Terça-feira, dia 9 de dezembro de 2008, às 12h35

Catadores de papel sentem os impactos da crise econômica

Daniele Gruppi
Repórter

A crise já chegou para os catadores de papel. Segundo o coordenador de finanças da Associação dos Catadores de Papel e Resíduos Sólidos de Juiz de Fora (Apares), o catador de papel, Edmilson Francisco Salles, o preço do material coletado nas ruas despencou.

O quilo do papelão, que era vendido pela Associação por R$ 0,18, agora vale R$ 0,07. Pelo quilo do cobre, pagava-se R$ 15, agora vale, no máximo, R$ 6. Salles afirma que o único material reciclável que manteve o preço estável foi o plástico (garrafas pet).

Além da queda do preço dos materiais, Salles revela que houve uma retração no consumo de produtos com embalagens plásticas e também das latinhas. "Antes, eram recolhidos 30 quilos de garrafas pets por dia. Atualmente, consigo apenas dez quilos."

Os catadores de papel também dependem do fornecimento das siderúrgicas. "A maioria das indústrias da cidade deram férias coletivas aos funcionários. Enquanto elas não voltarem a funcionar a pleno vapor, não conseguiremos retomar nossos ganhos", declara, reclamando da redução dos lucros. "Têm muitos colegas pensando em mudar de atividade."

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.