Lucas Soares Lucas Soares 15/06/2015

O Flamengo tem razão ao reclamar da arbitragem?

Quem vem me acompanhando nesses mais de dois anos como colunista do Portal ACESSA.com, sabe que não gosto de erros de arbitragem. Considero que a tecnologia poderia entrar no futebol para diminuir os erros e, consequentemente, auxiliar os senhores do apito.

Nestes primeiros sete jogos do Brasileirão, o Flamengo - aquele mesmo, tantas vezes ajudado pelos homens de preto, segundo os torcedores de outros times - vem sendo prejudicado em vários jogos. Dos sete primeiros jogos, em seis houveram lances que interferiram diretamente no placar na peladinha. Vamos relembrá-los.

 

  • Contra o Sport, já na segunda rodada, o jogo ficou interrompido por vários minutos devido a lesão do goleiro Magrão. O árbitro disse que parou o cronômetro e só deu três minutos de acréscimo, quando o jogo pedia mais. O Flamengo buscava a virada, com um jogador a mais.
  • Contra o Avaí, no segundo gol do time catarinense, a bola saiu bastante antes de ser cruzada. Ninguém do trio de arbitragem viu e o juizão validou o gol, com a defesa do rubro-negro marcando bobeira ao invés de cortar a bola.
  • Contra o Fluminense, um pênalti duvidoso foi marcado logo no início da partida de Pará sobre Vinícius. O Tricolor abriu o placar e venceu o jogo posteriormente.
  • Contra o Cruzeiro, a bola bateu no braço do zagueiro Manoel dentro da área, após cruzamento de Alecsandro. A partida estava 0 a 0. O Rubro-Negro acabou perdendo por 1 a 0, fora de casa.
  • Contra a Chapecoense, incríveis cinco minutos de acréscimo em uma partida em que o Flamengo venceu pela primeira vez no Campeonato. Não havia motivo para isso.
  • E no último sábado, contra o Coritiba, um "show de horrores". Faltas invertidas, cartões dados de forma displicente, uma expulsão totalmente injusta e seis minutos de acréscimos, também sem nenhuma razão.

Após todos esses lances, o diretor executivo do Rubro-Negro, Rodrigo Caetano, informou que vai entrar com uma representação na Comissão de Arbitragem sobre os incidentes que supostamente prejudicaram o time. No entanto, assumiu a culpa pelas derrotas, não transferindo-as para os apitadores. O Flamengo tem razão para reclamar dos juízes?

Torcedores de outros clubes acreditam que não. Torcedores flamenguistas têm certeza que sim. Nessas horas, o clubismo fala mais alto. Eu acredito que toda reclamação, feita com razão, é válida e necessária. Não é ficar sendo prejudicado jogo à jogo e no final do campeonato chegar na imprensa e botar a culpa nos árbitros. Entre os casos enumerados pelo clube carioca, apenas o jogo jogo contra o Fluminense tira a razão dos flamenguistas. Foi pênalti do Pará no Vinícius e, na segunda etapa, o lateral Giovani, do Tricolor, foi expulso injustamente. Logo, é uma reclamação que ficou no "elas por elas."

Eu, independente de ser torcedor do Flamengo, torço e gosto de ver um futebol jogado dentro das regras e sem interferência externa. Os acréscimos, por exemplo, são coisas subjetivas e completamente à mercê do árbitro. Se ele não quiser dar nem um segundo a mais, não é necessário. Portanto, é preciso avaliar outras vertentes e, só então, tomar um posicionamento em relação à isto. Mas, que é estranho tudo isso acontecer em um momento de oposição rubro-negra à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFERJ) e à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), isto é...


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol, repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

-
Lucas Soares Lucas Soares 15/06/2015

O Flamengo tem razão ao reclamar da arbitragem?

Quem vem me acompanhando nesses mais de dois anos como colunista do Portal ACESSA.com, sabe que não gosto de erros de arbitragem. Considero que a tecnologia poderia entrar no futebol para diminuir os erros e, consequentemente, auxiliar os senhores do apito.

Nestes primeiros sete jogos do Brasileirão, o Flamengo - aquele mesmo, tantas vezes ajudado pelos homens de preto, segundo os torcedores de outros times - vem sendo prejudicado em vários jogos. Dos sete primeiros jogos, em seis houveram lances que interferiram diretamente no placar na peladinha. Vamos relembrá-los.

 

  • Contra o Sport, já na segunda rodada, o jogo ficou interrompido por vários minutos devido a lesão do goleiro Magrão. O árbitro disse que parou o cronômetro e só deu três minutos de acréscimo, quando o jogo pedia mais. O Flamengo buscava a virada, com um jogador a mais.
  • Contra o Avaí, no segundo gol do time catarinense, a bola saiu bastante antes de ser cruzada. Ninguém do trio de arbitragem viu e o juizão validou o gol, com a defesa do rubro-negro marcando bobeira ao invés de cortar a bola.
  • Contra o Fluminense, um pênalti duvidoso foi marcado logo no início da partida de Pará sobre Vinícius. O Tricolor abriu o placar e venceu o jogo posteriormente.
  • Contra o Cruzeiro, a bola bateu no braço do zagueiro Manoel dentro da área, após cruzamento de Alecsandro. A partida estava 0 a 0. O Rubro-Negro acabou perdendo por 1 a 0, fora de casa.
  • Contra a Chapecoense, incríveis cinco minutos de acréscimo em uma partida em que o Flamengo venceu pela primeira vez no Campeonato. Não havia motivo para isso.
  • E no último sábado, contra o Coritiba, um "show de horrores". Faltas invertidas, cartões dados de forma displicente, uma expulsão totalmente injusta e seis minutos de acréscimos, também sem nenhuma razão.

