Segunda-feira, dia 8 de dezembro de 2008, às 12h35

Crise gera demissões e férias coletivas em grandes empresas que atuam em Juiz de Fora

Guilherme Arêas
Repórter

A crise econômica mundial já afeta dezenas de trabalhadores juizforanos neste final de ano. Muitos deles perderam seu empregos nas filiais de grandes empresas que atuam na cidade. De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora, Geraldo Werneck, a Mercedes-Benz demitiu cerca de 60 funcionários da área de produção devido à crise.

A assessoria de comunicação da Mercedes em São Paulo não confirmou as demissões. A empresa garantiu que o que aconteceu foi o término dos contratos de alguns funcionários temporários. O motivo da não renovação dos contratos pode ter relação com a crise, mas a Mercedes explicou que os serviços temporários já tinham prazo para acabar em dezembro.

A empresa disse que boa parte dos carros produzidos na unidade juizforana são exportados. Como o consumo mundial caiu nos últimos meses, a crise afetou diretamente a linha de produção na cidade.

Nesta segunda-feira, dia 8 de dezembro, começam as férias coletivas de 1.200 trabalhadores da empresa. Até o dia 5 de janeiro, os funcionários das áreas de pintura e montagem bruta permanecem sem trabalhar. No próximo dia 15, operários da área de montagem final começam as férias, que vão até o dia 12 de janeiro. Nesse dia também voltam a trabalhar os funcionários da área administrativa, que entram de recesso no dia 21 de dezembro.

Mais demissões

A Votorantim Metais confirmou o corte de 55 funcionários na unidade de Juiz de Fora. A empresa anunciou que "devido aos impactos da desaceleração da economia global com a conseqüente redução na demanda internacional por metais, está adotando medidas de adequação do nível de produção e ajustes nos custos da empresa".

Além das demissões, a Votorantim concedeu férias coletivas aos funcionários durante o mês de dezembro. A mesma atitude foi tomada pela Arcelor Mittal, a maior siderúrgica do mundo, que dispensou, temporariamente, 715 trabalhadores da unidade juizforana da empresa.

Os funcionários começam a entrar de férias no próximo dia 10 de dezembro. Em todo o estado, a empresa, que também tem unidade em Monlevade, concedeu férias coletivas a mais de mil pessoas.

No último dia 3 de dezembro, a Vale do Rio Doce anunciou a demissão de 260 trabalhadores no estado de Minas Gerais. Em todo o mundo, a empresa dispensou 1,3 mil funcionários.

Os grandes atingidos pela crise

Para o economista Evandro Camargos, as grandes empresas exportadoras são as principais afetadas com esse tipo de crise, já que atuam no mercado internacional. "Essas empresas geralmente têm a sua receita em real, mas as dívidas são cotadas em dólar", ressalta.

Com o dólar em alta, as despesas também sobem, fazendo com que as grandes indústrias precisem cortar os custos e até diminuir a produção, pois a demanda mundial é decrescente. É o que acontece com a Mercedes-Benz em Juiz de Fora, que exporta boa parte dos carros produzidos pela empresa.

O economista acredita que a crise ainda pode atingir as pequenas e médias empresas. Até momento, elas não registraram um alto número de demissões por causa do desaquecimento da economia mundial. "Com os novos desempregados na cidade, há a queda no consumo e isso pode afetar indiretamente as empresas menores", explica Evandro.

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.