QATAR, DOHA (UOL - FOLHAPRESS) - Fernando Santos nasceu em 1954, 21 anos antes da imposição do Estado Novo, regime ditatorial e autoritário que vigorou em Portugal durante 41 anos (1933 a 1974). Hoje, no papel de treinador da seleção portuguesa, destacou a sua luta pela liberdade e pelos direitos humanos, ao ser perguntado sobre as discussões sociais e políticas no Qatar.

"Sou um defensor dos direitos humanos há muitos anos. Alguns ainda aqui [na sala de imprensa] não eram nascidos e eu já lutava pela liberdade, pela democracia e pelos direitos humanos. Ainda há uma semana fiz um vídeo sobre os direitos humanos, pelo respeito pelo outro e pelo próximo", destacou, na véspera da estreia na Copa do Mundo, diante de Gana, no Estádio 974.

"Há muitos anos que luto por estas questões. Agora, há outras questões que não têm a ver comigo, com treinadores e com os jogadores. São questões burocráticas e da Fifa, então deixo isso a quem de direito. Sou um defensor intransigente dos direitos humanos", reforçou.

Aos 64 anos, Fernando Santos comanda a seleção de Portugal desde 2014. Neste período, conquistou a Eurocopa (2016) e Liga das Nações (2019). Tem contrato válido com a FPF (Federação Portuguesa de Futebol) até 2024.