• Assinantes
  • Autenticação
  • Tecnologia

    CD do UOL: o “Cavalo de Tróia”

    Universo Online insiste na venda
    do CD recordista em reclamações

    Repórter: Luciana Mendonça
    30/10/98

    “Não instale em sua máquina”. Este é o conselho que os técnicos dos provedores de Internet de Juiz de Fora dão para os consumidores que tomaram conhecimento da promoção do Universo On Line. O CD de instalação que oferece 50 horas de acesso gratuito à Internet pelo UOL volta a ser vendido nas bancas de revistas da cidade, depois de ter sido recolhido pela empresa. De acordo com depoimentos de usuários, o produto danifica configurações do computador em que é instalado, tornando lento o acesso à Rede através de qualquer outro provedor que não o próprio UOL.

    O que é anunciado como um “presente” vem sendo comparado, na verdade, a um “Cavalo de Tróia”. A propaganda é a seguinte: “Depois do período gratuito, você não precisa fazer mais nada para se tornar assinante. Se não gostar, basta cancelar.” A questão é: como cancelar? Para o gerente técnico do provedor ArtNet, Sérgio Faulhaber, que realizou um teste com o CD em sua máquina, aparentemente, aconteceram mudanças nos registros do Windows, que afetam as conexões feitas através do dial-up que não foram configuradas para acessar a UOL. O teste comprovou o que diversos usuários de Internet têm reclamado: após o CD ser instalado no computador, o acesso à Internet através do Universo Online é normal, mas o acesso através de outro provedor passa a ficar comprometido.

    O JF Service tentou entrar em contato com a gerência do Universo Online, para saber quais providências a empresa está tomando com relação a este assunto, mas, até agora, não obteve resposta.

    O descontentamento de consumidores quanto ao produto do UOL já foi motivo de artigos nos principais jornais do país. Dois deles, escritos nas seções Techie (em agosto deste ano) e Trilha Zero (em setembro de 98) do caderno de informática do jornal O Globo, estão reproduzidos abaixo, com mais informações sobre o problema.



    Joga limpo, UOL!

    Artigo publicado na seção Techie
    do caderno de Informática do jornal
    O Globo, do dia 24/08/98

    O novo CD do UOL, que se encontra nas bancas e oferece 50 horas de Internet grátis aos usuários, é uma tentação praticamente irresistível; mas recomenda-se a todos, calorosamente, que resistam.

    Acontece que a mimosa prenda é, no fundo, um presente de grego. As 50 horas estão de fato lá - como estão, também, instruções para alterações no papel de fundo, no dial-up e na URL da home page favorita. Tudo - pasmem, escovadores de bits! - através de mudanças nos registros do Windows 95 (ou 98).

    Isso significa que, ao cair em tentação, o micreiro incauto vai ter que conviver, até segunda ordem, com o logo do UOL no lugar da foto das crianças ou dos gatos que estava servindo de wallpaper; com o site do UOL como página de abertura do browser; e com a insana teimosia da máquina, recusando-se a conectar qualquer outro provedor de acesso que não seja... claro, o UOL.

    Mudança de dial-up ainda é coisa mais ou menos corriqueira; é invasiva e mal educada, porque não custa nada criar um dial-up novo - mas vá lá. Mudança de wallpaper é um desaforo. Mas mudança nos registros, sem possibilidade de reversão do processo para que a máquina volte a ser como era antes da instalação do kit é, realmente, o fim da picada! Só quem já perdeu noite de sono mexendo com esses benditos registros (uma das muitas garantias de dor de cabeça do Windows) sabe como isso é grave: a máquina fica virtualmente travada na direção que o UOL determinou, e estamos conversados.

    Só para dar uma idéia: o Paulo Vianna, que deve ser recordista mundial em instalação de Windows 95 e 98, e tem uma paciência de Jó para as ziguiziras da Criatura de Bill, ainda não teve paciência de reconfigurar a máquina na qual uma das filhas, descuidadamente, instalou o CD UOL. Golpe baixo é apelido...



    Como se Livrar do UOL

    Artigo do Jornal O Globo,
    caderno de Informática,
    Coluna Trilha Zero do dia 07/09/98,
    escrita por B. Piropo
    (em http://www.bpiropo.com.br/tz980907.php).

    O esquema é sempre o mesmo: o malandro se aproxima do otário oferecendo alguma vantagem, como um bilhete de loteria premiado que ele não sabe como receber ou um pacote de dinheiro a ser entregue em um endereço que ele não consegue encontrar. O incauto, por ganância ou ingenuidade, aceita a vantagem. E acaba levando prejuízo. Quando a coisa é feita por meios ilegais chama-se conto do vigário e dá cadeia. Quando o golpe é dado legalmente, explorando desconhecimento, ignorância, imprevidência ou ingenuidade da vítima, não dá cadeia, não tem nome, mas nem por isso é menos condenável.

    Estas considerações me ocorreram quando soube da promoção do UOL, um CD com kit de acesso à Internet encartado na edição de 23 de agosto da revista "Veja" e cujas cópias avulsas podem ser adquiridas por um real. Oferece vantagens: você se inscreve, fornece o número de seu cartão de crédito, mas durante um mês não paga nada e tem direito a 50 horas de acesso. Decorrido este prazo, adquire automaticamente o status de assinante do UOL, com os custos usuais descontados mensalmente do cartão. Isto, porém, não é obrigatório: segundo consta do CD, "se não gostar, basta cancelar".

