Ana Stuart Ana Stuart 5/5/2011

Famílias estendidas

Ilustração de árvoreMuitos são os questionamentos a respeito das famílias que se estendem. Aquelas em que os filhos aumentam a casa dos pais e acabam morando todos no mesmo terreno.

Nossos ancestrais moravam todos juntos na mesma tribo, se defendiam juntos, comiam juntos, caçavam juntos, sobreviviam juntos.

Os orientais costumam dizer que a família é uma árvore frondosa que faz muita sombra, e quando suas sementes caem e crescem nessa sombra, ficam tenras e frágeis. Ao passo que, quando o vento leva as sementes para longe, estas tornam-se tão fortes e frondosas quanto a árvore de origem.

Temos aí um impasse. Num mundo onde a insegurança está cada dia maior devido ao desemprego, às dificuldades interrelacionais e outros fatores de estresse, podemos observar que a família estendida se apoia. Mas, ao mesmo tempo, estes filhos criados à sombra da família ficam fragilizados emocionalmente.

Onde os apelos do consumo se sobrepõem aos valores essenciais da alma humana, as famílias estão cada dia mais ansiosas e competitivas.

Muitas vezes, a proximidade nubla o prazer do diálogo tranquilo e despojado.

Os interesses ficam voltados para presentes, heranças, cobranças.

Fisicamente, famílias distendidas tão próximas, mas, emocionalmente, tão distantes uns dos outros.

Por isso, quando um filho vem de longe e é tratado com tanto carinho, os mais próximos se incomodam, mas não percebem que não estão sabendo lidar com a simples intimidade.

Valores como respeito e gratidão ficam em segundo plano devido a conflitos inconscientes.

Na maioria das vezes a proximidade é confundida com invasão de privacidade, e pelo bom nome da família todos se suportam sem o diálogo franco e aberto, aumentando dessa forma a distância emocional.

Pais e mães equivocadamente suprem seus filhos maiores tornando-os árvores tenras em sua sombra. Quando noras e genros entram, querendo modificar todo o esquema de dependência, não percebem que muitas vezes a simbiose é tão doentia que acabam entrando para a zona de conforto ou não suportam e acabam se excluindo ou sendo excluídos.

É necessário o enfrentamento sincero e firme, corajoso e sem grosserias — de preferência, com amor.

Afinal, se não nos perdermos, como nos encontrarmos?


Ana Stuart
é psicóloga e terapeuta familiar

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.