• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura

    Mistura de ritmos dá o tom do show de Roberta Sá

    Com oito anos de carreira, a cantora possui um vasto repertório, com vários estilos e influenciado por grandes músicos brasileiros

    Andréa Moreira
    Repórter
    22/11/2012
    Roberta Sá

    Um vasto repertório, na voz marcante de umas das revelações da Música Popular Brasileira (MPB), misturada com o molejo de uma sambista potiguar criada no Rio de Janeiro. Tudo isso e muito mais poderá ser conferido no show da cantora Roberta Sá, marcado para a noite desta sexta-feira, 23 de novembro, no Cultural Bar, em Juiz de Fora.

    A cantora, que já se apresentou outras vezes na cidade, revela que espera ansiosa por mais este show. "A última vez em que estive aí, a casa estava cheia, e as pessoas cantaram tudo. Acho que vai ser um reencontro lindo com Juiz de Fora!"

    Com 31 anos de idade e oito de carreira, Roberta Sá afirma que a sua ligação com o samba surgiu a partir do contato com as canções de João Gilberto. "Quando ouvia as músicas do João Gilberto, vinha junto a curiosidade de saber que compositores eram aqueles que ele cantava. Assim aconteceu com Elis Regina, Gal Costa e, quando vi, estava totalmente envolvida com o samba."

    Com cinco discos gravados, a cantora ainda traz em sua bagagem outras influências, que são a base de suas composições. "Durante minha carreira, acumulei referências e influências musicais como Caetano Veloso, Gal Costa, Chico Buarque, Gilberto Gil, Elis Regina, Elza Soares, Beth Carvalho, Alcione, Clara Nunes, Milton Nascimento, Ney Matogrosso. São tantos, que até me perco. Mas são pessoas essenciais para a minha formação."

    Além desses nomes, Roberta possui um carinho especial pelo compositor baiano Roque Ferreira. Admiração que rendeu o CD Quando o Canto é Reza, de 2010. "Juntei-me ao Trio Madeira Brasil, formado por Marcello Gonçalves, Zé Paulo Becker e Ronaldo do Bandolim para fazer este trabalho, o qual considerei um desafio, pois o CD tinha samba carioca, coco, maxixe, maracatu, samba-de-roda. E, como não tive uma formação formal, encontrei esse jeito de aprender, de evoluir como cantora. Gosto de envolver meu público nas minhas descobertas. O Roque foi uma dessas paixões que precisava dividir com o público."

    Os desafios presentes na carreira de Roberta Sá são longos e ultrapassam as quatro paredes de um estúdio de gravação. Intitulado O Baile da Rosa, a cantora prepara bailes pré-carnavalescos que serão apresentados na cidade do Rio de Janeiro. "Desde o primeiro ano da minha carreira quis me envolver com o carnaval. E acaba que todo ano sou convidada para fazer shows. Ano passado fiz em Recife, ano retrasado em Fortaleza, no ano anterior, fiz Recife também. Tudo sempre no improviso, adaptando o show que já existia para a ocasião. Esse ano, eu fiquei com vontade de me preparar para isso e colocar o carnaval de uma vez no meu calendário de shows."

    Roberta SáSobre o cenário atual do samba, Roberta avalia como positivo e acredita que os novos nomes são importantes para o aumento do público. "Temos excelentes nomes como Fabiana Cozza, Mariene de Castro, Moysés Marques, que são responsáveis pela construção de um público jovem. Acho que eles fazem um belíssimo trabalho."

    Biografia

    Robertá Sá nasceu em Natal (RN), em 19 de dezembro de 1980. Com nove anos, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde mora até hoje, e aos 16, começou a frequentar aulas de canto. Para a cantora, o marco zero de sua carreira foi um show no Mistura Fina, no Rio, em 2002.

    Em 2004, lançou o primeiro disco, intitulado Braseiro, e que teve como convidados Ney Matogrosso, MPB-4 e Pedro Luís e A Parede. O segundo disco, Que Belo Estranho Dia Pra Se Ter Alegria, lançado em 2007, teve a participação de Lenine, Carlos Malta e Pife Muderno, Hamilton de Holanda, Silvério Pontes e Zé da Velha. Em 2009, Roberta Sá reuniu o repertório dos dois primeiros álbuns no show Pra Se Ter Alegria. A apresentação resultou um DVD e um CD. Um ano após este lançamento, Roberta ganhou o prêmio de DVD de Ouro.

    O projeto Quando o Canto é Reza, de 2010, com o Trio Madeira Brasil, além da mistura de estilos, apresenta 13 canções do compositor e homenageado Roque Ferreira, sendo que destas, oito são inéditas.
    No final de 2011, Roberta ultrapassou a marca de 200 mil discos vendidos. Nste ano, lançou o quinto disco, intitulado Segunda Pele. Só em 2011 foram mais de cem shows pelo Brasil e Portugal.

    Os textos são revisados por Juliana França

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.