Após todos esses lances, o diretor executivo do Rubro-Negro, Rodrigo Caetano, informou que vai entrar com uma representação na Comissão de Arbitragem sobre os incidentes que supostamente prejudicaram o time. No entanto, assumiu a culpa pelas derrotas, não transferindo-as para os apitadores. O Flamengo tem razão para reclamar dos juízes?

Torcedores de outros clubes acreditam que não. Torcedores flamenguistas têm certeza que sim. Nessas horas, o clubismo fala mais alto. Eu acredito que toda reclamação, feita com razão, é válida e necessária. Não é ficar sendo prejudicado jogo à jogo e no final do campeonato chegar na imprensa e botar a culpa nos árbitros. Entre os casos enumerados pelo clube carioca, apenas o jogo jogo contra o Fluminense tira a razão dos flamenguistas. Foi pênalti do Pará no Vinícius e, na segunda etapa, o lateral Giovani, do Tricolor, foi expulso injustamente. Logo, é uma reclamação que ficou no "elas por elas."

Eu, independente de ser torcedor do Flamengo, torço e gosto de ver um futebol jogado dentro das regras e sem interferência externa. Os acréscimos, por exemplo, são coisas subjetivas e completamente à mercê do árbitro. Se ele não quiser dar nem um segundo a mais, não é necessário. Portanto, é preciso avaliar outras vertentes e, só então, tomar um posicionamento em relação à isto. Mas, que é estranho tudo isso acontecer em um momento de oposição rubro-negra à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFERJ) e à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), isto é...


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol, repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.

Lucas Soares Lucas Soares 15/06/2015

O Flamengo tem razão ao reclamar da arbitragem?

Quem vem me acompanhando nesses mais de dois anos como colunista do Portal ACESSA.com, sabe que não gosto de erros de arbitragem. Considero que a tecnologia poderia entrar no futebol para diminuir os erros e, consequentemente, auxiliar os senhores do apito.

Nestes primeiros sete jogos do Brasileirão, o Flamengo - aquele mesmo, tantas vezes ajudado pelos homens de preto, segundo os torcedores de outros times - vem sendo prejudicado em vários jogos. Dos sete primeiros jogos, em seis houveram lances que interferiram diretamente no placar na peladinha. Vamos relembrá-los.

 

  • Contra o Sport, já na segunda rodada, o jogo ficou interrompido por vários minutos devido a lesão do goleiro Magrão. O árbitro disse que parou o cronômetro e só deu três minutos de acréscimo, quando o jogo pedia mais. O Flamengo buscava a virada, com um jogador a mais.
  • Contra o Avaí, no segundo gol do time catarinense, a bola saiu bastante antes de ser cruzada. Ninguém do trio de arbitragem viu e o juizão validou o gol, com a defesa do rubro-negro marcando bobeira ao invés de cortar a bola.
  • Contra o Fluminense, um pênalti duvidoso foi marcado logo no início da partida de Pará sobre Vinícius. O Tricolor abriu o placar e venceu o jogo posteriormente.
  • Contra o Cruzeiro, a bola bateu no braço do zagueiro Manoel dentro da área, após cruzamento de Alecsandro. A partida estava 0 a 0. O Rubro-Negro acabou perdendo por 1 a 0, fora de casa.
  • Contra a Chapecoense, incríveis cinco minutos de acréscimo em uma partida em que o Flamengo venceu pela primeira vez no Campeonato. Não havia motivo para isso.
  • E no último sábado, contra o Coritiba, um "show de horrores". Faltas invertidas, cartões dados de forma displicente, uma expulsão totalmente injusta e seis minutos de acréscimos, também sem nenhuma razão.

Após todos esses lances, o diretor executivo do Rubro-Negro, Rodrigo Caetano, informou que vai entrar com uma representação na Comissão de Arbitragem sobre os incidentes que supostamente prejudicaram o time. No entanto, assumiu a culpa pelas derrotas, não transferindo-as para os apitadores. O Flamengo tem razão para reclamar dos juízes?

Torcedores de outros clubes acreditam que não. Torcedores flamenguistas têm certeza que sim. Nessas horas, o clubismo fala mais alto. Eu acredito que toda reclamação, feita com razão, é válida e necessária. Não é ficar sendo prejudicado jogo à jogo e no final do campeonato chegar na imprensa e botar a culpa nos árbitros. Entre os casos enumerados pelo clube carioca, apenas o jogo jogo contra o Fluminense tira a razão dos flamenguistas. Foi pênalti do Pará no Vinícius e, na segunda etapa, o lateral Giovani, do Tricolor, foi expulso injustamente. Logo, é uma reclamação que ficou no "elas por elas."

Eu, independente de ser torcedor do Flamengo, torço e gosto de ver um futebol jogado dentro das regras e sem interferência externa. Os acréscimos, por exemplo, são coisas subjetivas e completamente à mercê do árbitro. Se ele não quiser dar nem um segundo a mais, não é necessário. Portanto, é preciso avaliar outras vertentes e, só então, tomar um posicionamento em relação à isto. Mas, que é estranho tudo isso acontecer em um momento de oposição rubro-negra à Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FFERJ) e à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), isto é...


Lucas Soares é natural de Juiz de Fora, jornalista formado pelo Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora em dezembro de 2012 e pós-graduado em Jornalismo Multiplataforma na Universidade Federal de Juiz de Fora. Apaixonado por futebol, repórter no portal Acessa.com e Editor-chefe do blog Flamengo em Foco. Já atuou em veículos impressos da cidade e como assessor de imprensa na PJF e na Câmara Municipal.