Matheus Brum Matheus Brum 23/11/2015

Até que enfim, Carijó!

tupiCom o acesso à Série B garantido, o Tupi vai começando a remontar o elenco para o ano de 2016. Alguns jogadores não devem ter o contrato renovado, e outros, consequentemente, chegarão em Santa Terezinha. Até agora, Glaysson, Osmar, Filipe Alves, Vinícius Kiss, Ygor e Ramon, tiveram o vínculo estendido até o final no ano que vem. Além desses jogadores, duas contratações foram anunciadas, o lateral direito Douglas, vindo do Tombense e o meia Hiroshi, que estava na Cabofriense.

As renovações foram acertadas. Glaysson e Osmar jogaram muito o ano inteiro. Kiss “chegou chegando”, como dizemos no jargão popular, e conquistou o carinho da torcida por seu jogo veloz e incisivo na ponta direita. Já Ramon, ficou na reserva e teve boas participações entrando no decorrer dos jogos. Sobre as contratações, são jogadores que estão buscando espaço no cenário nacional. Douglas é polivalente, podendo atuar tanto na direita, quanto na esquerda. Isso é ótimo, uma vez que tivemos problemas na canhota no Mineiro, situação que foi consertada com a chegada do Bruno Ré. Porém, o camisa 4 não fica para o ano que vem. Já Hiroshi, tem passagens em times pequenos no Brasil e em Portugal. A princípio, vai ter que mostrar muito empenho, já que a camisa 10 fica com Marco Goiano, por sua grande participação na reta final da Terceira Divisão.

Até agora, o planejamento para 2016 vai caminhando da forma como todos imaginamos: de forma lenta e gradual, apostando na manutenção do elenco para a Série B. Contudo, uma notícia que me deixou extremamente alegre foi a de que o clube realizará peneiras com jovens de 18 a 22 anos. Claro que é muito difícil achar jogadores que possam se encaixar no time para a disputa do Mineiro e da Segunda Divisão, uma vez que há uma diferença enorme entre várzea e profissional. Jogador amador não tem uma noção apurada de posicionamento e tática. Normalmente, resolve tudo na base do talento. Entretanto, isso reforça a necessidade do Tupi investir nas categorias de base. É inadmissível que um clube que está entre os quarenta melhores do país não tenha um trabalho com jovens. É primordial montar uma estrutura para peneirar jogadores de Juiz de Fora e Região. Foco nas crianças e adolescentes, que terão tempo para se desenvolver tecnicamente e taticamente.

Entendo que a questão financeira pesa nesse momento. Todavia, está na hora de fazer uma boa prospecção no mercado, arrumar novos patrocinadores, e usar uma parte da verba da Série B para melhorar a estrutura física do clube. Apostar em jovens talentos é vantajoso em vários aspectos, principalmente na parte financeira. Trabalhar no desenvolvimento de um jovem saí muito mas barato do que um “medalhão”. Além do retorno técnico, pode haver um lucro na hora da venda do atleta, que resultará em dinheiro disponível para novas contratações e melhoria dos trabalhos na base. Tudo isso levará a um ciclo, que trará importantes benefícios para a instituição. 

O primeiro passo foi dado, mas é necessário mais, muito mais, para que tenhamos um clube desenvolvido em todas as áreas do futebol.

Outros destaques

1° - Muito feliz com o acesso do Santa Cruz. Um time tradicional, com uma torcida apaixonada, que mesmo no calvário, não desistiu do clube, merece estar na Primeira Divisão.

2° - Botafogo não fez mais nada que a obrigação ao ser o Campeão da Série B. Era o único time grande a disputar a competição, tendo uma receita muito maior que todos os outros.

3° - Vitória do Vasco em Joinville, embola demais o Z-4. Tudo indica que, na última rodada, teremos uma reedição da “Batalha do Couto Pereira”. Só que, ao invés do Fluminense, dessa vez o Coritiba terá que enfrentar o Vasco para se manter na elite.

