O melhor (neg?cio) do mundo Chegada da Copa do Mundo anima comerciantes que lucram com a venda de produtos ou simplesmente entram no clima para animar os clientes

Ricardo Corr?a
Rep?rter
maio/2006

O Brasil pode at? n?o ganhar a Copa, mas j? tem gente ganhando com ela. Embalados pela paix?o do torcedor pelo principal esporte do pa?s, e com a proximidade do maior evento do futebol mundial, o com?rcio aposta no verde e amarelo para tentar melhorar as vendas e fazer de junho de 2006 um m?s bem melhor do que nos outros anos. E ? em todos os setores. De quem faz promo?es aproveitando a Copa do Mundo, at? quem vende de fato produtos para o torcedor, existem at? aqueles cujos artigos n?o t?m nada a ver com o assunto, mas enfeitam as lojas para entrar no clima.

Quem pode e deve fazer muita festa s?o os comerciantes do setor de eletroeletr?nicos. A campe? de vendas a cada copa que se aproxima ? mesmo a televis?o. Por isso os lojistas refor?aram o estoque e as lojas trouxeram novidades. A grade vedete deste ano ? a tv de plasma. Cara, enorme e com qualidade de imagem de invejar. Mas ? mesmo o televisor de 29 polegadas o primeiro colocado nas vendas neste per?odo que antecede a Copa do Mundo. Em uma loja na Batista de Oliveira, os clientes enchem a loja e as vendas crescem de 40 a 50%.

"N?o tem nem um cliente espec?fico, s?o clientes dos n?veis A, B, C e D. Todo mundo quer assistir ? Copa do Mundo em uma televis?o maior, mais nova. E come?a bem antes, o pessoal se adianta, mas tem muita gente que ainda deixa para a ?ltima hora. Esse ano, pelo pre?o, estamos vendendo muitos televisores de plasma, mas as tvs de 29 polegadas ainda s?o as que vendem mais mesmo", explica o vendedor Rog?rio Rocha, que sabe que, ap?s o in?cio da Copa, as vendas s? continuar?o crescendo se o Brasil avan?ar.

Na Rua S?o Jo?o, a dona da loja at? tentou resistir, mas acabou aceitando o desafio de vender algumas camisas estilizadas sobre o Brasil e a Copa do Mundo. Esse n?o ? o ramo nem o tipo de roupa que eles vendem, mas a gerente, Vanda Maria Dias, explica que a aceita??o foi muito boa.

"Tem sa?do bastante sim. At? mais do que n?s esper?vamos. J? vendemos bastante mas continuamos acreditando que as vendas ainda v?o melhorar. Tem jovem que compra, outras pessoas que compram para dar para jovem", explica ela, mostrando as camisas que possuem modelos masculino e feminino.

Tradi??o do bom neg?cio

O jornaleiro S?rgio n?o nega a descend?ncia italiana e usa a camisa da It?lia. Mas em sua banca, ? paix?o pelo Brasil que est? presente. Coisa que passou de pai para filho, explica ele. A id?ia de vender artigos relacionados ao futebol e ? Copa do Mundo foi lan?ada h? muitos anos por seu pai. E ele n?o abre m?o de seguir a iniciativa. Por tradi??o, e por ser tamb?m um bom neg?cio.

"As vendas melhoram uns 30 a 40%. As bandeiras vendem mais. ? mais tradicional", explica S?rgio.

Mas em sua banca pode-se encontrar de tudo. De fitinhas que custam R$ 0,50 at? bandeiras enormes de R$ 150.

"Temos uma bandeira do tamanho da banca, que vamos pendurar l? fora no dia de jogo do Brasil", explica o comerciante. Dentro da banca, fitinhas, camisas, chap?us, pulseiras, toucas, adesivos, bolas de futebol, bandanas, cornetas e tudo mais que se imagina relacionado ao mundo do futebol verde e amarelo.

