SÃO PAULO, SP (UOL - FOLHAPRESS) - Se alguém pagou R$ 9 mil por uma figurinha dourada do astro Neymar, fez mau negócio. Mais buscado entre os cromos extras do álbum da Copa do Mundo no Brasil, o item de colecionador chega ao Mundial valendo R$ 400 em sites de revenda. Felizardos que encontraram uma dessas nos pacotinhos e não aceitam vender por menos acreditam que, com o desempenho do craque brasileiro no Qatar, a cotação pode voltar a subir.

As figurinhas "raras" de 20 lendas da Copa foram apresentadas como novidade da Panini para o Mundial. Não existe espaço previsto para elas serem colocadas no álbum, nem elas são numeradas. A empresa italiana as trata como brindes, uma sexta figurinha que vem em alguns pacotinhos.

Em qual proporção? Não se sabe. Na Alemanha, uma dourada sai a cada 1,9 mil pacotinhos. No Brasil, em média, quem completou o álbum comprando pacotinhos e trocando repetidas, achou entre três e quatro desses cromos raros. Para cada um dos 20 jogadores, eles têm quatro tipos: bordô, bronze, prata e ouro, da ordem do menos para o mais raro.

Quando os primeiros pacotinhos foram abertos no Brasil, e as primeiras figurinhas encontradas, passou a circular na internet uma suposta tabela de preços das douradas. Um Neymar, Messi, Mbappé ou Cristiano Ronaldo valeria R$ 7,6 mil. Um Almoez Ali, jogador do Qatar, R$ 40.

Mas o preço que rodou o Brasil foi outro: R$ 9 mil por uma figurinha dourada do craque Neymar, valor pedido em um anúncio publicado no Mercado Livre. Desde então, encontrar uma dessas passou a ser visto como sinônimo de tirar a sorte grande. Mas não é tanto assim.

"Quando abrimos o pacote, a primeira ideia que veio foi justamente dos 9 mil, mesmo já cientes de que era um caso isolado de uma pessoa que colocou seu preço no início da coleção e não sei se efetivamente vendeu por este valor. Anunciamos inicialmente por R$ 1.300, pois era o menor valor anunciado na região. Mas a ideia era recuperar o valor investido no álbum que completamos com nosso filho de 7 anos", contou Maurício Ribeiro, um desses sortudos.

Mas R$ 1.300 também era um preço acima do que se cobrava no mercado. Recentemente, a pedida, em um site de revenda, foi alterado para R$ 500. "Surgiram alguns interessados, com muitas ofertas de R$ 200, 200 e pouco. Essa semana que aumentaram um pouco as ofertas, chegando uma de 400 hoje (quarta). Mas nosso filho não quer somente isso", continua ele.

Alex Mantovani também está na expectativa de que alguém aceite pagar R$ 500, o que até agora não aconteceu. "Tive proposta de R$ 350 em dinheiro e não aceitei. Quando tirei ela, andei conversando com algumas pessoas e me falaram em 500 dava para vender em uma loja da minha cidade. Lá encontrei uma pessoa que vendeu uma por R$ 750, mas para uma mãe que foi lá com o filho, e o filho queria muito, e ela pagou. Só assim você consegue vender", diz ele.

É o caso também de Beatriz Araújo, que se arrepende de não ter vendido por R$ 400 quando teve a oportunidade. "No começo achei que, se não fosse receber R$ 9 mil, pelo menos uns R$ 2 mil eu conseguiria. Tive proposta de R$ 400 e não quis. Agora estou pedindo R$ 450, mas se alguém der R$ 400 eu vendo", admite.

Apesar dessa realidade, continua havendo quem acredite que é possível ganhar muito dinheiro com o tal Neymar dourado. Nos sites de revenda, são diversas as ofertas de R$ 6 mil, R$ 5 mil, e especialmente valores na casa de um mil.

Ainda assim, é mais do que se pede por outros craques. Quem procurar as figurinhas mais raras de Cristiano Ronaldo e Messi, por exemplo, vai encontrar várias opções por R$ 250 ou menos. Já as versões menos nobres do craque brasileiro, como a prata e a bronze, podem ser encontradas por R$ 200. Carlos Sampaio pediu R$ 250 por uma prateada, há 20 dias, e até agora não vendeu. "Por menos do que isso, fico para mim".

Não é só no BrasilNa Europa, o valor das figurinhas extras também caiu vertiginosamente desde a empolgação inicial pelo lançamento do álbum. Seja nos principais sites de venda online ou eu mercados presenciais de colecionadores, o preço dos cobiçados cromos especiais despencou pelo menos quatro vezes.

Para ficar no exemplo da figurinha dourada de Neymar: ela era vendida por R$ 200 euros (R$ 1.100) em setembro. Nesta quarta-feira, era possível comprá-la por até 50? (R$ 280). O cromo dourado de Messi, o mais procurado entre os europeus, continua no topo da lista de preços, mas também foi desvalorizado: passou de 600? (R$ 3.300) na febre inicial para 150? (R$ 830) hoje.