Projeto traz solu?es para quest?o do aterro sanit?rio em JF Equipe de profissionais da UFJF levantou ?reas ideais para a implanta??o do aterro sanit?rio na cidade. Projeto deve ser conclu?do este m?s

Priscila Magalh?es
Rep?rter
04/07/2008

Segundo o professor da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) C?zar Henrique Barra Rocha, a ?rea onde est? o atual aterro sanit?rio da cidade n?o ? apropriada para seu funcionamento . "O local apresenta uma topografia acidentada e v?rias nascentes de ?gua comprometidas. Al?m disso, a bacia que passa pelo local ? classificada como I".

"O aterro do Salvaterra ocupa uma ?rea de nascentes e, por isso, n?o est? de acordo com a resolu??o", afirma o professor. A Delibera??o Normativa do Conselho Estadual de Pol?tica Ambiental (Copam), n? 52, de 14 de dezembro de 2001, diz, em seu artigo 4?, que fica vedada a instala??o de sistemas de destina??o final de lixo em bacias cujas ?guas sejam classificadas na Classe Especial e na Classe I. O objetivo ? a prote??o de mananciais destinados ao abastecimento p?blico.

Por causa da exist?ncia desse aterro e da possibilidade de funcionamento de um outro, tamb?m com algumas irregularidades ambientais, uma equipe multidisciplinar, com profissionais do curso de Geografia, Biologia e Engenharia da UFJF, colocou em pr?tica um projeto para apontar ?reas favor?veis ? instala??o de aterros sanit?rios na cidade. A previs?o ? que ele seja finalizado ainda este m?s.

Foto de C?zar Rocha O estudo tra?ou mapas de avalia??o ambiental para analisar a forma??o das rochas, o relevo, a declividade, as faixas de altitude e o uso do solo em algumas regi?es.

A partir desses mapas, a equipe chegou a um outro que identifica as ?reas potenciais para os aterros. Essa foi a primeira parte do projeto An?lise Ambiental por Geoprocessamento de ?reas para Aterro Sanit?rio: aplica??o em Juiz de Fora/MG. A segunda parte consistiu na an?lise da legisla??o ambiental, quando as ?reas foram submetidas ?s resolu?es do Copam.

A terceira parte foi calcular o tamanho de cada local levantado e, assim, chegar ? ?rea e ? vida ?til de cada um, levando em considera??o a sua altura. A ?ltima parte estuda os acessos: a dist?ncia dos locais ao centro gerador de lixo, a densidade demogr?fica e a condi??o das estradas.

Finalizadas todas as etapas, o professor pode dizer que, at? o momento, uma ?nica ?rea atende todos os requisitos, inclusive os ambientais. "Mas, levando em considera??o que o Copam est? autorizando que alguns aterros funcionem em ?reas que n?o obedecem ? legisla??o, apontamos tr?s ?reas na cidade".

Aterro de Joasal

Foto de aterro sanit?rio atual A ?rea est? localizada em Granjas Bethel, em frente ? usina hidrel?trica de Joasal e mede 77,83 hectares (h?). "? uma ?rea grande", diz professor. Para um aterro com 20 metros de altura, atenderia a cidade por 57 anos, levando em considera??o que a popula??o cresce 1% ao ano e que cada habitante produz 750 gramas de lixo por dia. Este valor foi calculado levando em considera??o o lixo j? compactado.

O local est? a 12 quil?metros do centro gerador de lixo, o Parque Halfeld. "? a ?rea mais perto que encontramos. At? uma dist?ncia de 20 Km ? considerado bom", explica. Sobre o acesso, C?zar diz que o local n?o tem grande densidade populacional. "A cidade n?o vai crescer para este lado nos pr?ximos anos", diz. A ?rea apontada pela pesquisa ? a ?nica em que o rio Paraibuna ? classificado como dois. "De classe dois para cima, o aterro pode ser colocado. Quanto maior a classifica??o, pior a qualidade da ?gua", esclarece.

Aterro de Filgueiras

Foto da ?rea de Filgueiras A ?rea tem 67,87 h?, menor que o de Joasal e, para uma altura de 20 metros, teria 47 anos de vida ?til. Neste caso, tamb?m ? levado em considera??o o fato de a popula??o da cidade crescer 1% ao ano e produzir 750 gramas de lixo por dia. Ele est? h? 18 Km de dist?ncia do centro gerador de lixo. Por?m atrav?s de um caminho alternativo, o percurso cai para 14 Km e o professor aponta as restri?es.

"Pelo caminho mais curto, o governo precisaria investir no acesso, j? que esta ? uma estrada estreita e passa por n?cleos populacionais. Por?m, ? a ?rea menos urbanizada atualmente, o que causaria menos impacto ? popula??o". Isso n?o ? o que acontece no percurso mais longo, onde a pista ? simples e passa por ?rea muito urbanizada. "Geraria mais conflito social neste caso", acrescenta.

Al?m da quest?o do acesso, outra restri??o ? a classifica??o do c?rrego que passa pelo local. Ele ? classificado como I e, na teoria, n?o seria permitido a constru??o do aterro neste local.

Aterro de Ponte Preta

Foto da ?rea de Ponte Preta Esta ? a maior ?rea encontrada pelos pesquisadores, com 89,79 hectares. Nas mesmas condi?es apresentadas acima, ele teria vida ?til de 63 anos e est? localizado a 16 Km do Parque Halfeld. Ela est? em frente ao bairro Ponte Preta e C?zar suspeita que a ?rea j? foi sondada em abril de 1996. "O Plano Diretor de Limpeza Urbana naquele ano apontou uma ?rea que se aproxima da Fazenda Limeira, o que faz achar que seria este mesmo local".

O acesso a este local j? est? pronto e n?o geraria conflito social por estar em uma ?rea industrial. Por?m, o trecho de ?gua que passa por este local ? classificado como I, o que n?o ? permitido pela DN do Copam. "Em algumas situa?es, o espa?o n?o atende por causa da legisla??o ambiental, mas o ?rg?o estadual aprova", enfatiza.

Outras restri?es

Os tr?s espa?os apontados por C?zar s?o particulares e precisariam ser adquiridos, inclusive com algumas desapropria?es. Al?m disso, h? o inconveniente da desvaloriza??o dos terrenos pr?ximos ao aterro. H? o impacto do mau cheiro, dos urubus e da presen?a dos catadores. "Mas quando a obra ? realizada de forma correta desde o come?o, n?o h? grandes impactos", garante.