SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, defendeu nesta quinta-feira (22) que o Brasil se torne membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Em discurso na Assembleia-Geral das Nações Unidas, ele também pediu a reformulação do órgão para torná-lo mais "representativo, ágil e funcional" ?proposta defendida por vários outros líderes durante o evento.

"[Precisamos de um Conselho de Segurança] capaz de responder aos desafios do século 21, sem ficar paralizadao e cuja ação possa ser escrutinada pelos restantes membros das Nações Unidas", disse. Ele também pediu a adesão da Índia e de países do continente africano ao órgão.

A África, aliás, foi citada várias vezes pelo premiê português. Ele defendeu que as sanções aplicadas à Rússia devido à invasão da Ucrânia não atinjam a produção, o transporte e o pagamento de cereais e fertilizantes -apontando como principais vítimas os países subdesenvolvidos.

Ainda sobre o conflito na Europa, Costa cobrou a investigação de eventuais crimes de guerra na Ucrânia e condenou a invasão russa. "Não é o tempo de a Rússia escalar esse conflito ou fazer irresponsáveis ameaças de usar armas nucleares", afirmou, em referência à fala do presidente russo, Vladimir Putin, nesta quarta (21) de que seu país não evitaria usar armas de destruição em massa caso fosse necessário.