SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As expectativas no mercado de fusões e aquisições seguem sem grandes saltos neste ano, diante dos juros mais altos e a virada de governo no Brasil, que costuma levar cautela ao investidor. Mas 2023 deve reforçar tendências.

Para João Pedro Viola, diretor-executivo de assessoria financeira da Alvarez & Marsal, além dos negócios ligados ao ESG, especialmente energias renováveis, que devem manter o aquecimento, ele ainda espera consolidação setorial entre provedores de internet e no varejo.

"Eu destacaria o varejo em um movimento mais defensivo. É um setor que está vivendo transformação estrutural com a questão de omnichanel combinado com impactos de pandemia e juro mais alto", diz Viola. Ele ressalva que a consolidação na área é anterior à crise da Americanas.

Felipe Argemi, CEO da Santis, prevê um ano complicado para o mercado de aquisições, com patamares de transação e volume negociado próximos de 2022.

Para ele, o caso Americanas vai pesar pouco nas negociações de compra em andamento. "Sai um grande player que não era ativo em M&A [fusões e aquisições]. Fizeram aquisições em 2015, junção com B2W e hortifruti. A AME, de soluções digitais, estava fazendo aquisições em tecnologia, mas é um setor muito grande, e eles não fazem diferença. O dano para as operações no varejo será marginal", diz Argemi.

Segundo relatório da assessoria financeira RGS Partners, foram 49 operações envolvendo empresas do setor de consumo e varejo no ano passado, ante 47 em 2021. A empresa aponta destaques nos segmentos de cosméticos, que também supera o total de 2021, e de alimentos e bebidas, que teve o mesmo volume de operações.