• Assinantes
  • Autenticação
  • Cultura
    Segunda-feira, 29 de setembro de 2014, atualizada às 12h08

    Publicado edital para finalização das obras do Teatro Paschoal Carlos Magno

    Teatro

    Foi publicado no Atos do Governo da Prefeitura de Juiz de Fora o Edital para a contratação de empresa de engenharia para finalização das obras do Teatro Paschoal Carlos Magno, construção iniciada na década de 1980. A concorrência, visando ao menor preço, será realizada no dia 30 de outubro, quinta-feira.

    Segundo o edital, o contrato será realizado por regime de empreitada e terá duração de 13 meses. As empresas licitantes deverão apresentar projetos arquitetônico, de ar condicionado, elétrico e estrutural. Além destes, também o projeto hidrosanitário, psci, projeto cenografia e spda.

    No edital, consta a realização de uma visita técnica obrigatória, que deve ser realizada até um dia útil antes do dia da concorrência. A solicitação deve ser realizada junto à Subsecretaria de Coordenação e Projetos – SSCP, da Secretaria de Obras. Além da documentação prevista no Edital, é necessário que a empresa deposite o valor de R$ 63.623 como Garantia de Participação na Concorrência, valor que é devolvido às licitantes, exceto à vencedora do processo.

    Todas as informacões referentes ao processo estão publicadas na página da Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura de Juiz de Fora. Informações via e-mail ou via fax – (32) 3690-8184.

    Obras foram iniciadas há mais de 30 anos

    As obras do teatro, localizado na rua Gilberto de Alencar, foram iniciadas em 1980. Ainda no início da intervenção no local, trabalhadores descobriram que, como a terra do local era muito argilosa, seria necessário construir uma contenção no entorno do prédio, o que garantiu a estabilidade. O valor orçado ultrapassou o previsto pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) na época.

    Com mudanças na administração municipal foram feitas algumas tentativas de retomada das obras, sem sucesso. Nos anos 90, o local, com apenas parte construída e no reboco, foi usado por artistas da cidade como espaço alternativo para montagens teatrais. Sondado, inclusive, para abrigar o Legislativo Municipal, o teatro teve suas plantas revistas no final da década de 90, quando foi apontada a necessidade de se levantar R$ 1,2 milhão e impossibilitou a conclusão das obras.

    Em junho deste ano, o governador de Minas Alberto Pinto Coelho anunciou o repasse de recursos de convênio com a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig) para a finalização das obras. Na oportunidade, passou ao município a responsabilidade pelo gerenciamento técnico, administrativo e financeiro da obra.

    Conheça nossos planos e serviços

    (32) 2101-2000

    A melhor internet está aqui!

    Conteúdo Recomendado

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.