SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Imagens da câmera de segurança de um salão de dança em Alhambra, na Califórnia, mostram o momento em que Brandon Tsay, 26, conseguiu desarmar Huu Can Tran, 72, o atirador que pouco antes havia matado dez pessoas em um ataque na cidade de Monterey Park -uma 11ª vítima morreu mais tarde em decorrência dos ferimentos.

O vídeo obtido pela emissora americana NBC News mostra o atirador em um dos cômodos do salão de dança na noite de sábado (21). Huu está aparentemente à espreita em uma das portas do local, portando uma arma de cano longo.

Tsay então entra em um embate físico com o atirador, tentando lhe tirar a arma. A disputa dura pouco mais de 20 segundos, ao final dos quais Huu parece desistir de reaver o armamento e deixa o local.

Em entrevista ao jornal The New York Times, ele contou que estava em um escritório do estúdio de dança quando ouviu sons metálicos no estúdio e foi checar a origem, deparando-se com a arma semiautomática apontada contra si.

"Ele estava olhando para mim e em volta, sem esconder que estava tentando fazer algo ruim", contou Tsay, cuja família é proprietária e administradora do salão de dança. "Os olhos dele eram ameaçadores. Por sua linguagem corporal, sua expressão facial, seus olhos, ele estava procurando pessoas."

Àquela altura, Tsay ainda não sabia do ataque ocorrido em Monterey Park, a cerca de três quilômetros do estúdio de dança. "Naquele momento, foi um instinto primitivo. Alguma coisa aconteceu lá, não sei o que deu em mim."

Huu foi encontrado morto por suicídio dentro de uma van horas depois, na tarde de domingo (22). As motivações do crime ainda são desconhecidas, mas à medida que a investigação avança, detalhes sobre a vida do atirador estão sendo divulgados.

No início dos anos 2000, ele dava aulas de dança na boate que escolheu como alvo em Monterey Park. Pessoas que eram próximas a ele o descreveram como um homem de comportamento hostil. Sua ex-esposa, de quem ele se divorciou em 2005, contou à polícia que o conheceu também em uma aula de dança e que ele era uma pessoa que se irritava com facilidade.

Monterey Park, onde 65% da população tem ascendência asiática, fica a 11 km do centro de Los Angeles. O atirador abriu fogo por volta das 22h20 de sábado (3h20 de domingo em Brasília) e depois foi para o salão de Alhambra, onde foi desarmado. Autoridades afirmam que ele provavelmente tinha a intenção de cometer um segundo ataque e descrevem a ação de Tsay como heroica.

Nesta segunda-feira (23), um segundo ataque a tiros deixou sete mortos em Half Moon Bay, também na Califórnia. O suspeito, identificado como Zhao Chunli, 67, foi detido. Ele foi encontrado em um carro no estacionamento de uma delegacia.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, contou que estava no hospital reunido com as vítimas do ataque de Monterey Park quando recebeu a notícia do novo incidente. "Tragédia sobre tragédia", disse.

O presidente dos EUA, Joe Biden, afirmou que as autoridades locais receberão toda a assistência necessária para que os crimes sejam investigados. Nesta terça-feira (24), a Casa Branca emitiu comunicado em que se solidariza com as vítimas e seus familiares e volta a pressionar o Congresso a responder de maneira mais firme à violência armada.

"Mesmo enquanto aguardamos mais detalhes sobre esses tiroteios, sabemos que a praga da violência armada em toda a América requer uma ação mais forte. Mais uma vez, exorto ambas as Casas do Congresso a agir rapidamente e tomar medidas para manter comunidades, escolas, locais de trabalho e lares americanos seguros", diz a nota, citando uma lei que aumenta as restrições a armas de assalto e eleva para 21 a idade mínima para compradores de armamentos.