SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cerimônia de entrega das estatuetas da nona edição do Prêmio Bibi Ferreira, na noite desta quarta-feira (21), teve início com um ar de tensão. Era esperado que, durante o evento, manifestações políticas, em sua maioria em apoio ao candidato Lula, do PT, dessem o tom da cerimônia, principalmente nos discursos dos vencedores.

Entretanto, a noite correu tranquila. Com manifestações sutis, como uma alusão ao número 13 por parte de André Torquato, vencedor da categoria melhor ator coadjuvante em musicais, e um "L" tímido do diretor Jorge Farjalla ao agradecer em nome da produção do espetáculo "Brilho Eterno", vencedor da categoria melhor peça de teatro, a política ficou mesmo pelo fato de o prêmio laurear pela primeira vez duas atrizes trans.

Indicada na categoria melhor atriz coadjuvante em musical, Marina Mathey foi a primeira artista trans a ganhar um Prêmio Bibi Ferreira por sua performance em "Brenda Lee e o Palácio das Princesas", do Núcleo Experimental. Já a atriz Verónica Valenttino também levou uma estatueta na categoria revelação em musicais.

Mathey e Valenttino concorriam ainda com a atriz e cantora Diva Menner, que estreou nos palcos no elenco de "Barnum - O Rei do Show". Com um discurso que profetizou o fim da morte de corpos trans e travestis, Valentino citou trecho do solilóquio do musical "Gota D'Água", estrelado originalmente por Bibi Ferreira, que celebraria 100 anos em 2022.

Embora tenha arquitetado um número de abertura que posicionou o Brasil como um parque do terror e tirou sarro do bolsonarismo, o posicionamento político da premiação parou por aí. Ao longo de três horas, a cerimônia correu tranquila e sem grandes surpresas.

Algumas estranhezas entraram em discussão, como o fato do figurinista Fábio Namatame concorrer consigo próprio na categoria melhor figurino em peça de teatro e vencer pelos dois espetáculos.

Um dos melhores momentos, entretanto, foi a falta de paciência de Miguel Falabella, que dividiu o título de mestre de cerimônias com a atriz Alessandra Maestrini. Ao ser homenageado por levar o prêmio para as telas do Disney+ com a série musical "O Coro", o ator viu a colega de palco se atrapalhar com a leitura do teleprompter.

"Tudo comigo é na chanchada, nenhuma homenagem é séria. Quando eu ganhei o prêmio, a Bibi Ferreira passou mal e me enxotaram da coxia", ralhou, despertando gargalhadas no público.

Entre os vencedores, nomes como Marisa Orth, que levou o prêmio de melhor atriz em peça de teatro por "Bárbara", em que dá vida às memórias de Bárbara Gancia; Eduardo Martini, melhor ator de teatro por "Simplesmente Clô", em que vive o estilista Clodovil Hernandes; e Juca de Oliveira, premiado pelo conjunto da obra, se destacaram por discursos que navegaram entre a graça e a emoção.

A nona edição do Prêmio Bibi Ferreira terminou de forma anticlimática, mas com certa pompa, em homenagem à trajetória de sua musa inspiradora, que viveu a vida regada a luxo e discrição. Confira a lista de vencedores:

MELHOR PEÇA

"Brilho Eterno" - Solo Entretenimento, Palco 7 Produções, Rega Início Produções e Reynaldo Gianecchini

MELHOR ATRIZ EM PEÇA DE TEATRO

Marisa Orth - "Bárbara"

MELHOR ATOR EM PEÇA DE TEATRO

Eduardo Martini - "Simplesmente Clô"

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM PEÇA DE TEATRO

Renata Brás - "Brilho Eterno"

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM PEÇA DE TEATRO

Luiz Guilherme - "Terremotos"

MELHOR DIREÇÃO EM PEÇA DE TEATRO

Marco Antônio Pâmio - "Terremotos"

MELHOR CENOGRAFIA EM PEÇA DE TEATRO

Duda Arruk - "Terremotos"

MELHOR FIGURINO EM PEÇA DE TEATRO

Fábio Namatame - "Terremotos"

Fábio Namatame - "Teatro para Quem Não Gosta"

MELHOR DRAMATURGIA EM PEÇA DE TEATRO

Samir Yazbek - "Tectônicas"

MELHOR DESENHO DE LUZ EM PEÇA DE TEATRO

Cesar Pivetti - "Brilho Eterno"

MELHOR ESPETÁCULO POR VOTO POPULAR

"Chicago"

MELHOR MUSICAL

"A Família Addams" - T4F Entretenimento

MELHOR MUSICAL BRASILEIRO

"Conserto para Dois, o Musical" - Raia Produções

MELHOR ATRIZ EM MUSICAIS

Andrezza Massei - "Sweeney Todd"

MELHOR ATOR EM MUSICAIS

Jarbas Homem de Mello - "Conserto para Dois, o Musical"

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM MUSICAIS

Marina Mathey - "Brenda Lee e o Palácio das Princesas"

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MUSICAIS

André Torquato - "Tatuagem"

REVELAÇÃO EM MUSICAIS

Verónica Valenttino - "Brenda Lee, O Palácio das Princesas"

MELHOR DIREÇÃO EM MUSICAIS

Zé Henrique de Paula - "Sweeney Todd"

MELHOR DIREÇÃO MUSICAL EM MUSICAIS

Thiago Rodrigues - "A Família Addams"

MELHOR ARRANJO ORIGINAL EM MUSICAIS

Marco França - "Tatuagem"

MELHOR COREOGRAFIA EM MUSICAIS

Barbara Guerra - "Donna Summer Musical"

MELHOR CENOGRAFIA EM MUSICAIS

Federico Bellone - "A Família Addams"

MELHOR FIGURINO EM MUSICAIS

João Pimenta - "Sweeney Todd"

MELHOR VISAGISMO EM MUSICAIS

Eliseu Cabral e Feliciano San Roman - "A Família Addams"

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL EM MUSICAIS

Fernanda Maia - "Brenda Lee e o Palácio das Princesas"

MELHOR LETRA E MÚSICA EM MUSICAIS

Daniel Salve - "Nautopia"

MELHOR VERSÃO EM MUSICAIS

Mariana Elisabetsky e Victor Mühletahler - "Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate"

MELHOR DESENHO DE LUZ EM MUSICAIS

Caetano Vilela - "Donna Summer Musical"

MELHOR DESENHO DE SOM EM MUSICAIS

Gaston Briski - "Charlie e a Fantástica Fábrica de Chocolate"