SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) - A caminhada mágica de Beatriz Haddad Maia em Roland Garros chegou ao fim nesta quinta-feira (8), nas semifinais, diante da número 1 do mundo, Iga Swiatek. Depois de salvar match point na terceira rodada virar um jogo quase perdido nas oitavas e bater a número 7 do mundo nas quartas, a brasileira de 27 anos não resistiu à atual campeã do torneio e foi superada por 6/2 e 7/6(7).

Iga, que não perde um set no torneio desde as oitavas de final do ano passado (sim, 2022!), esteve atrás no placar no começo dos dois sets, mas durante a maior parte do tempo foi melhor do fundo de quadra, conteve os ataques da brasileira e brilhou nos momentos importantes.

Campeã em 2020 e 2022, Swiatek, de 20 anos, torna-se a tenista mais jovem a alcançar três finais de Roland Garros desde Monica Seles (1990-92). Este ano, sua adversária na decisão será a tcheca Karolina Muchova, ex-top 20 e atual número 43 do ranking. A tenista de 26 não estava entra as mais cotadas quando o torneio começou, mas eliminou a grega Maria Sakkari (#8 do mundo) logo na primeira rodada e ganhou confiança. Nesta quinta, ela derrotou a favorita Aryna Sabalenka (#2) por 7/6(5), 6/7(5) e 7/5 depois de estar perdendo a parcial decisiva por 5/2.

Bia, por sua vez, deixa o torneio como a primeira brasileira a alcançar as semifinais de Roland Garros na Era Aberta (a partir de 1968) e primeira mulher do país na semi de um slam desde o US Open de 1968, quando Maria Esther Bueno ficou a uma vitória da decisão. A paulista também vai aparecer no top 10 pela primeira vez na próxima segunda-feira, a não ser que Muchova conquista o título.

NÚMERO 1 MANTIDO

Com a vitória deste sábado, combinada com a derrota de Sabalenka na outra semi, Iga assegura a manutenção da liderança do ranking. Tivesse perdido para a brasileira, a polonesa também deixaria o posto de número 1 do mundo após 62 semanas consecutivas no topo. Apenas Steffi Graf (186 semanas) e Martina Hingis (80) passaram mais tempo no topo em suas primeiras passagens como líderes do ranking.

COMO ACONTECEU

Bia começou arrasadora. Logo no primeiro game, atacou os segundos serviços da número 1, fez duas devoluções vencedoras e saiu na frente, com uma quebra de saque. Iga respondeu rápido, com um segundo game impecável do fundo de quadra, e quebrou de volta imediatamente.

Diante da movimentação impressionante da adversária, Haddad Maia tinha problemas para forçar Swiatek a rebater desequilibrada. Logo, era a polonesa quem atacava mais. No sexto game, Iga chegou a outro break point após uma excelente devolução. No ponto seguinte, Bia tentou uma curtinha, errou e cedeu a quebra. Depois disso, a número 1 tomou o controle da ações e, com mais uma devolução agressiva, conquistou outra quebra no oitavo game para fechar a parcial em 6/2.

Bia também saiu na frente no segundo set, voltando a pressionar o serviço da favorita e causando um momento instável na número 1, que cometeu uma dupla falta e um erro não forçado no terceiro game. A brasileira quebrou, confirmou em seguida e abriu 3/1, mas a vantagem não durou muito. No sexto game, Iga devolveu a quebra. No sétimo, deu sorte: depois de salvar um break point com um bom saque, contou com uma bola que tocou na fita e na linha para confirmar o serviço e fazer 4/3.

Bia, contudo, seguia lutando e contando com a torcida da maioria do público na Quadra Philippe Chatrier. Assim, saiu de 15/30 e confirmou seu serviço para igualar o placar em 4/4. E mais: conquistou três break points no nono game. Iga se salvou dos dois primeiros com duas bolas vencedoras. No terceiro, um erro não forçado da brasileira tirou a corda do pescoço da número 1. Após mais duas falhas de Bia, Iga confirmou o saque e fez 5/4.

A decisão veio só em um nervoso tie-break, que estava em 3/3 na virada de lado após dois erros não forçados de cada. A brasileira, então, tomou a frente com um ótimo voleio e, em seguida, viu Iga errar mais uma bola do fundo de quadra. Bia também teve uma boa chance para abrir 6/3, mas errou um voleio. Ainda assim, tinha 5/4 e dois saques para fechar a parcial. No primeiro, errou uma esquerda. No segundo, contou com outra falha de Iga e alcançou um set point. Haddad Maia, porém, perdeu a chance ao jogar um forehand no meio da rede.

Um winner de Iga, então, deu à número 1 o match point, mas Bia se salvou com uma paralela espetacular. Swiatek não desanimou. Voltou a pressionar a brasileira e, com uma direita cruzada indefensável, chegou a outro match point. Desta vez, Bia não conseguiu se salvar.