SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Cirurgiões do Hospital Universitário de Toulouse e do Instituto Claudius Regaud, na França, usaram a tecnologia de impressão 3D para produzir um nariz para uma paciente que havia perdido o órgão durante o tratamento contra um câncer. O material feito em 3D foi "cultivado" no braço da mulher até que ele pudesse ser transplantado.

Pesquisadores de diferentes países têm usado a técnica, capaz de criar objetos e tecidos humanos do zero, para diversas situações ?desde a construção de casas e escolas, fabricação de armas de fogo e mais recentemente, a criação de órgãos.

COMO FOI FEITO O PROCEDIMENTO

Segundo a equipe médica, a paciente havia perdido grande parte do nariz há quase uma década. Em 2013, a mulher, que não teve a identidade divulgada pelo hospital, foi diagnosticada com câncer na cavidade nasal, e os tratamentos de radioterapia e quimioterapia fizeram com que ela perdesse a cartilagem e a pele da região.

Sobrevivendo à doença, a mulher viveu alguns anos sem nariz antes de optar pela construção nasal com enxertos de retalhos de pele retirados do próprio corpo. No entanto, a intervenção médica não deu certo e a paciente apresentou dificuldades em usar prótese no local.

Foi aí que os médicos sugeriram criar um nariz a partir de uma impressora 3D. O procedimento, que é bastante complexo, foi dividido em duas etapas.

Os profissionais usaram biomaterial feito sob medida ?usado no lugar da cartilagem? impresso em 3D em uma forma baseada em imagens do nariz da paciente antes do tratamento contra o câncer. Com o "molde" feito, ele foi implantado no antebraço da paciente, onde um pedaço de pele retirada de sua têmpora foi cultivada sobre essa estrutura, para um período de vascularização e crescimento.

Dois meses depois, os cirurgiões da Universidade de Toulouse transplantaram o novo nariz, que agora tinha tecido, no rosto do paciente. A microcirurgia foi realizada para conectar os vasos sanguíneos que cresceram na pele do braço aos do rosto.

Para o procedimento, a mulher ficou internada por dez dias e foi medicada com antibióticos por três semanas após a cirurgia. Em seguida ela teve alta e pôde retornar para casa.

COMO UM OSSO PODE SER IMPRESSO EM 3D?

Segundo o site da Cerhum, empresa especializada nesse processo, a construção óssea dentro do nosso corpo ocorre usando substâncias químicas como a Hidroxiapatita (HAP) e o Fosfato Tricálcico (TCP). Esses produtos são produzidos por nossas células ósseas e, em seguida, moldados nas configurações desejadas, dependendo da localização do osso.

Curiosamente, eles também podem ser produzidos de forma barata com métodos de produção em massa usando reações químicas controladas. A Cerhum não apenas conseguiu decifrar o processo de produção desses químicos, como também descobriu uma maneira de usá-los para imprimir ossos em 3D.

Ainda segundo a empresa, a cicatrização e a reabilitação são mais rápidas com o uso dessa tecnologia. O material usado é testado clinicamente e a estrutura impressa em 3D é sempre moldada exclusivamente para cada paciente, com suas características e tamanhos únicos.