BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Considerado um dos fundadores da nova trova e um dos maiores músicos da história de Cuba, Pablo Milanés morreu nesta terça-feira, 22, em Madri, aos 79 anos, vítima de um câncer. O movimento surgiu nos anos 1960, no contexto das transformações sociais e políticas que ocorreram após a Revolução Socialista de 1959.

A nova trova misturava elementos da música popular cubana com textos politizados, de tom progressista. Milanés, entre outras coisas, tinha musicalizado a poesia do herói da independência da ilha, José Martí.

O músico cubano Pablo Milanés em show em Havana, em 2008 Claudia Daut/Reuters O músico cubano Pablo Milanés em show em Havana, em 2008 **** Compositor e guitarrista, Milanés tinha vários hits, entre os mais famosos, "Yolanda" e "Ámame Como Soy". O cantor brasileiro Chico Buarque a regravou, em português, depois de conhecer Milanés, em Havana, em 1978.

"Desaparece fisicamente um de nossos maiores músicos. Voz inseparável da trilha sonora de nossa geração. Minhas condolências a sua viúva e filhos, a Cuba", escreveu no Twitter o líder do regime cubano Miguel Díaz-Canel. Outros líderes da região também manifestaram tristeza pela partida do cantor por meio das redes sociais, como o ditador venezuelano Nicolás Maduro e o presidente colombiano Gustavo Petro.

A nova trova cubana inspirou todo um movimento de composição de canções politizadas pela América Latina, ajudando também a fazer propaganda do regime da ilha. Durante as ditaduras militares no Cone Sul da região, a música cubana embalou os movimentos de resistência à repressão.

Mesmo tendo servido de inspiração a uma geração de artistas engajados, Milanés também passou um período na prisão, algo comum nos primeiros tempos da revolução, que perseguia artistas, homossexuais e religiosos. O artista se dizia vítima de censura por causa de suas referências à cultura afro e pela sua rebeldia, o que o levou a passar um tempo num campo de trabalhos forçados. Desde então, mantinha apoio ao regime, mas com críticas.

Quando Fidel Castro deixou o poder por razões de saúde, em 2006, Milanés afirmou que se tratava de um momento "de união e de coragem" e pediu que o povo cubano "resistisse a provocações e ameaças estrangeiras".

O compositor havia se mudado em 2017 para a Espanha para tratar-se do câncer. No meio deste ano, porém, quis voltar à ilha uma última vez, para um concerto de despedida. A quantidade de pessoas que quiseram ver a performance do artista, rara nos últimos anos, foi tanta que os organizadores tiveram de transferir o local do espetáculo. Em vez de ocorrer no Teatro Nacional, foi trasladado para o Coliseo da Ciudad Deportiva, com capacidade para 10 mil pessoas.

Segundo o ex-ditador Fidel Castro, "o sucesso de Silvio (Rodrigues) e de Pablo (Milanés) é o sucesso da revolução". O músico teria comovido o ex-presidente peruano, Alan García, e o pressionado a retomar relações com Cuba.

Nascido numa família de trabalhadores no interior, Milanés começou a carreira musical apresentando-se em concursos de música no rádio e na TV. Estudou no conservatório de Havana e esteve no grupo Cuarteto del Rey.

Milanés gravou mais de 60 discos e ganhou dois prêmios Grammy.