SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O grupo Prerrogativas, que reúne advogados e juristas, lançou nesta quarta-feira (21) uma campanha pelo voto útil em Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no primeiro turno das eleições deste ano. No mesmo dia, o advogado e professor Miguel Reale Jr., um dos nomes por trás do impeachment de Dilma Rousseff (PT), gravou um vídeo a pedido do grupo endossando a opção pelo petista no dia 2 de outubro.

A peça explora imagens e dados relacionados à alta de preço dos alimentos, ao avanço da fome no país e ao aumento expressivo de pessoas armadas sob a gestão de Jair Bolsonaro (PL). Mostra, ainda, falas do mandatário minimizando as consequência da pandemia de Covid-19 nos últimos dois anos.

"Tudo isso é consequência de uma gestão desumana, irresponsável, incompetente e que não tem nenhum respeito pelas instituições", diz a campanha do Prerrogativas. "Faça do seu voto um veto. Não deixe Bolsonaro chegar ao segundo turno", segue.

A pedido do coordenador do grupo, Marco Aurélio de Carvalho, e do advogado Ernesto Tzirulnik, nesta quarta Miguel Reale Jr. gravou um vídeo reiterando seu apoio a Lula já no primeiro turno.

Mais cedo, o jurista já havia afirmado ao jornal O Estado de S. Paulo que, sem perspectiva de vitória de algum candidato da terceira via, é importante que Lula vença no primeiro turno para impedir qualquer ação desesperada de Bolsonaro.

"É importante que se vote em Lula no primeiro turno para que o país não viva sobressaltos. É importante saber que não teremos mais com Lula ameaça de golpe. Não teremos mais um presidente indiferente à dor daqueles que sofrem como sofreram na pandemia", afirma, em vídeo, o autor do pedido que levou ao impeachment de Dilma.

"Não teremos mais um presidente que elege como herói nacional um torturador como o major Ustra. Não teremos mais um presidente indiferente àquilo que sofre a população mais pobre desse país. É por isso que eu acho que devemos resolver isso no primeiro turno, para tirar o Brasil dos sobressaltos", continua.

Desafeto de petistas, Reale Jr. era apoiador da terceira via ?chegou a endossar Simone Tebet (MDB)? e já havia se posicionado anteriormente contra o presidente Jair Bolsonaro e os ataques realizados pelo atual mandatário ao STF (Supremo Tribunal Federal) e ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Seu apoio colabora com a atual estratégia de Lula de agregar personalidades e representantes de vários setores da sociedade, a fim de incentivar o voto útil dessas categorias e aumentar as chances de vencer o pleito presidencial ainda no primeiro turno

Além da campanha pelo voto útil e de obter o apoio de Miguel Reale Jr. em vídeo, o Prerrogativas também elaborou nesta quarta uma nota defendendo o voto no candidato do PT à Presidência.

"Se aproxima um momento chave para a democracia brasileira. É preciso dar uma resposta plural e contundente, encerrando de uma vez o tormento que tem sido o atual mandato, com um voto unificado em torno de Luiz Inácio Lula da Silva, candidato que apresenta condições reais de derrotar Jair Bolsonaro já no dia 2 de outubro", diz o texto.

*

ÍNTEGRA DA MANIFESTAÇÃO DO GRUPO

"Juristas, professores de Direito, profissionais de carreiras jurídicas, advogados e advogadas que integram o grupo Prerrogativas, no exercício ativo de sua cidadania nos últimos quatro anos, acompanharam com inquietação a degradação que se abateu sobre a presidência da República, ocupada por um personagem não apenas inepto e inabilitado para a função, como também dedicado a promover uma irresponsável depredação governamental. Em todos os setores da vida nacional e das instâncias de governo federal, o desastre da atual gestão é evidente. Para se manter no poder por mais quatro anos, toda sorte de manipulação tem sido perpetrada por Jair Bolsonaro.

Com a iminência do primeiro turno das eleições presidenciais de 2022, se aproxima um momento chave para a democracia brasileira. É preciso dar uma resposta plural e contundente, encerrando de uma vez o tormento que tem sido o atual mandato, com um voto unificado em torno de Luiz Inácio Lula da Silva, candidato que apresenta condições reais de derrotar Jair Bolsonaro já no dia 2 de outubro.

A sociedade brasileira não suporta mais a marcha de insensatez e descompromisso com a democracia e com as necessidades do povo, que tem sido a marca registrada do governo Bolsonaro. É preciso dar um basta a tanto retrocesso e a tanto desassossego.

As ameaças desonestas à integridade do processo eleitoral, com ataques diretos à atuação do Tribunal Superior Eleitoral, demonstram o risco concreto que pode representar o adiamento da definição do pleito para um segundo turno. O ex-presidente Lula tem feito renovados gestos de conciliação e união nacional, para resgatar a normalidade da vida democrática e da governabilidade prudente e responsável em nosso país.

Chegou a hora de uma mobilização firme do eleitorado, de diversos perfis, origens regionais e inclinações ideológicas. Pela defesa do Estado democrático de direito, da Constituição, das liberdades e direitos do nosso povo, vamos eleger Lula presidente já no primeiro turno e conter de uma vez por todas as bravatas golpistas que ameaçam a democracia brasileira."