SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A candidata a deputada federal por SP Cintia Ramos (MDB) chamou de "cruéis" as emendas do relator e afirmou que a ferramenta dá brecha para manipulação de recursos e falta de transparência na Câmara dos Deputados.

As emendas do relator permitem que parlamentares façam o requerimento de verba da União sem detalhes de identificação ou destinação dos recursos. A medida foi elaborada em 2019 e implementada em 2020.

"Cruel, cruel, tendo em vista que, na cidade de São Paulo, existem pessoas hoje morando na rua e que estão passando fome, estão nos semáforos ou mendigando moedas, e temos Congresso que age ordeiramente contra essa população. Não podemos aceitar uma situação dessa", afirmou Cintia em live transmitida pelo Instagram da Folha de S.Paulo nesta quarta-feira (21).

"Esses recursos, da forma como têm sido utilizados pelos relatores, não temos transparência. Não temos conhecimento de como estão sendo gastos".

Além de lutar contra as emendas do relator na Câmara, Cintia Ramos diz que, se eleita, irá representar as minorias. Mulher trans, ela tenta fazer história como a primeira transexual eleita deputada federal.

Moradora do Guarujá, no litoral paulista, Cintia criticou o presidente Jair Bolsonaro (PL) e as políticas do governo federal para a região. "Os últimos quatro anos foram os piores da Baixada Santista", disse ao frisar que pretende representar a população da região na Câmara.

Candidata a deputada pela primeira vez, ela diz que faz um "trabalho de formiguinha" durante a campanha e aponta um processo "desigual e injusto" na eleição.

"Tem outros candidatos com mais de R$ 1 milhão [em recursos para a campanha], e eu sou uma candidata que recebi apenas R$ 55 mil", diz Cintia. "Mas estou trabalhando com muita humildade [...] buscando mostrar para a população que estou preparada e apta a representar as populações da Baixada Santista e de São Paulo."