Agora, com menos de 15 dias para a Copa do Mundo, chegou a hora de faturar. ? quando as vendas aumentam e ? dif?cil at? interromp?-lo por uns minutos para conversar, tantos s?o os clientes que chegam a toda hora para comprar. Muitos s?o clientes fixos, de longa data, cultivados desde que seu pai abriu a banca, h? 50 anos. A confian?a passa de gera??o em gera??o. E se a situa??o est? ruim, se o pa?s est? em crise, problema para outros setores.

"Brasileiro n?o deixa de torcer n?o".

Driblando a crise

Mesmo quem n?o vende artigos de Copa do Mundo quer aproveitar a mobiliza??o em torno da competi??o para lucrar. Muitas farm?cias, por exemplo, est?o enfeitadas com temas verde e amarelos. As ?ticas tamb?m. Mas ? o com?rcio inteiro que se mobiliza nessa ?poca. De cursos de inform?tica a lojas de R$ 1,99. Lojas credenciadas de uma operadora de celular ousaram. Est?o dando uma camisa oficial da Sele??o Brasileira para quem comprar um celular. Ou seria o contr?rio? Na ?tica, a moda ? ficar com os olhos no Brasil. Quem compra pares de lentes comuns pode ganhar, de brinde, lentes para ficar com a bandeira brasileira no olho. E assim o c?mercio mostra que est? de olho ? nos lucros da maior paix?o do brasileiro.

O melhor (neg?cio) do mundo Chegada da Copa do Mundo anima comerciantes que lucram com a venda de produtos ou simplesmente entram no clima para animar os clientes

Ricardo Corr?a
Rep?rter
maio/2006

O Brasil pode at? n?o ganhar a Copa, mas j? tem gente ganhando com ela. Embalados pela paix?o do torcedor pelo principal esporte do pa?s, e com a proximidade do maior evento do futebol mundial, o com?rcio aposta no verde e amarelo para tentar melhorar as vendas e fazer de junho de 2006 um m?s bem melhor do que nos outros anos. E ? em todos os setores. De quem faz promo?es aproveitando a Copa do Mundo, at? quem vende de fato produtos para o torcedor, existem at? aqueles cujos artigos n?o t?m nada a ver com o assunto, mas enfeitam as lojas para entrar no clima.

Quem pode e deve fazer muita festa s?o os comerciantes do setor de eletroeletr?nicos. A campe? de vendas a cada copa que se aproxima ? mesmo a televis?o. Por isso os lojistas refor?aram o estoque e as lojas trouxeram novidades. A grade vedete deste ano ? a tv de plasma. Cara, enorme e com qualidade de imagem de invejar. Mas ? mesmo o televisor de 29 polegadas o primeiro colocado nas vendas neste per?odo que antecede a Copa do Mundo. Em uma loja na Batista de Oliveira, os clientes enchem a loja e as vendas crescem de 40 a 50%.

"N?o tem nem um cliente espec?fico, s?o clientes dos n?veis A, B, C e D. Todo mundo quer assistir ? Copa do Mundo em uma televis?o maior, mais nova. E come?a bem antes, o pessoal se adianta, mas tem muita gente que ainda deixa para a ?ltima hora. Esse ano, pelo pre?o, estamos vendendo muitos televisores de plasma, mas as tvs de 29 polegadas ainda s?o as que vendem mais mesmo", explica o vendedor Rog?rio Rocha, que sabe que, ap?s o in?cio da Copa, as vendas s? continuar?o crescendo se o Brasil avan?ar.

Na Rua S?o Jo?o, a dona da loja at? tentou resistir, mas acabou aceitando o desafio de vender algumas camisas estilizadas sobre o Brasil e a Copa do Mundo. Esse n?o ? o ramo nem o tipo de roupa que eles vendem, mas a gerente, Vanda Maria Dias, explica que a aceita??o foi muito boa.

"Tem sa?do bastante sim. At? mais do que n?s esper?vamos. J? vendemos bastante mas continuamos acreditando que as vendas ainda v?o melhorar. Tem jovem que compra, outras pessoas que compram para dar para jovem", explica ela, mostrando as camisas que possuem modelos masculino e feminino.

