SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ex-presidente Michel Temer (MDB) rebateu a fala do atual mandatário, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que o chamou de golpista em discurso na Prefeitura de Montevidéu, capital uruguaia, nesta quarta-feira (25).

Temer afirmou, em nota divulgada em suas redes sociais, que o petista insiste em manter-se no palanque e tenta "reescrever a história por meio de narrativas ideológicas". O centro das críticas do atual presidente é o impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, chamado por ele de golpe.

"Ao contrário do que ele disse hoje em evento internacional, o país não foi vítima de golpe algum. Foi na verdade aplicada a pena prevista para quem infringe a Constituição", disse o ex-presidente, que chegou ao Planalto após o impeachment.

Além disso, o emedebista disse ter destruído o desemprego, a taxa de juros e a inflação, por meio de medidas como a reforma trabalhista e a Lei das Estatais, e afirmou que "com a nossa chegada ao governo o Brasil não sofreu um golpe institucional, foi sim 'vítima' de um golpe de sorte".

"Recomendo ao presidente Lula que governe olhando para a frente, defendendo a verdade, praticando a harmonia e pregando a paz", concluiu o ex-presidente.

O discurso de Lula em Montevidéu ocorreu na esteira das viagens realizadas pelo presidente desde a segunda-feira (23), em torno de uma sinalização pró-integração regional, paradigma escanteado pelo antecessor, Jair Bolsonaro (PL), e a favor do Mercosul, bloco econômico da região.

O petista dirigiu-se à prefeitura da cidade para receber o prêmio Mais Verde da prefeita Carolina Cosse, da frente ampla de esquerda, e discursou para apoiadores, que gritaram "sem anistia", em referência a Bolsonaro e seus aliados.

Já Temer rebateu o atual mandatário antes sobre o processo que o alçou à Presidência -às vésperas do segundo turno, ele repetiu a ideia de que o Brasil havia passado por um golpe de sorte quando Lula afirmou, em debate, que Bolsonaro havia recebido a chefia do Executivo de um golpista.

À época, o ex-presidente afirmou lamentar a "deselegância" do petista e ressaltou que Dilma foi derrubada pelo povo e pelo Congresso Nacional. "Na verdade, o que aconteceu no Brasil foi um 'golpe de sorte', pois recuperamos o país da maior recessão da sua história", disse ele em publicação no Twitter.