SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Conselhos consultivos que divulgaram apoio ao presidente da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo), Josué Gomes, se encontram em um limbo jurídico, pois seus integrantes estão sem mandato desde o final de dezembro, em meio à disputa política que rachou a entidade.

Estão nessa situação o Conselho Superior de Economia, o Conselho Superior Jurídico e o Conselho Superior de Economia Criativa, que assinaram comunicados repudiando as tentativas de afastamento de Josué da presidência da Fiesp.

Os mandatos de vários conselhos, comitês de cadeias produtivas e diretorias são anuais e vencem em 31 de dezembro. Normalmente, são renovados para o ano seguinte após as férias coletivas de dezembro a janeiro.

Em 1º de dezembro, Josué enviou mensagem a algumas entidades que indicam integrantes aos conselhos. No texto, ele lembrou que a vigência dos mandatos se encerrava em 31 de dezembro e pediu sugestão de nomes para integrar os conselhos em 2023.

"Para facilitar os trâmites, agradeço o envio das sugestões de nomes até o próximo dia 16 do corrente mês [dezembro], colocando-me à disposição para quaisquer outras propostas em prol do fortalecimento da indústria", indica a mensagem enviada.

Com a briga política na Fiesp, os novos conselhos não foram instalados e, oficialmente, não existem.