Tradi??o do bom neg?cio

O jornaleiro S?rgio n?o nega a descend?ncia italiana e usa a camisa da It?lia. Mas em sua banca, ? paix?o pelo Brasil que est? presente. Coisa que passou de pai para filho, explica ele. A id?ia de vender artigos relacionados ao futebol e ? Copa do Mundo foi lan?ada h? muitos anos por seu pai. E ele n?o abre m?o de seguir a iniciativa. Por tradi??o, e por ser tamb?m um bom neg?cio.

"As vendas melhoram uns 30 a 40%. As bandeiras vendem mais. ? mais tradicional", explica S?rgio.

Mas em sua banca pode-se encontrar de tudo. De fitinhas que custam R$ 0,50 at? bandeiras enormes de R$ 150.

"Temos uma bandeira do tamanho da banca, que vamos pendurar l? fora no dia de jogo do Brasil", explica o comerciante. Dentro da banca, fitinhas, camisas, chap?us, pulseiras, toucas, adesivos, bolas de futebol, bandanas, cornetas e tudo mais que se imagina relacionado ao mundo do futebol verde e amarelo.

Agora, com menos de 15 dias para a Copa do Mundo, chegou a hora de faturar. ? quando as vendas aumentam e ? dif?cil at? interromp?-lo por uns minutos para conversar, tantos s?o os clientes que chegam a toda hora para comprar. Muitos s?o clientes fixos, de longa data, cultivados desde que seu pai abriu a banca, h? 50 anos. A confian?a passa de gera??o em gera??o. E se a situa??o est? ruim, se o pa?s est? em crise, problema para outros setores.

"Brasileiro n?o deixa de torcer n?o".

Driblando a crise

Mesmo quem n?o vende artigos de Copa do Mundo quer aproveitar a mobiliza??o em torno da competi??o para lucrar. Muitas farm?cias, por exemplo, est?o enfeitadas com temas verde e amarelos. As ?ticas tamb?m. Mas ? o com?rcio inteiro que se mobiliza nessa ?poca. De cursos de inform?tica a lojas de R$ 1,99. Lojas credenciadas de uma operadora de celular ousaram. Est?o dando uma camisa oficial da Sele??o Brasileira para quem comprar um celular. Ou seria o contr?rio? Na ?tica, a moda ? ficar com os olhos no Brasil. Quem compra pares de lentes comuns pode ganhar, de brinde, lentes para ficar com a bandeira brasileira no olho. E assim o c?mercio mostra que est? de olho ? nos lucros da maior paix?o do brasileiro.

-

O melhor (neg?cio) do mundo Chegada da Copa do Mundo anima comerciantes que lucram com a venda de produtos ou simplesmente entram no clima para animar os clientes

Ricardo Corr?a
Rep?rter
maio/2006

O Brasil pode at? n?o ganhar a Copa, mas j? tem gente ganhando com ela. Embalados pela paix?o do torcedor pelo principal esporte do pa?s, e com a proximidade do maior evento do futebol mundial, o com?rcio aposta no verde e amarelo para tentar melhorar as vendas e fazer de junho de 2006 um m?s bem melhor do que nos outros anos. E ? em todos os setores. De quem faz promo?es aproveitando a Copa do Mundo, at? quem vende de fato produtos para o torcedor, existem at? aqueles cujos artigos n?o t?m nada a ver com o assunto, mas enfeitam as lojas para entrar no clima.

Quem pode e deve fazer muita festa s?o os comerciantes do setor de eletroeletr?nicos. A campe? de vendas a cada copa que se aproxima ? mesmo a televis?o. Por isso os lojistas refor?aram o estoque e as lojas trouxeram novidades. A grade vedete deste ano ? a tv de plasma. Cara, enorme e com qualidade de imagem de invejar. Mas ? mesmo o televisor de 29 polegadas o primeiro colocado nas vendas neste per?odo que antecede a Copa do Mundo. Em uma loja na Batista de Oliveira, os clientes enchem a loja e as vendas crescem de 40 a 50%.

