SÃO PAULO, SP (uOL-FOLHAPRESS) - Ex-companheiro de clube e treinador de Daniel Alves no Barcelona, Xavi Hernández se manifestou pela primeira vez sobre a prisão provisória do brasileiro, acusado de agressão sexual a uma mulher em uma boate em Barcelona no fim do ano passado. Xavi concedeu coletiva de imprensa neste sábado (21), na Espanha.

Acusado de agressão sexual a uma mulher em uma boate em Barcelona no fim do ano passado, Daniel Alves teve prisão provisória sem direito a fiança determinada ontem (20).

O crime teria acontecido em 30 de dezembro de 2022, quando o jogador passava férias na Espanha depois da Copa do Mundo. Daniel confirma que estava na boate na data, mas nega a acusação.

O brasileiro chegou algemado à "Cidade da Justiça", em Barcelona, na manhã desta sexta-feira. Após prestar depoimento, o Ministério Público espanhol pediu sua prisão e a juíza Maria Concepción Canton Martín acatou.

A prisão provisória pode durar até quatro anos na Espanha, enquanto a acusação é investigada. O julgamento ainda não tem data certa. Daniel pode pegar até 12 anos de prisão.

Daniel Alves passou a primeira noite preso de sexta-feira para sábado. Ele está na penitenciária Brians 1, conhecida no país como "a prisão dos famosos". Ele passou por exame médico e psicológico antes de ser encaminhado para a cela. Seus advogados de defesa, empresário e assessoria ainda não se posicionaram.

O lateral-direito de 39 anos teve duas passagens pelo Barcelona. A primeira foi entre 2008 e 2016, quando atuou ao lado do então meio-campista Xavi. Ele voltou em janeiro de 2022 para ser comandado pelo agora treinador Xavi, mas disputou somente 17 jogos até junho do ano passado. O contrato não foi renovado.

Depois do Barcelona, Daniel Alves passou pelo Pumas, do México. Foram apenas 13 jogos. Nesta segunda (20), o clube anunciou a rescisão de contrato por justa causa. O contrato era até o fim de junho.