e a companhia.”

De acordo com o sindicato, hoje a Cesama tem 128 cargos de confiança, de um total de 488 cargos. Isso também gera insatisfação entre os trabalhadores concursados. Segundo Edinaldo, a Companhia deu lucro nos últimos seis anos, o que viabilizaria a prefeitura a oferecer o reajuste pedido pela categoria, em vez apenas da correção inflacionária. “A realidade hoje é que muitos trabalhadores ganham salário na faixa de mil reais, enquanto alguns cargos de confiança têm salários altos. Seria importante uma divisão melhor dos valores e uma redução de cargos de confiança” explica o presidente do sindicato, fazendo eco a uma reivindicação antiga.

Não é a primeira vez que a questão dos cargos de confiança na Cesama é levantada pelos trabalhadores concursados. Outras administrações enfrentaram críticas e cobranças em relação ao uso político da Companhia. Mas, com o reajuste salarial como prioridade nas negociações, essa situação, historicamente, acaba em segundo plano e as reclamações são deixadas de lado para focar no problema mais urgente. E sempre voltam à tona na época de negociar os reajustes salariais.

Capa - Manifestação

COMENTÁRIOS: