• Assinantes
  • Esporte

    Brasileiros no exterior estão na expectativa para a Copa do Mundo

    Mesmo com a distância, torcedores acompanham dia a dia da Seleção e torcem pelo Hexa

    Lucas Soares
    Repórter
    5/06/2014

    Quando Gustavo Mesquita (foto ao lado), 22, deixou o Brasil para estudar na Holanda, sabia que estava deixando também o sonho de ver uma Copa do Mundo "em casa" para trás. Mas os quase 10 mil quilômetros que separam Juiz de Fora de Vlissingen, uma cidade com cerca de 45 mil habitantes na região Sudoeste do país europeu, não diminuiu a expectativa do estudante para o torneio, pelo contrário.

    Segundo Mesquita, o clima é de euforia e expectativa para a Copa. "Está tudo ficando laranja por aqui. Supermercados, casas, na empresa aonde sou estagiário, em todos os lugares. Os holandeses são tão fanáticos por futebol quanto os brasileiros, só que no jeito deles", explica.

    Essa situação, no entanto, é oposta a vivida pelo também estudante Felipe Almeida (foto abaixo, à esquerda), 22, que está em Montreal, a segunda cidade mais populosa do Canadá. "Os canadenses em geral não são muito aficionados por futebol, então eu não tenho sentido o clima da Copa por aqui. Eu já cheguei a ler umas duas notícias no jornal local. Nesse final de semana eu fui a uma lanchonete que estava com decoração, as vidraças cheias de desenhos da taça e de bolas, mas foi o único estabelecimento que vi assim. Várias pessoas quando ficam sabendo que eu sou do Brasil me perguntam se eu estou animado pra Copa, mas o povo aqui é apaixonado mesmo por hockey", conta.

    A situação é semelhante à vivida pela publicitária Victória Freitas (foto abaixo, à direita), 24. Morando há um ano em Estocolmo, capital da Suécia, ela conta que a expectativa era grande pela Copa do Mundo até a eliminação do país.  "Eu vi alguns suecos muito animados até o jogo em que eles perderam para Portugal e, consequentemente, foram desclassificados para participar da Copa do Mundo. Agora eu não vejo as pessoas daqui animadas", afirma.

    Todos os três assistem pela primeira vez a Copa do Mundo no exterior. E cada um se vira como pode para torcer pela Seleção. "Estou fazendo estágio em uma empresa com mais quatro brasileiros, então a gente está conversando com os nossos chefes para folgarmos no horário dos jogos. Eles são mais flexíveis, então com isso a gente não vai ter problema", diz Almeida. Na Suécia, Victória diz que a diferença de fuso horário vai ajudar. "Não vou precisar parar nada, porque os horários dos jogos não coincidem com meus compromissos. Morar com 5 horas de diferença tem lá suas vantagens!", brinca.

    Torcida

    Fã de futebol, e em um país foi vice-campeão do último torneio, Mesquita sabe que para torcer pelo Brasil, terá que enfrentar concorrência. "Trouxe minha camisa do Brasil e acompanho tudo da Copa pela internet. Estou combinando de ver jogos com amigos, principalmente quando for Brasil e Holanda ou Brasil e Espanha (combinações possíveis na segunda fase) por exemplo, já que tenho um amigo espanhol aqui na cidade. Além disso já fazendo um estoque de cerveja e comprei uma camisa laranja, caso o Brasil não avance", afirma.

    Na Suécia, os brasileiros também já estão se movimentando para torcer juntos. "Já tem muita gente perguntando a respeito, em grupos do Facebook, e tentando organizar um lugar para assistir aos jogos", relata Victória. Já no Canadá, Almeida garante que os brasileiros vão fazer barulho. "Vários bares que passam transmissões de eventos esportivos, vão passar os jogos da Copa. Os brasileiros do meu edital do Ciências Sem Fronteiras já combinaram de ir ao mesmo bar, perto da nossa universidade, ver a estreia da Seleção. Vamos fazer bastante barulho aqui!", comenta.

    Produtos

    Vlissingen, na Holanda, já está no clima da Copa.E não é só o Brasil que explora a marca da Copa do Mundo e produtos relacionados à competição. O maior campeonato de futebol do planeta movimenta até os países que não vão participar do torneio. "Já vi muitas lojas com artigos verde e amarelo, bandeiras e camisas, mais do Brasil do que de outras seleções. Ainda não comprei, mas vou comprar", diz Victória.

    Na Holanda, o sentimento nacionalista é explorado ao máximo pelos comerciantes. "Nos supermercados você encontra de tudo, tudo mesmo, e tudo laranja para se comprar. Chapéu, bola, colar, tudo! E as cervejarias aqui também apoiam muito, além de ter muitas promoções, a maioria delas traz com uma camisa laranja da marca. Dizem que quando a Copa começar, telões serão instalados pela cidade e todos param para ver os jogos, trabalham de laranja... Parece que a Copa deles vai ser muito "brasileira" também", opina Mesquita.

    Apostas

    Mesmo em outro país, o trio acompanha o dia a dia da Seleção e está confiante no hexacampeonato, apostando principalmente no coletivo. "Meu palpite é que o Brasil vai ganhar, pode até ser um palpite meio na obrigação de acreditar que isso vai acontecer, por que a Seleção não está ruim e ainda joga em casa. Muito se fala na compra dos jogos, mas não acredito que isso vá acontecer. Acho que o Brasil está começando a parecer um time completo, então não acho que um jogador vai ser o decisivo apesar de alguns jogadores poderem se destacar como Neymar, Oscar, Paulinho e Thiago Silva", diz Mesquita.

    O canadense aposta na experiência do técnico Felipão para o título canarinho. "Eu não tenho acompanhado muito o futebol internacional, só mais o meu Vascão mesmo, então eu nem estou muito por dentro das outras equipes. Apesar disso eu acredito que o Brasil tem tudo pra levar essa, mas não usando o talento de um craque específico, como o Neymar. Eu acredito que o time inteiro tem potencial pra jogar em alto nível juntos e conseguir a taça. A experiência do Felipão pode contar muito a favor da seleção, talvez ele vai ser o 12° jogador brasileiro nessa Copa", explica. Já Victória é sucinta. "Acho que essa Copa é do Brasil!", conclui.

    O melhor provedor de internet de
    Juiz de Fora

    ACESSA.com

    Banda larga na sua casa a partir de R$29,90

    Conheça nossos planos

    (32) 2101-2000

    Envie Sua Notícia

    Se você possui sugestões de pauta, flagrou algum fato curioso ou irregular, envie-nos um WhatsApp

    +55 32 99915-7720

    Comentários

    Ao postar comentários o internauta concorda com os termos de uso e responsabilidade do site.