4° - Parabéns ao Villa Nova pelo Título da Série C. Um troféu extremamente merecido, pela história do clube e pela campanha no campeonato.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

-
Matheus Brum Matheus Brum 23/11/2015

Até que enfim, Carijó!

tupiCom o acesso à Série B garantido, o Tupi vai começando a remontar o elenco para o ano de 2016. Alguns jogadores não devem ter o contrato renovado, e outros, consequentemente, chegarão em Santa Terezinha. Até agora, Glaysson, Osmar, Filipe Alves, Vinícius Kiss, Ygor e Ramon, tiveram o vínculo estendido até o final no ano que vem. Além desses jogadores, duas contratações foram anunciadas, o lateral direito Douglas, vindo do Tombense e o meia Hiroshi, que estava na Cabofriense.

As renovações foram acertadas. Glaysson e Osmar jogaram muito o ano inteiro. Kiss “chegou chegando”, como dizemos no jargão popular, e conquistou o carinho da torcida por seu jogo veloz e incisivo na ponta direita. Já Ramon, ficou na reserva e teve boas participações entrando no decorrer dos jogos. Sobre as contratações, são jogadores que estão buscando espaço no cenário nacional. Douglas é polivalente, podendo atuar tanto na direita, quanto na esquerda. Isso é ótimo, uma vez que tivemos problemas na canhota no Mineiro, situação que foi consertada com a chegada do Bruno Ré. Porém, o camisa 4 não fica para o ano que vem. Já Hiroshi, tem passagens em times pequenos no Brasil e em Portugal. A princípio, vai ter que mostrar muito empenho, já que a camisa 10 fica com Marco Goiano, por sua grande participação na reta final da Terceira Divisão.

Até agora, o planejamento para 2016 vai caminhando da forma como todos imaginamos: de forma lenta e gradual, apostando na manutenção do elenco para a Série B. Contudo, uma notícia que me deixou extremamente alegre foi a de que o clube realizará peneiras com jovens de 18 a 22 anos. Claro que é muito difícil achar jogadores que possam se encaixar no time para a disputa do Mineiro e da Segunda Divisão, uma vez que há uma diferença enorme entre várzea e profissional. Jogador amador não tem uma noção apurada de posicionamento e tática. Normalmente, resolve tudo na base do talento. Entretanto, isso reforça a necessidade do Tupi investir nas categorias de base. É inadmissível que um clube que está entre os quarenta melhores do país não tenha um trabalho com jovens. É primordial montar uma estrutura para peneirar jogadores de Juiz de Fora e Região. Foco nas crianças e adolescentes, que terão tempo para se desenvolver tecnicamente e taticamente.

Entendo que a questão financeira pesa nesse momento. Todavia, está na hora de fazer uma boa prospecção no mercado, arrumar novos patrocinadores, e usar uma parte da verba da Série B para melhorar a estrutura física do clube. Apostar em jovens talentos é vantajoso em vários aspectos, principalmente na parte financeira. Trabalhar no desenvolvimento de um jovem saí muito mas barato do que um “medalhão”. Além do retorno técnico, pode haver um lucro na hora da venda do atleta, que resultará em dinheiro disponível para novas contratações e melhoria dos trabalhos na base. Tudo isso levará a um ciclo, que trará importantes benefícios para a instituição. 

O primeiro passo foi dado, mas é necessário mais, muito mais, para que tenhamos um clube desenvolvido em todas as áreas do futebol.

Outros destaques

1° - Muito feliz com o acesso do Santa Cruz. Um time tradicional, com uma torcida apaixonada, que mesmo no calvário, não desistiu do clube, merece estar na Primeira Divisão.

2° - Botafogo não fez mais nada que a obrigação ao ser o Campeão da Série B. Era o único time grande a disputar a competição, tendo uma receita muito maior que todos os outros.

3° - Vitória do Vasco em Joinville, embola demais o Z-4. Tudo indica que, na última rodada, teremos uma reedição da “Batalha do Couto Pereira”. Só que, ao invés do Fluminense, dessa vez o Coritiba terá que enfrentar o Vasco para se manter na elite.

4° - Parabéns ao Villa Nova pelo Título da Série C. Um troféu extremamente merecido, pela história do clube e pela campanha no campeonato.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.

