SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A lista de crimes cometidos por garimpeiros ilegais na Terra Indígena Yanomami inclui a ocupação e fechamento de postos de saúde e até uma suspeita de estupro. Flávio Dino, ministro da Justiça, considera haver crime de genocídio contra os yanomamis em Roraima e pediu a investigação da Polícia Federal. Esta crise humanitária também será levada ao Tribunal Penal Internacional. A destruição do meio ambiente local também causa preocupação.

Em entrevista ao UOL News, nesta terça-feira (24), Júnior Hekurari Yanomami, presidente do Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye'kwana, relatou o drama vivido por seu povo. O líder indígena, que denunciou a crise humanitária envolvendo os yanomamis, também estimou uma longa recuperação para os danos ambientais causados pela exploração do garimpo ilegal.

"A floresta e os rios não vão se recuperar rapidamente do impacto. Esses danos aos rios e às comunidades e a destruição da floresta vão demorar muito para recuperar. Estamos falando de 50 a 100 anos para termos esse controle de novo", diz o líder indígena