UFJF inicia primeira fase para criação do Jardim Bot?nico na Mata do Krambeck

Por

Quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010, atualizada às 13h

UFJF inicia os trabalhos para a criação do Jardim Botânico na Mata do Krambeck

Pablo Cordeiro
*Colaboração

O reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Henrique Duque de Miranda Chaves Filho, assinou o contrato de compra do Sítio Malícia, garantindo à UFJF a propriedade do espaço. Com isso, os trabalhos na área já podem ser iniciados. "Amanhã começaremos uma limpeza no local", afirma Duque.

A expectativa é de que o Jardim Botânico esteja aberto ao público até o meio do ano. A última previsão de abertura do Jardim Botânico era para o início deste ano, porém, a verba destinada à aquisição do terreno no Sítio Malícia não havia sido liberada pelo governo federal. Segundo Duque, as negociações tiveram início há 40 meses e nos últimos 18 meses o protocolo de apropriação estava sendo preparado.

A concretização da negociação com os proprietários da área só foi possível devido a empenho realizado junto ao Ministério da Educação (MEC) para a liberação do recurso de R$ 5,3 milhões antes da realização do leilão do prédio da Odontologia.

"A validade do protocolo expirou em 31 de janeiro e a empresa responsável pela área ofereceu à UFJF duas alternativas: rever o valor ou cancelar o contrato. Diante desta incerteza, fomos ao MEC e conseguimos a antecipação da verba. Nos próximos dias, o presidente Lula vai assinar o decreto que possibilita o leilão do prédio da Odontologia e o valor será devolvido, assim que  processo for concluído", explica o reitor. Os R$ 5,3 milhões são advindos de emenda parlamentar de dezembro de 2009. O leilão do prédio, localizado na rua Espírito Santo, 1.300, ocorre assim que o decreto for assinado. 

Além de visitação turística, o Jardim Botânico será palco de imensas explorações da diversidade da flora e da fauna do local. Os estudos tiveram início há um ano e cerca de 30% da floresta já foi explorada, com 400 espécies distintas de plantas catalogadas até o momento

*Pablo Cordeiro é estudante do 9º período de Comunicação Social da UFJF

Os textos são revisados por Madalena Fernandes