Hosóscopo do dia

3 de outubro de 2022, segunda-feira

(22 de dezembro a 20 de janeiro) - Seu momento astral: com a Lua em seu signo haverá maior energia e forte determinação para tratar de questões mais complicadas e ligadas a bens de família. Interesses materiais: dia propício para compromissos em quadro de vantagem com crescimento profissional. Vida Íntima: emoções contidas.

Mês Astral: Capricórnio sob a regência do Sol em Libra

A regência solar agora se dá sobre a sua décima casa zodiacal e, com isso, faz com que os assuntos relacionados a posição social, sua honra e conceito públicos, reputação profissional , a carreira e o exercício de quaisquer atividades que a ele dêem poder, sejam dimensionados de forma muito forte.
Neste período, o seu relacionamento com as pessoas que em sua vida expressam esse prestígio e conceito, os pais e os seus superiores, se os tiver, ganha maior significação e expressividade, fazendo com que aí se desenrolem os acontecimentos marcantes desta fase na qual podem acontecer viagens longas. No nosso corpo, governa os joelhos.

Seu signo
Planeta Regente: Saturno.
Elemento na natureza: terra.
Anatomia: joelhos.
Dia da semana favorável: sábado.
Personalidade: O diretor de televisão Augusto César Vanucci que aliou seu trabalho artístico com a difusão da doutrina Kardecista e os trabalhos de Chico Xavier em Uberaba (MG).
O nativo: Seguro e firme, exigente e controlado, sem concessões para nada que não seja prático e útil. Assim é esse nativo de um dos signos da Terra que representa a determinação e o trabalho, mostram um caráter extremamente exigente e rigoroso. Firme e perseverante, faz da vida a caminhada da severidade e da exigência, da construção pela racionalidade e do senso de oportunidade que lembra bem a expressão "pés no chão". Com uma inafastável vocação para o sucesso ele o alcança com uma capacidade extrema de se dar na busca desse objetivo. É organizador, responsável, ambicioso e digno e mostra traços autoritários que refletem sua visão do mundo. Preocupado, é carente e pouco se abre no amor.

Últimas notícias

Luciano Bivar consegue se reeleger à Câmara em Pernambuco

O deputado Luciano Bivar, presidente da União Brasil, foi reeleito por Pernambuco com 74,4 mil votos neste domingo (2). Depois de se ver envolvido em uma disputa com o presidente da República, Jair Bolsonaro (hoje no PL), pelo controle do PSL em 2019, ele comandou a fusão da sigla com o DEM.

Rosângela Moro devolve provocação de advogado após ser eleita

Após conquistar uma vaga na Câmara dos Deputados, a advogada Rosângela Moro (União Brasil), mulher do ex-juiz federal Sergio Moro (União Brasil), devolveu uma provocação feita pelo advogado criminalista Augusto de Arruda Botelho, que não conseguiu se eleger deputado federal pelo PSB. No dia 15 de setembro, Botelho afirmou, no Twitter, que havia convidado Rosângela para um debate sobre a Lava Jato em São Paulo.

Léo Índio, sobrinho de Bolsonaro, perde eleição para deputado distrital no DF

FOLHAPRESS - Sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (PL) e primo dos irmãos Flávio (Republicanos) e Eduardo Bolsonaro (PL), Léo Índio (PL) não conseguiu um assento na Câmara Legislativa do Distrito Federal. O candidato, que saiu na urna com o sobrenome Bolsonaro e foi exonerado em setembro da assessoria da liderança do PL no Senado por não trabalhar desde março, recebeu um total de 1.

Lula recupera maioria das cidades que deixaram PT em 2018

Para garantir a vantagem no primeiro turno das eleições, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contou com a retomada de 226 redutos eleitorais petistas que haviam debandado para outros partidos em 2018. Com 99,9% das urnas apuradas até a conclusão desta reportagem, Lula tinha 48,4% dos votos válidos neste domingo (2) e vai para o segundo turno contra Jair Bolsonaro, que tinha 43,2%.

Lula e Bolsonaro têm concentração histórica de votos no 1º turno

O ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) registraram uma acumulação histórica de votos no primeiro turno ao obterem juntos 91,63% dos votos válidos após apuração de 99,98% das urnas. A polarização supera a verificada em 2006, quando o petista e Geraldo Alckmin (PSB), à época adversários, obtiveram 90,25% dos votos válidos (48,61% e 41,64%).