Uso de celular ao volante ocupa terceira posição no ranking de autuações aplicadas em JFInfração foi responsável por 3.189 notificações aplicadas, em JF, por agentes de trânsito e pelo Detran/MG nos dois primeiros meses de 2011

Aline Furtado
Repórter
6/4/2011
Carros na avenida Rio Branco

Considerado comportamento de risco quando se trata de trânsito, o uso de celular ao volante ocupa a terceira posição no ranking das notificações aplicadas em Juiz de Fora. Dados da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra) apontam que a infração foi responsável por 8.022 de um total de 60.630 autuações aplicadas na cidade 2010.

Nos primeiros dois meses de 2011, foram aplicadas 991 notificações. No mesmo período do ano passado, foram contabilizadas 1.308, sendo 574 em janeiro e 734 em fevereiro. Os dados, fornecidos pela Settra, referem-se à atuação de agentes de trânsito.

Já as autuações por uso de celular na direção aplicadas pela Polícia Civil (PC) em Juiz de Fora, segundo dados do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran/MG), somam 2.198, apenas nos dois primeiros meses de 2011. Somadas, as notificações aplicadas pelos agentes de trânsito e pelo Detran/MG chegam a 3.189. A falta percebida pela PC contabilizou, em todo o ano de 2010, na cidade, 17.993 autuações. No Estado, a modalidade somou, entre os meses de janeiro e fevereiro, 34.775 notificações. Em 2010, o uso de celular ao volante contabilizou, em Minas Gerais, 216.692 infrações.

Para o vice-presidente da Comissão Municipal de Segurança e Educação para o Trânsito (Comset), Mário Jacometti, o alto número de infrações e notificações por uso de celular ao volante reflete a falta de educação e de conscientização por parte dos motoristas. "Não adianta realizar inúmeras campanhas educativas relacionadas ao trânsito porque o problema está na falta de educação e de cidadania por parte do povo. As pessoas sabem do número elevado de acidentes decorridos a partir do hábito errado, que distrai, mas continuam agindo desta forma."

Além disso, para Jacometti, falta fiscalização. "Só para se ter uma ideia, são contabilizadas, por dia em Juiz de Fora, 50 mil infrações de trânsito, mas o número de notificações está muito distante deste total." Ele lembra, ainda, que o valor da multa aplicada no caso do uso do celular na direção é baixo, assim como o número de pontos a serem reduzidos na carteira nacional de habilitação (CNH). "Os valores hoje não representam nada, mas se a multa é barata, o erro fica ainda mais provável."

Multa e perda de pontos

Além do ato de dirigir falando ao celular, o artigo 252 do CTB considera infração média, passível de aplicação de multa no valor de R$ 85,13, guiar o veículo com o braço voltado para o lado de fora do mesmo; transportar pessoas, animais ou volume à sua esquerda ou entre os braços e pernas; dirigir com incapacidade física ou mental temporária que comprometa a segurança do trânsito.

Além disso, usar calçado que não se firme nos pés ou que comprometa a utilização dos pedais; guiar com apenas uma das mãos, exceto quando deva fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha do veículo, ou acionar equipamentos e acessórios do veículo; além de dirigir usando fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora. A falta ocasiona a perda de quatro pontos na carteira do infrator.

Riscos

De acordo com estudos realizados, em 2008, pelo Laboratório de Investigação do Transporte da Inglaterra, o tempo de reação do motorista, ao dirigir, fica 50% mais lento falando ao telefone celular, sem viva voz, em comparações com condições normais. Segundo os testes, o ato faz com que os condutores percam a capacidade de manter velocidade constante, o que resulta na dificuldade de conservar a distância de segurança com relação ao automóvel à frente.

Alerta aos motoristas

Ranking

O uso do celular ao volante fica atrás apenas das multas por radares, que contabilizaram, em 2010, 14.293 notificações; e de estacionamentos em local indevido — em vagas para pessoas com deficiência, em área de carga e descarga, entre outras —, que teve, no ano passado, 11.482 notificações. Em quarto lugar no ranking, ficaram as autuações referentes a avanços de sinais, com um total de 6.685. As autuações não necessariamente foram revertidas em multas de trânsito, já que os autos de infração são passíveis de serem recorridos.

Os textos são revisados por Thaísa Hosken