Segunda-feira, 20 de agosto de 2007, atualizada às 10h

Paralisia infantil e rubéola são os focos da segunda etapa da Campanha de Vacinação Infantil


*Guilherme Arêas
Colaboração

Começa nesta segunda-feira, 20 de agosto, a segunda etapa da Campanha de Vacinação Infantil. A vacina contra a paralisia infantil, ou poliomielite, deve ser aplicada em todas as crianças com menos de cinco anos.

As gotinhas vão estar disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde (UBS's), na Regional Norte e no Departamento de Saúde da Criança e do Adolescente (rua Espírito Santo, 1023, Centro).

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a expectativa é que sejam vacinadas cerca de 37,5 mil crianças na cidade. Em Juiz de Fora a vacinação começa cinco dias antes da campanha nacional, que tem início no próximo sábado, 25 de agosto. Os pais devem levar o cartão de vacinação da crianças, que podem receber outras vacinas que ainda estejam atrasadas.

O vírus da poliomielite só pode ser evitado com a vacinação. A doença atinge o sistema nervoso, podendo deixar seqüelas e até causar a morte. Segundo o Ministério da Saúde, o último caso da doença verificado no país foi em 1989.

Combate também contra a rubéola

No início da Campanha Nacional de Vacinação Infantil no sábado, 25 de agosto, os acompanhantes das crianças também vão poder ser vacinados. Neste caso, contra a rubéola, doença que pode causar cardiopatias, surdez ou a catarata nos recém-nascidos infectados durante a gestação.

As crianças recebem a vacina no primeiro ano de vida e a segunda dose é aplicada aos cinco anos de idade. As crianças menores de 12 anos, que receberam apenas uma dose, e as maiores de 12, que nunca foram vacinadas contra a rubéola devem receber a vacina. Entre os adultos, a idade máxima para ser vacinado é 39 anos para os homens e 49 para mulheres.

Segundo a Secretaria de Saúde, em Juiz de Fora foram confirmados 35 casos da doença em 2007, sendo 90% em adultos jovens do sexo masculino (entre 20 e 34 anos). Os principais sintomas da rubéola são febre, manchas avermelhadas na pele, gânglios aumentados e, em adultos, pode produzir dores nas articulações.


*Guilherme Arêas é estudante de Jornalismo na UFJF

Conteúdo Recomendado

Comentários

Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.