Juiz de Fora 150 anos em um minuto:
Os fatos e personalidades que constru?ram a hist?ria da cidade.
Novas cr?nicas todos os dias, de segunda a sexta.
Uma iniciativa da R?dio FM Itatiaia e do JFService

26/07/2000

Ou?a a cr?nica
Imigrantes em Juiz de Fora
O Brasil de 1850 ? marcado pelo grande incentivo ? vinda de imigrantes para o pa?s. Os principais objetivos eram o povoamento de regi?es ainda vazias conseguindo, com isso, maior valoriza??o de terras e tamb?m produ??o de alimentos. Em Juiz de Fora, esta mudan?a se refletiu atrav?s de iniciativas como a Mariano Proc?pio Ferreira Lage. Gra?as a um empr?stimo, ele conseguiu dinheiro suficiente para trazer para Juiz de Fora colonos alem?es. A meta era fazer com que este grupo se dedicasse ? constru??o da estrada Uni?o e Ind?stria. Al?m disso, contratou, em 1853, alguns t?cnicos, como engenheiros, e arquitetos e, tr?s anos depois, mais 20 art?fices, como ferreiros, pintores e latoeiros. Como tinha a id?ia de construir uma esp?cie de n?cleo alem?o na cidade, tratou de se empenhar na contrata??o de 2 mil colonos. Assim, em 1857, chegaram a Juiz de Fora 1.162 imigrantes, todos alem?es, o que representaria quase 20 por cento da popula??o local da ?poca. No grupo, estavam 225 fam?lias e outras 62 pessoas solteiras. Apesar de ter recebido para trazer 2 mil pessoas, por?m, Mariano Proc?pio n?o conseguiu cumprir com o acordo.

Ou?a a cr?nica
O Bar das Garrafas
A Bossa Nova de Juiz de Fora criou fortes e saud?veis ra?zes na Rua S?o Jo?o. O ponto de encontro dos amantes deste estilo de m?sica era o Bar do Alvinho, tamb?m conhecido como Bar das Garrafas. O nome, n?o se sabe afirmar ao certo, pode ter sido uma homenagem ao Beco das Garragas da Rua Duvivier, no Rio de Janeiro. O dono da casa era Helinho Fernandes que, para oferecer aos fregueses verduras frescas e carne saud?vel, chegou a plantar uma pequena horta no quintal do im?vel. Al?m disso, providenciou uma cria??o de coelhos. Certa vez, um grupo apaixonado pelas garrafas havia tomado tanto, mas tanto que, ao ver passar um casal de coelhos junto ? mesa, logo um deles disse: "Passamos da conta, companheiros. ? melhor parar enquanto ? tempo." Depois de vendido, o Bar das Garrafas passou a ter o nome do novo propriet?rio, Alvinho. Reduto da cultura da resist?ncia contra a "Redentora", algumas personalidades deixaram suas impress?es digitais em seus copos. Entre elas est?o Dias Gomes, Otelo Ca?ador, Juca Chaves, Renata Sorrah, Roberto e Jo?o Medeiros, N?vea Bracher, Sueli Costa e muitos outros.

Ou?a a cr?nica
Factory
Inaugurada em 20 de agosto de 1984, com a presen?a de nomes importantes de Juiz de Fora e de VIPs cariocas, como Luiza Brunet, Humberto Saad, Eliana Moura e o colunista de "O Globo" da ?poca, Fernando Zerlottini, a Danceteria Factory marcou a hist?ria de uma gera??o na cidade. O show de abertura foi com Lulu Santos. Mas por ali passaram Lob?o, Marina, Paralamas do Sucesso, Ira, Kid Abelha, Tit?s e RPM. Os propriet?rios Ricardo Stambowsky e Luiz Celso Monteiro de Andrade buscaram inspira??o em Nova York, nas boates "Studio 54" e "Limelight", casas de sucesso nos Estados Unidos. A decora??o ficou a cargo de Roberto Gon?alves, que preservou as caracter?sticas da velha f?brica Santa Cruz, mantendo gruas e empilhadeiras no local. A Factory foi a mais badalada e efervescente casa noturna de Juiz de Fora, tendo surgido no auge das danceterias e sendo respons?vel por uma virada na noite da cidade. A pista era sacudida por um discotec?rio carioca e, nela, misturavam-se famosos e an?nimos, servidos por universit?rios, que, no lugar das roupas de gar?ons, usavam macac?es coloridos. No interior da velha f?brica, uma loja da Company foi montada para atender ao p?blico. Tamb?m havia o Bar Vermelho, espe?o VIP dentro da factory, onde havia jantares oferecidos pelos anfitri?es. O colunista social Douglas Fazzolato, ass?duo freq?entador da Factory, recorda algumas destas festas, como um R?veillon original, no qual os convidados depositarm um barco com oferendas a Iara no Rio Paraibuna. As informa?es sobre a danceteria e sua programa??o iam para o Factory News. A gera??o 80 que viveu os bons tempos da Factory n?o se esquece.

Cr?ditos:
Texto e ?udio - Equipe de Jornalismo R?dio FM Itatiaia JF
Edi??o Internet e recursos digitais - Equipe JFService / ArtNet