SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O dono de uma tirolesa da qual o turista Sergio Murilo Lima de Santana, 39, caiu e morreu no Ceará, foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio culposo -quando não há intenção de matar.

O dono do brinquedo "agiu com negligência, ao ignorar o risco que a conduta dele poderia ocasionar", segundo entendimento do MP do Ceará. O proprietário do equipamento não teve a identidade revelada e, por isso, o UOL não conseguiu contato com a defesa dele.

O MP também pediu investigações complementares para apurar "possíveis condutas criminosas de agentes públicos" que são responsáveis pela fiscalização do brinquedo.

"Após a oitiva de algumas testemunhas, como também pelo resultado da perícia, foi constatado que o proprietário teve o descuido na instalação de colunas de sustentação do brinquedo, colocando-as em tamanho incompatível com o seu funcionamento devido, com o que se exigia para seu funcionamento", explicou a promotora Nara Rúbia.

A queda ocorreu em Canoa Quebrada, no município de Aracati, litoral do Ceará, em outubro de 2022. Sérgio Murilo era natural do Pará e passava férias com a família no litoral cearense.

No dia do acidente, o turista gravou o próprio acidente com o celular. A namorada dele, que havia utilizado o equipamento antes, registrou o acidente no ângulo oposto.

No vídeo, o turista aparece empolgado, enquanto desce a tirolesa montada nas dunas. Durante o percurso, um dos postes que segura o cabo por onde a tirolesa desliza cede, fazendo com que Sergio Murilo caia em queda livre, se chocando contra a areia.