    Como no caso do bilhete premiado, uma oferta quase irresistível. O que o CD não diz é que ao ser instalado provoca sorrateiramente quatro alterações não solicitadas na máquina: ajusta o acesso à rede através da página do UOL, substitui os ícones e o fundo da barra de ferramentas da janela do Internet Explorer, altera o papel de parede de Windows 95 e, se o incauto já for associado a outro provedor de acesso, remove o objeto da rede dial-up que dá acesso ao provedor antigo, substituindo-o por outro que permite acessar apenas o UOL.

    Estas alterações, que interessam apenas ao UOL, são feitas na máquina do usuário sem solicitação nem aviso. Dificultam, desnecessariamente, o ato de "se não gostar, basta cancelar" anunciado na capa do CD. Duas delas somente podem ser desfeitas editando o Registro de Windows, algo que a maioria dos leigos ou não sabe fazer ou tem (justo) receio de tentar. Quanto ao objeto que permite acesso ao provedor antigo, pode ser recriado, mas através de um procedimento que nem todo leigo está disposto a experimentar. O resultado prático é o mesmo que o de certos casamentos: a vítima pode até não ficar muito satisfeita com o novo parceiro, mas passa a aturálo por não saber como se desvencilhar dele ou por receio de enfrentar problemas mais sérios ao tentar se libertar. Semana passada, em sua coluna, Cora classificou o procedimento do UOL de "asqueroso". Eu ainda não encontrei termo mais apropriado. Ou melhor: encontrei, sim, mas não é publicável.

    Porém o objetivo desta coluna não é comentar a atitude do UOL. Afinal, cada um procede de acordo com seus princípios éticos e eu não estou aqui para ensinar ninguém a agir direito. Por outro lado, não acho razoável deixar meus leitores amarrados a um provedor que usa meios tão discutíveis para angariar clientes, somente por não saberem como se livrar dele. Portanto, se você experimentou, não gostou e deseja desfazer as alterações feitas pelo kit UOL, vai aprender como fazer sua máquina voltar ao que era antes. Um procedimento que vale para qualquer kit de qualquer provedor que se meta a alterar características de sua máquina sem lhe pedir licença.

    Pois se tem um negócio que não dá para aturar é meterem a mão na minha máquina sem cerimônia, à minha revelia, e alterarem suas características sem aviso. Se bem que neste ponto, não há que reclamar apenas do UOL: há também que considerar a parte que cabe à Microsoft neste latifúndio. Afinal, um sistema operacional que permite a um programa fazer tamanha balbúrdia na máquina sem aviso, em matéria de segurança, francamente, deixa muito a desejar.

    Como eu disse, para desfazer duas das alterações é preciso editar o Registro. Se você não sabe o que é o Registro e muito menos como editá-lo, leia a série de colunas que publiquei sobre o assunto de 14/04 a 16/06 do ano passado e que podem ser encontradas na seção Escritos/Anos Anteriores/Trilha Zero de minha página pessoal, em [http://www.bpiropo.com.br]. Consulte as colunas de 28/04 a 12/05, que descrevem o editor do registro e ensinam a usá-lo. E antes de qualquer alteração, crie uma cópia de segurança do Registro (se quiser, use o programa SRE, que também pode ser encontrado em minha página, na seção Opinião). Isto feito, mãos à obra.

    Para "destravar" a página inicial, carregue o editor do Registro, procure pela chave [HKEY_USERS\Default\Software\Policies\Microsoft\Internet Explorer\ControlPanel], acesse o valor "HomePage" e mude-o de "1" para "0" (zero). E já que está com a mão na massa, aproveite para se ver livre dos ícones indesejados no Internet Explorer encontrando a chave [HKEY_ USERS\.Default\Software\Microsoft\Internet Explorer\Toolbar], localizando os valores "BrandBitmap", "SmBrandBitmap" e "BackBitmap" e simplesmente removendo-os (note que esta última alteração só é necessária se você usa o Intenet Explorer). Depois, feche o editor de registro e reinicialize o computador para que as mudanças surtam efeito.

    Agora você já pode desfazer as demais alterações. Para mudar a página inicial, o procedimento depende de seu navegador. Se for o IE4, acione a opção "Opções da Internet" do menu "Editar" e, no grupo "Página Inicial" da aba "Geral", preencha a caixa de entrada de dados "Endereço" com o URL do sítio desejado (uma dica: se você entrar com "file://c:\windows\system\blank.php" assim mesmo, mas sem aspas, o programa é carregado muito mais rapidamente, porém com uma página em branco).

    Se usa o Netscape 3, acesse a entrada "Preferências" do menu "Opções" e altere o campo "endereço da página inicial" da aba "Aparência" (na versão 4, acione a opção "Preferências" do menu "Editar" e altere o campo "Endereço"). O papel de parede pode ser alterado do modo convencional: clique com o botão direito do mouse em um ponto vazio da área de trabalho de Windows 95/98 para abrir o menu de contexto do vídeo e selecione a opção "Propriedades". Na janela "Propriedades do vídeo", vá para a aba "Segundo Plano" e selecione uma imagem na caixa "Papel de parede".

    Isto feito, recrie o acesso ao provedor antigo: execute um clique duplo no objeto "Fazer nova conexão" da pasta "Rede dialup" que mora em "Meu Computador" e entre com os dados fornecidos pelo seu provedor.

    Pois é isto. A partir deste ponto já vale o escrito na capa do CD do UOL: se não gostar, basta cancelar. Porque agora você já sabe como fazê-lo. Portanto, usou e não gostou, cancele.

    Antes, porém, use suas 50 horas. Você tem direito a elas. Usufruí-las é a materialização do sonho do otário: tentar descontar o bilhete e descobrir que ele está de fato premiado. Ou abrir o "paco" e achar lá dentro um maço de dinheiro de verdade.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.