Matheus Brum Matheus Brum 23/11/2015

Até que enfim, Carijó!

tupiCom o acesso à Série B garantido, o Tupi vai começando a remontar o elenco para o ano de 2016. Alguns jogadores não devem ter o contrato renovado, e outros, consequentemente, chegarão em Santa Terezinha. Até agora, Glaysson, Osmar, Filipe Alves, Vinícius Kiss, Ygor e Ramon, tiveram o vínculo estendido até o final no ano que vem. Além desses jogadores, duas contratações foram anunciadas, o lateral direito Douglas, vindo do Tombense e o meia Hiroshi, que estava na Cabofriense.

As renovações foram acertadas. Glaysson e Osmar jogaram muito o ano inteiro. Kiss “chegou chegando”, como dizemos no jargão popular, e conquistou o carinho da torcida por seu jogo veloz e incisivo na ponta direita. Já Ramon, ficou na reserva e teve boas participações entrando no decorrer dos jogos. Sobre as contratações, são jogadores que estão buscando espaço no cenário nacional. Douglas é polivalente, podendo atuar tanto na direita, quanto na esquerda. Isso é ótimo, uma vez que tivemos problemas na canhota no Mineiro, situação que foi consertada com a chegada do Bruno Ré. Porém, o camisa 4 não fica para o ano que vem. Já Hiroshi, tem passagens em times pequenos no Brasil e em Portugal. A princípio, vai ter que mostrar muito empenho, já que a camisa 10 fica com Marco Goiano, por sua grande participação na reta final da Terceira Divisão.

Até agora, o planejamento para 2016 vai caminhando da forma como todos imaginamos: de forma lenta e gradual, apostando na manutenção do elenco para a Série B. Contudo, uma notícia que me deixou extremamente alegre foi a de que o clube realizará peneiras com jovens de 18 a 22 anos. Claro que é muito difícil achar jogadores que possam se encaixar no time para a disputa do Mineiro e da Segunda Divisão, uma vez que há uma diferença enorme entre várzea e profissional. Jogador amador não tem uma noção apurada de posicionamento e tática. Normalmente, resolve tudo na base do talento. Entretanto, isso reforça a necessidade do Tupi investir nas categorias de base. É inadmissível que um clube que está entre os quarenta melhores do país não tenha um trabalho com jovens. É primordial montar uma estrutura para peneirar jogadores de Juiz de Fora e Região. Foco nas crianças e adolescentes, que terão tempo para se desenvolver tecnicamente e taticamente.

Entendo que a questão financeira pesa nesse momento. Todavia, está na hora de fazer uma boa prospecção no mercado, arrumar novos patrocinadores, e usar uma parte da verba da Série B para melhorar a estrutura física do clube. Apostar em jovens talentos é vantajoso em vários aspectos, principalmente na parte financeira. Trabalhar no desenvolvimento de um jovem saí muito mas barato do que um “medalhão”. Além do retorno técnico, pode haver um lucro na hora da venda do atleta, que resultará em dinheiro disponível para novas contratações e melhoria dos trabalhos na base. Tudo isso levará a um ciclo, que trará importantes benefícios para a instituição. 

O primeiro passo foi dado, mas é necessário mais, muito mais, para que tenhamos um clube desenvolvido em todas as áreas do futebol.

Outros destaques

1° - Muito feliz com o acesso do Santa Cruz. Um time tradicional, com uma torcida apaixonada, que mesmo no calvário, não desistiu do clube, merece estar na Primeira Divisão.

2° - Botafogo não fez mais nada que a obrigação ao ser o Campeão da Série B. Era o único time grande a disputar a competição, tendo uma receita muito maior que todos os outros.

3° - Vitória do Vasco em Joinville, embola demais o Z-4. Tudo indica que, na última rodada, teremos uma reedição da “Batalha do Couto Pereira”. Só que, ao invés do Fluminense, dessa vez o Coritiba terá que enfrentar o Vasco para se manter na elite.

4° - Parabéns ao Villa Nova pelo Título da Série C. Um troféu extremamente merecido, pela história do clube e pela campanha no campeonato.


Matheus Brum nascido e criado em Juiz de Fora, jornalista em formação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e desde criança, apaixonado pelo Flamengo e por esportes. Atualmente é escritor do blog "Entre Ternos e Chuteiras", estagiário da Rádio CBN Juiz de Fora e editor e apresentador do programa Mosaico é nascido e criado em Juiz de Fora.