Thiago Cachaldora Thiago Cachaldora 3/11/2011

Aonde foi parar "Dou a minha palavra!"?

IlustraçãoOriginalmente utilizada como "Dou minha palavra de honra", a expressão vem do tempo em que a palavra valia mais do que qualquer outra coisa, seja contrato ou presença de testemunhas.

Utilizada com frequência até a época de nossos avós (geração baby boomers e anteriormente) a expressão, quando proferida, era uma garantia de que o combinado seria feito.

Hoje, a expressão é pouco utilizada, principalmente acompanhada da palavra "honra" a qual é uma característica rara e que foi "substituída" pelo termo comprometimento, presente nos discursos, mas raramente nas ações.

Compromissos não findados, propostas não cumpridas, combinados não seguidos... Situações comuns nos dias de hoje, principalmente se considerado os relacionamentos profissionais e não menos comuns nos pessoais.

Deixar de cumprir o que foi acordado verbalmente tornou-se algo normal e, quando questionados, ainda escutamos: "Está no contrato?", porque o que vale é o que beneficia os de pouca ou nenhuma honra e a palavra, recurso mais utilizado no dia a dia, tem que ser comprovada por e-mails salvos, contratos minuciosamente confeccionados ou outras formas de comprovação.

Substituída pelo "fica o dito pelo não dito", a expressão, assim como a palavra, perdem a cada dia a honra e a confiabilidade, fazendo com que as pessoas busquem cada vez mais recursos para conseguir ter, por meio da fala, mais credibilidade.

A busca por cursos de oratória e estudos sobre como ser mais persuasivo tem se tornado cada vez mais comum, mas a maioria das pessoas não entende que credibilidade e confiança são benefícios conquistados e que demandam tempo e trabalho árduo para serem alcançados.

A palavra de honra, comum outrora, derivada do hábito de cumprir com o combinado independente das consequências é um artigo raro nos dias de hoje e que deve ser resgatado pelo comportamento, para que possamos deitar a cabeça no travesseiro e dormirmos tranquilos, sabendo que o que foi dito é o que podemos confiar.

Mais artigos

Thiago Cachaldora é fonoaudiólogo, pós-graduado em Fonoaudiologia, consultor em comunicação interpessoal, diretor executivo da Clips Comunicação Interpessoal & Desenvolvimento de Pessoas e palestrante.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.