• Assinantes
  • Autenticação
  • Casa

    Quarto de bebê deve ser funcional e seguro Os preparativos para montar o ambiente ideal para o novo membro da família começam, em geral, a partir do quarto mês de gestação

    Patrícia Rossini
    *Colaboração
    03/04/2009

    Para os pais de primeira viagem, os nove meses de gravidez são marcados por diversos momentos emocionantes, como o primeiro ultrassom, o barulho das batidas do coração e a descoberta do sexo do bebê.

    A hora de planejar o quarto do novo membro da família também é especial, principalmente para as futuras mamães. Enquanto esperam a chegada do bebê, elas pensam em todos os detalhes para tornar o espaço bonito e aconchegante.

    No entanto, a variedade de móveis e objetos de decoração pode confundir as mães de primeira viagem. Pensando nisso, o Portal ACESSA.com conversou com os arquitetos Carlos Gouvêa Júnior e Carla Goiatá (vídeo ao lado) para esclarecer dúvidas sobre o planejamento do quarto do bebê.

    Funcionalidade

    Geralmente, os preparativos começam a partir do quarto mês de gestação, quando já é possível saber o sexo do bebê. Segundo Carla, o primeiro passo é definir qual será o uso do ambiente e avaliar o espaço disponível. É importante que o quarto seja funcional e tenha espaço suficiente para a circulação de pessoas e para a entrada de um carrinho de bebê.

    Se a ideia é reaproveitar os móveis e a decoração no desenvolvimento da criança, é importante verificar se o local ocupado pelo berço é suficiente para uma cama. "Um quarto infantil bem planejado pode durar entre oito e dez anos, desde que o espaço seja compatível com o crescimento da criança", afirma Carlos.

    Foto de móveis de bebê Foto de móveis de bebê

    A escolha dos móveis também é relevante. Para acompanhar o crescimento da criança, Carla explica que o armário deve ser bem dividido. "A criança perde roupas muito rápido e, por isso, não precisa de um armário muito grande. Contudo, vale ter atenção às divisórias. As crianças costumam ter mais roupas para guardar em gavetas do que para pendurar em cabides."

    O quarto deve ter, basicamente, um berço, um armário, uma poltrona para amamentação e uma cômoda para trocar o bebê. "Se o espaço for pequeno, retire a cômoda e use o próprio berço para trocar as fraldas. Quando o bebê começa a se virar sozinho, fazer a troca na cômoda fica muito perigosa", justifica Carlos.

    Pintura e iluminação

    Tradicionalmente, paredes azuis indicam o quarto masculino e o rosa é mais usado no quarto de meninas. Entretanto, os arquitetos recomendam a mistura de tonalidades e o uso de recursos como papéis de parede e tecido para tornar o ambiente menos cansativo. "Devido aos estudos da cromoterapia, sabemos que as cores influenciam no humor e no comportamento. No quarto infantil, o ideal é misturar uma cor quente e uma cor fria, sempre em tons pastéis", diz Carlos.

    Foto de móveis de bebê Foto de móveis de bebê

    Em relação ao tema da decoração, a dica de Carla é apostar no básico. "O ideal é trabalhar o tema nos detalhes. A decoração pode ser feita ao longo do tempo, conforme a criança cresce e desenvolve suas vontades."

    Nas paredes, o tema escolhido pode ser trabalhado em papéis de parede e painéis em MDF ou EVA. A novidade é o uso dos adesivos de vinil.

    Para a iluminação, o importante é usar um dispositivo que reduz a intensidade de luz, como o dimmer ou um abajur.

    Foto de móveis de bebê Foto de móveis de bebê
    Detalhes que fazem a diferença
    "Nos primeiros meses de vida, a criança pode desenvolver alergia. Por isso, é necessário usar materiais antialérgicos e evitar o acúmulo de poeira no quarto do bebê", alerta Carla. Segundo ela, trocar as cortinas por persianas é uma opção que facilita a limpeza. Caso a pessoa não goste da persiana, deve escolher uma cortina fácil de limpar.

    Outra dica é evitar o uso de tapetes. Mesmo os modelos antialérgicos oferecem riscos, pois acumulam sujeira e bactérias.

    Os arquitetos alertam sobre as quinas e os puxadores de gaveta. "Geralmente, os móveis infantis não têm quinas, mas é preciso ter atenção. Quando a criança começa a brincar no chão e a engatinhar, tudo pode acontecer. A curiosidade dos pequeninos não tem limites", comenta Carla.

    No mercado, é possível encontrar diversos tipos de dispositivos de segurança, como travas para gavetas e portas, que ajudam a evitar acidente.

    *Patrícia Rossini é estudante de Comunicação na UFJF


    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.