"N?o tem nem um cliente espec?fico, s?o clientes dos n?veis A, B, C e D. Todo mundo quer assistir ? Copa do Mundo em uma televis?o maior, mais nova. E come?a bem antes, o pessoal se adianta, mas tem muita gente que ainda deixa para a ?ltima hora. Esse ano, pelo pre?o, estamos vendendo muitos televisores de plasma, mas as tvs de 29 polegadas ainda s?o as que vendem mais mesmo", explica o vendedor Rog?rio Rocha, que sabe que, ap?s o in?cio da Copa, as vendas s? continuar?o crescendo se o Brasil avan?ar.

Na Rua S?o Jo?o, a dona da loja at? tentou resistir, mas acabou aceitando o desafio de vender algumas camisas estilizadas sobre o Brasil e a Copa do Mundo. Esse n?o ? o ramo nem o tipo de roupa que eles vendem, mas a gerente, Vanda Maria Dias, explica que a aceita??o foi muito boa.

"Tem sa?do bastante sim. At? mais do que n?s esper?vamos. J? vendemos bastante mas continuamos acreditando que as vendas ainda v?o melhorar. Tem jovem que compra, outras pessoas que compram para dar para jovem", explica ela, mostrando as camisas que possuem modelos masculino e feminino.

Tradi??o do bom neg?cio

O jornaleiro S?rgio n?o nega a descend?ncia italiana e usa a camisa da It?lia. Mas em sua banca, ? paix?o pelo Brasil que est? presente. Coisa que passou de pai para filho, explica ele. A id?ia de vender artigos relacionados ao futebol e ? Copa do Mundo foi lan?ada h? muitos anos por seu pai. E ele n?o abre m?o de seguir a iniciativa. Por tradi??o, e por ser tamb?m um bom neg?cio.

"As vendas melhoram uns 30 a 40%. As bandeiras vendem mais. ? mais tradicional", explica S?rgio.

Mas em sua banca pode-se encontrar de tudo. De fitinhas que custam R$ 0,50 at? bandeiras enormes de R$ 150.

"Temos uma bandeira do tamanho da banca, que vamos pendurar l? fora no dia de jogo do Brasil", explica o comerciante. Dentro da banca, fitinhas, camisas, chap?us, pulseiras, toucas, adesivos, bolas de futebol, bandanas, cornetas e tudo mais que se imagina relacionado ao mundo do futebol verde e amarelo.

Agora, com menos de 15 dias para a Copa do Mundo, chegou a hora de faturar. ? quando as vendas aumentam e ? dif?cil at? interromp?-lo por uns minutos para conversar, tantos s?o os clientes que chegam a toda hora para comprar. Muitos s?o clientes fixos, de longa data, cultivados desde que seu pai abriu a banca, h? 50 anos. A confian?a passa de gera??o em gera??o. E se a situa??o est? ruim, se o pa?s est? em crise, problema para outros setores.

"Brasileiro n?o deixa de torcer n?o".

Driblando a crise

Mesmo quem n?o vende artigos de Copa do Mundo quer aproveitar a mobiliza??o em torno da competi??o para lucrar. Muitas farm?cias, por exemplo, est?o enfeitadas com temas verde e amarelos. As ?ticas tamb?m. Mas ? o com?rcio inteiro que se mobiliza nessa ?poca. De cursos de inform?tica a lojas de R$ 1,99. Lojas credenciadas de uma operadora de celular ousaram. Est?o dando uma camisa oficial da Sele??o Brasileira para quem comprar um celular. Ou seria o contr?rio? Na ?tica, a moda ? ficar com os olhos no Brasil. Quem compra pares de lentes comuns pode ganhar, de brinde, lentes para ficar com a bandeira brasileira no olho. E assim o c?mercio mostra que est? de olho ? nos lucros da maior paix?o do brasileiro.