SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O cartão corporativo da Presidência foi usado para comprar R$ 292,70 em vinhos (oito garrafas de tipos variados) e R$ 9,69 em uma garrafa de aguardente da marca 51, segundo notas fiscais organizadas pela agência Fiquem Sabendo, que obteve o material via LAI (Lei de Acesso à Informação).

Os registros da aquisição de bebidas alcoólicas, todos de 2019 e feitos em Brasília, apontam que o vinho mais caro comprado com o cartão, um português, custou R$ 77. Os demais variaram entre R$ 13,90 e R$ 70 a unidade. A compra da cachaça coincidiu com a de ingredientes para feijoada e churrasco, como carnes e acompanhamentos.

As regras para o uso do cartão são vagas, mas uma cartilha da CGU (Controladoria-Geral da União) para orientação de servidores desestimula a compra de bebidas alcoólicas. Segundo o documento, essas despesas "não podem ser custeadas com recursos públicos, salvo em recepções oficiais".

Não há registros, nas notas tornadas públicas até aqui, da compra de outras bebidas alcoólicas. Os valores debitados no cartão corporativo da Presidência da República incluem não só gastos diretos do presidente, mas também da equipe que o acompanha de perto, entre outras despesas.