SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Palmeiras decide a Copa São Paulo sub-20 nesta quarta-feira (25) com a diretoria pressionada por causa do elenco profissional. A equipe enfrenta o América-MG, às 15h30, no Canindé, em busca do seu segundo título na competição. No ano passado, derrotou o Santos na decisão.

Na última segunda-feira (23), os muros do Allianz Parque foram pichados em protestos de torcedores por reforços. "Queremos jogadores" e "diretoria fraca" foram algumas das reclamações. O Palmeiras não contratou nenhum atleta até agora em 2023.

Embora os destaques da equipe na Copinha, como os atacantes Kevin e Ruan Ribeiro, possam ser aproveitados no elenco principal, o técnico Abel Ferreira não conta com eles para solucionar problemas. O time empatou por 0 a 0 com o São Paulo pelo estadual no último domingo. Ele avisou à presidente Leila Pereira que deseja a aquisição de jogadores prontos.

Para o português, o grupo tem carências que precisam ser resolvidas. O Palmeiras vai disputar Paulista, Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores nesta temporada. Também terá a Supercopa contra o Flamengo no próximo sábado (28), em Brasília.

A condição expressa de Abel pela contratação de "jogadores prontos" causou reações irônicas na diretoria. No ano passado, o clube foi informado de que poderia contratar Hulk, do Atlético-MG, porque havia um dispositivo que possibilitaria a saída do atacante de Minas Gerais. Abel vetou pela segunda vez (já o havia feito em 2020) a chegada do jogador que disputou a Copa do Mundo de 2014.

Hulk recebe no Atlético cerca de R$ 1,7 milhão por mês.

Os reforços que chegaram ao Palmeiras em 2022 foram com o aval ou chancela de Abel Ferreira. Entre eles estavam os atacantes Rafael Navarro, José Manuel López e Miguel Merentiel e os meias Atuesta e Bruno Tabata. A equipe foi campeã brasileira.

Mas o que causou a maior irritação recente em Leila Pereira nos bastidores foi a declaração pública de Abel Ferreira de que o Palmeiras faz reclamações à arbitragem por e-mail. A bronca era quanto a um gol anulado no clássico contra o São Paulo.

A presidente reclamou internamente que qualquer observação do tipo feita pelo treinador deveria acontecer pessoalmente, não por meio da imprensa.

O Palmeiras envia os e-mails para comissões de arbitragem da FPF (Federação Paulista de Futebol) e CBF (Confederação Brasileira de Futebol) como forma de tornar a queixa oficial. Leila lembrou a assessores que viajou algumas vezes ao Rio de Janeiro, durante o Brasileiro do ano passado, para conversar com Wilson Seneme, chefe da arbitragem da Confederação. E Abel sabe disso.

A situação pode ficar mais tensa a depender do resultado da Supercopa, no sábado. Palmeiras e Flamengo têm protagonizado a maior rivalidade do país nos últimos anos. Os paulistas venceram a final da Libertadores de 2021, mas, no ano passado, o título ficou com os cariocas.

No início de 2023, o elenco perdeu o meia Gustavo Scarpa, que havia assinado pré-contrato com o Nottingham Forest. O clube inglês ainda pagou 20 milhões de euros (R$ 112 milhões) para levar o volante Danilo. O Real Madrid comprou o atacante Endrick em uma transação que pode render até 60 milhões de euros (R$ 336,4 milhões em valores atuais, a depender de cláusulas de produtividade).

As vendas são usadas como lembrete, por parte da torcida, de que o Palmeiras tem dinheiro para contratar. Algo que Leila Pereira contesta.

"Não é porque o Palmeiras vendeu muito bem que tem dinheiro em caixa e vamos sair gastando, O torcedor vê as vendas, mas como toda venda, o pagamento não é à vista. É parcelado", disse a presidente na semana passada, em evento de marketing do clube. Ressaltou também que, no caso de Endrick, o clube tem "percentual do jogador, não a totalidade". Neste caso, 70%.